Resiliência e Envelhecimento Ativo: Estudo Qualitativo sobre os fatores de risco e proteção na terceira idade / Resilience and Active Aging: Qualitative Study on Risk Factors and Protection in the Elderly

Adriana Leonidas de Oliveira, Quésia Postigo Kamimura, Paula Silva Nogueira

Abstract


No processo de envelhecimento, mudanças físicas, psicológicas e sociais constituem desafios para o idoso e para manutenção de sua qualidade de vida. Tais mudanças podem ser vistas como fatores de risco no envelhecimento, que precisam ser enfrentadas e superadas para manutenção do bem-estar. Resiliência pode ser compreendida como o conjunto de processos sociais e intrapsíquicos que possibilitam o enfrentamento da adversidade, gerando possibilidade de superação. Para isso fatores de risco devem ser moderados pelos fatores de proteção, os quais proporcionam atitude positiva frente à adversidade da vida. O objetivo da pesquisa foi caracterizar o processo de resiliência de idosos e compreender a influência da resiliência para o envelhecimento ativo. Foi realizada uma pesquisa exploratória, de campo, qualitativa com uma amostra de 5 mulheres e 5 homens idosos. Foram utilizados três instrumentos: Escala de Resiliência de Wagnild e Young (1993), Procedimento de Desenho-Estória com Tema (D-E/T) e Entrevista Semiestruturada. Resultados revelam uma média de 140,3 na Escala de Resiliência, o que indica bom nível de resiliência geral. Os principais desafios relatados foram limitação física, dores e solidão. Os principais fatores de proteção apontados foram os vínculos afetivos significativos com filhos e netos, ter fé e praticar exercícios físicos. Pôde ser constatado que os idosos estudados são capazes de enfrentar as adversidades da vida e apresentam capacidade de adaptar-se e manter o seu bem-estar. Acredita-se que o conhecimento construído é de grande relevância à medida que integra aspectos centrais para a compreensão e atuação junto à população idosa, numa perspectiva interdisciplinar.

 


Keywords


envelhecimento ativo, resiliência, fatores de risco, fatores de proteção.

References


Albuquerque, S. M. L. (2008). Envelhevimento Ativo: Desafio do Século. São Paulo: Andreoli.

Alexandre, T. S.; Cordeiro, R. C.; Ramos, L. R. (2009). Factors associated to quality of life in active elderly. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 43, (4). Recuperado a partir de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S00348910200900040000 7&lng=pt&nrm=iso

Angst, R. (2008). Resiliência: Qual a contribuição para a Psicologia? XVII ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIA E MEDICINA COMPORTAMENTAL. Anais....Campinas: ABPMC.

Angst, R. (2014). Psicologia e Resiliência: Uma revisão de literatura. Psicol. Argum, Curitiba, v. 27, n. 58, p. 253-260. Recuperado a partir de http://www.psicoach.srv.br/arquivos/psicologia_e_resiliencia_uma_revisao_de_literatur a.pdf

Assis, M. (2005). Envelhecimento ativo e promoção da saúde: Reflexão para as ações educativas com o idoso. Revista APS. Recuperado a partir de http://www.ufjf.br/nates/files/2009/12/Envelhecimento.pdf

Couto, M. C. P .P. (2007) Fatores de risco e de proteção na promoção de resiliência no envelhecimento. Dissertação Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento. Curso de Pós-Graduação em Psicologia o Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia.

Cunha, J. A. (2000). Psicodiagnóstico-V. 5 ed. Revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed.

Ferreira, O. G. L. et al. (2010). Significados atribuídos ao envelhecimento: idoso, velho e idoso ativo. Psico-USF (Impr.), Itatiba, v. 15, n. 3. Recuperado a partir de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 82712010000300009&lng=en&nrm=iso

Fonseca, R.A. (2007). Representação social da liderança por líderes e potenciais líderes. Dissertação Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional - Departamento de Economia, Contabilidade e Administração - Universidade de Taubaté, Taubaté - SP.

Fortes, T. F. R. Portuguez, M. W.; Argimon, I. I. L. (2009). A resiliência em idosos e sua relação com variáveis sociodemográficas e funções cognitivas. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 26, n. 4.

