Comportamento sexual e infecções sexualmente transmissíveis em mulheres que fazem sexo com mulheres no Brasil/ Sexual behavior and sexually transmited infections in women who have sex with women in Brazil

Gabriela de Queiroz Fontes, Aline Rocha Aguiar, Amanda Silvestre Santos Gonçalves, Juliana Pereira de Lucena Menezes, Vitória Teles Apolônio Santos, Rodrigo Almeida Santiago de Araújo, Júlia Maria Gonçalves Dias

Abstract


INTRODUÇÃO: O padrão heteronormativo da sociedade acarreta dificuldade de acesso à saúde para população não-heterossexual, especialmente mulheres lésbicas e bissexuais. Além de maior prevalência em diversas doenças, a prática sexual sem método preventivo adequado ocasiona um maior risco de desenvolver infecções sexualmente transmissíveis. OBJETIVO: Identificar o comportamento sexual e o perfil epidemiológico de mulheres que fazem sexo com mulheres no Brasil. MÉTODOS: Trata-se de estudo observacional, descritivo, com dados coletados através de questionário próprio, contendo variáveis epidemiológicas e comportamentais. O estudo contou com a participação de 454 mulheres que preencheram todos os critérios de inclusão. RESULTADOS: Das 454 participantes, a maioria eram bissexuais (60%), com idade média de 23,7 anos, solteiras com parceiro (a) fixo (a) (48,35%), possuíam ensino superior incompleto (56,04%) e não seguiam nenhuma religião (71,6%). Quanto ao comportamento sexual, apenas uma pequena parte usa proteção contra ISTs no primeiro encontro sexual com outras mulheres (8,4%) e a principal justificativa para esse comportamento foi o desconhecimento de métodos eficazes e acessíveis. Quanto ao ato sexual, 38,9% fazem uso de brinquedos, mas apenas 42,37% destas usam condom nos equipamentos. No sexo oral, quase a totalidade não fazem uso de nenhuma proteção (96,04%). CONCLUSÃO: Observa-se que apesar de origens distintas, em um ponto todas elas se unem: a dificuldade para exercer uma vida sexual segura e mais discutida pela sociedade. Diante da vulnerabilidade desta população, estudos mais robustos devem ser realizados e utilizados para a elaboração de estratégias para minimizar os riscos da contração de ISTs neste grupo.


Keywords


homossexualidade feminina, bissexualidade, doenças sexualmente transmissíveis, DST, comportamento sexual

References


Brasil. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília, DF, 2019. [Acesso em 5 de maio de 2020]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2015/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-atencao-integral-pessoas-com-infeccoes.

Bell JG, Perry B. Outside looking in: the community impacts of anti-lesbian, gay, and bisexual hate crime. Journal of Homosexuality. 2015;62(1):98–120.

Chinazzo IR. Prevalência de sintomas depressivos, ideação suicida e tentativa de suicídio em pessoas trans e o impacto do estresse de minoria. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Porto Alegre: Escola de Ciências da Saúde, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2019.

Khalili J, Leung LB, Diamant AL. Finding the perfect doctor: identifying lesbian, gay, bisexual and transgender–competent physicians. American Journal of Public Health. 2015;105(6):1114–1119.

Corrêa-Ribeiro R, Iglesias F, Camargos EF. Attitudes toward lesbians and gay men scale: validation in brazilian physicians. Einstein (São Paulo). 2019;17(2):eAO4527.

Albuquerque GA et al. Access to health services by lesbian, gay, bisexual, and transgender persons: systematic literature review. BMC International Health and Human Rights. 2016;16(1):2.

Fethers K et al. Sexually transmitted infections and risk behaviours in women who have sex with women. Sexually Transmitted Infections. 2000;76(5):345-349.

Lindley LL et al. STDS among sexually active female college students: does sexual orientation make a difference? Perspectives on Sexual and Reproductive Health. 2008;40(4):212–217.

Takemoto MLS et al. Prevalence of sexually transmitted infections and bacterial vaginosis among lesbian women: systematic review and recommendations to improve care. Cadernos de Saúde Pública. 2019;35(3):1-17.

Damiane E, Silva A, Silveira G, Silva J, Sousa L, Carneiro L, et al. Conhecimentos, atitudes e práticas das mulheres sobre a prevenção do câncer de colo uterino: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review. 2021 Jan-Feb; 4(1):364-381.

Almeida G. Argumentos em torno da possibilidade de infecção por DST e Aids entre mulheres que se autodefinem como lésbicas. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2009;19(2):301–331.

Marrazzo JM. Barriers to infectious disease care among lesbians. Emerging Infectious Diseases. 2004, 10(11):1975–1978.

Chan SK et al. Likely Female-to-Female Sexual Transmission of HIV - Texas, 2012. Morbidity and Mortality Weekly Report. 2014;63(10):209-12.

World Health Organization. Defining sexual health: report of a technical consultation on sexual health. Geneva: World Health Organization sexual health document series, 2002.

Pinto VM et al. Sexually transmitted disease/HIV risk behaviour among women who have sex with women. AIDS. 2005;19(4):64–69.

White JC, Levinson W. What a primary care physician needs to know. Western Journal of Medicine, 1995;162(5):463–466.

Giving people more choices. Safer sex and condoms. AIDS Action. 1993 Sep-Nov;(22):4-5. PMID: 12287339.

Rufino AC, Madeiro A, Trinidad A, Santos R, Freitas I. Sexual practices and health care of women who have sex with women: 2013-2014. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2018 [acesso 26 de dezembro de 2020];27(4). Disponível em: ttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S223796222018000400302&lng=en. http://dx.doi.org/10.5123/s167949742018000400005.

Yap L, Richters J, Butler T, Schneider K, Kirkwood K, Donovan B. Sexual practices and dental dam use among women prisoners--a mixed methods study. Sex Health. 2010 Jun;7(2):170-6. doi: 10.1071/SH09138.

Richters J, Prestage G, Schneider K, Clayton S. Do women use dental dams? Safer sex practices of lesbians and other women who have sex with women. Sex Health. 2010 Jun;7(2):165-9. doi: 10.1071/SH09072.

Muzny CA, Harbison HS, Pembleton ES, Hook EW, Austin EL. Misperceptions regarding protective barrier method use for safer sex among African-American women who have sex with women. Sexual Health. 2013 May;10(2):138-41. doi: 10.1071/SH12106.

Crann SE, Cunningham S, Albert A et al. Vaginal health and hygiene practices and product use in Canada: a national cross-sectional survey. BMC Women's Health 18. 2018;52. https://doi.org/10.1186/s12905-018-0543-y

Amiri FN, Rooshan MH, Ahmady MH, Soliamani MJ. Hygiene practices and sexual activity associated with urinary tract infection in pregnant women. East Mediterr Health J. 2009 Jan-Feb;15(1):104-10.

Barbosa RM, Facchini R. Acesso a cuidados relativos à saúde sexual entre mulheres que fazem sexo com mulheres em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, São Paulo, 2009; 25(2): 291–300.

Chetcuti N, Beltzer N, Methy N, Laborde C, Velter A, Bajos N, et al. Preventive care’s forgotten women: life course, sexuality, and sexual health among homosexually and bisexually active women in France. J Sex Res. 2013;50(6):587-97.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-219

Refbacks

  • There are currently no refbacks.