Hamilton, I; Stuart. (2002). A psicologia do envelhecimento. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Inouye, K.; Pedrazzani, E. S.; Pavarini, S. C. I. (2008). Octogenários e cuidadores: perfil sócio-demográfico e correlação da variável qualidade de vida. Texto contexto - enferm. Florianópolis, v. 17, n. 2.

Lima, T. J. V. et al. (2010). Humanização na Atenção à Saúde do Idoso. São Paulo, v. 19, n. 4. Recuperado a partir de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902010000400013&l ng=en&nrm=iso

Lima-Costa, M. F.; Veras, R. (2003). Saúde pública e envelhecimento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3.

Lima, T. J. V. de et al. (2010). Humanização na Atenção à Saúde do Idoso. Saude soc., São Paulo, v. 19, n. 4.

Mendes, M.R.S.S. Barbosa et al. (2005). A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 18, n. 4. Recuperado a partir de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 21002005000400011&lng=en&nrm=iso

Moraes, R. (1999). Análise de Conteúdo. Revista educação. v. 22. n. 37. Porto Alegre. Recuperado a partir de http://cliente.argo.com.br/~mgos/analise_de_conteudo_moraes.html

Mota, D. C. G. A., Benevides-Pereira, A. M. T., Gomes, M. L.; Araújo, S. M.(2006). Estresse e resiliência em doença de chagas. Aletheia, 24, 57-68.

Olds, S. W; Papalia, D.E. (2000). Desenvolvimento Humano; 7.ed. Porto Alegre Aritmed.

Oliveira, A. L. (2007). Comportamento Organizacional e Pesquisa Qualitativa: Algumas Reflexões metodológicas. In: CHAMON, E. M. O. (Org.). Gestão e Comportamento Humano nas Organizações. Rio de Janeiro: Brasport. p. 180- 205.

Oliveira, M.C. C., Pereira, K. D., Oliveira, M. A. C, Pinto, M. A. T.C, Lucena, J. M.C., Leite, M.F. (2021). Importância da atenção e promoção à saúde frente ao processo de cuidado da pessoa idosa. Brazilian Journal of of Health Review, v.4, n.1, p.1151-1163.

Organização Mundial da Saúde. World Health Organization. (1978). Relatório da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde.

Organização Mundial da Saúde. World Health Organization. (2002). Active Aging: a police framework. Geneva.

Organização Mundial da Saúde. World Health Organization. (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Pereira, J. C. R. (2004) Análise de Dados Qualitativos: Estratégias Metodológicas as Ciências da Sáude, Humanas e Sociais. São Paulo: Edusp.

Pesce, R. P; Assis, S. G.; Santos, N.; Oliveira, R. V. C. (2004) Risco e proteção:Um

equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.20, n.2, p. 135-143.

Pesce, S., Assim, S. G., Avanci, J. Q., Santos, N. C., Malaquias, J. V.;

Carvalhaes, R. (2005). Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Caderno de Saúde Pública, v. 21, n.2, p. 436-448.

Pinheiro, D. P. N. (2004). A Resiliência em discussão. Psicologia em Estudo, Maringá, v.9, n.1, p. 67-75.

Pope, N., Mays, N. (2009). Pesquisa Qualitativa na atenção à Saúde. Porto Alegre: Artmed.

Souza, M. T. S.; Oliveira, A. L. (2011). Fatores de proteção familiares, situações de risco, comportamentos e expectativas de jovens de baixa renda. In: Adolescência e Juventude: Vulnerabilidade e contextos de proteção. Dell-Aglio, D. D.; Koller, S. H. São Paulo: Casa do psicólogo, p.47-76.

Tardivo, L. S. L. P. C. (1997). Análise e Interpretação. In TRINCA, W. (org.). Formas de investigação clínica em psicologia. São Paulo : Vetor Editora. p. 115-156.

Teixeira, I. N. D. O.; Neri, A. L. (2008). Envelhecimento bem-sucedido: uma meta no curso da vida. Success fulaging: a goal in the course of life. Psicol. USP, São Paulo, v. 19, n. 1. Recuperado a partir de http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678- 51772008000100010&lng=en&nrm=iso

Vilarta, R. et. al. (2010). Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: Ipes.

Yunes, M. A. M; Szymanski, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES (Org.). Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez. p. 13-42.

Agradecimento: Agradecemos ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da Universidade de Taubaté PIBIC-CNPq pela bolsa concedida.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-211

Refbacks

  • There are currently no refbacks.