Experiência sobre a inserção de oficinas de práticas integrativas e complementares em saúde no trabalho de parto / Experience on the insertion of integrative and complementary practices workshops in health

Rosemary Fernandes Corrêa Alencar, Valdiclea de Jesus Veras, Alcimary da Silva Rodrigues, Maria Almira Bulcão Loureiro, Emanuella Pereira de Lacerda, Priscilla Fernanda Dominici Terças, Suzana Portilho Amaral Dourado

Abstract


INTRODUÇÃO: O parto é considerado uma experiência repleta de significados, construídos a partir da singularidade e cultura de cada mulher. Caracteriza-se como um processo normal e natural que envolve cuidados prestados a mãe e ao recém-nascido tendo suas fases incluídas no pré-parto, parto e puerpério. OBJETIVO: Aperfeiçoar a equipe envolvida na assistência a se tornarem parte no processo renovador do cuidado e concomitantemente oferecer a parturiente conforto e o relaxamento durante o trabalho de parto, assim como, conhecer a percepção das parturientes quanto as boas práticas prestadas pela equipe multidisciplinar na assistência ao trabalho de parto. MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, do tipo relato de experiência desenvolvida a partir da realização de oficinas voltadas para práticas integrativas no trabalho de parto desenvolvidas pelos enfermeiros do Centro Obstétrico do Hospital Universitário Materno Infantil no período de junho a agosto de 2019 em São Luís – MA. RESULTADOS: Foi observado uma redução da carga de estresse  promovendo assim um relaxamento, aumentando o vínculo entre gestante e se/sua acompanhante, houve  um melhor manejo da ansiedade diminuição da inibição; aumento o sentimento de acolhimento, segurança no espaço e sentimento de estar ativa e explorando suas potencialidades maternas, auxiliou-se também, na proteção do vínculo mãe-bebê. Criou se a possibilidade de estabelecer um feedback positivo entre a equipe multiprofissional, parturientes, e acompanhantes, gerando um reconhecimento da eficácia dos serviços ofertados, oportunizando à continuidade das ações. CONCLUSÃO: A realização das oficinas levou toda a equipe a refletir, compreender que é imprescindível a inclusão das Práticas Integrativas e Complementares no trabalho de parto. Essas práticas renderam aprendizados e integração de todas as categorias multiprofissionais, tais como: enfermeiros, fisioterapeutas, médicos, técnicos de enfermagem, proporcionando assim uma inclusão mais efetiva, continua e integral, assim como foi possível perceber a importância da presença de familiares de livre escolha da parturiente em todo trabalho de parto.

 


Keywords


Práticas integrativas, Trabalho de parto, Parto humanizado.

References


APOLINÁRIO, D.; RABELO, M.; WOLFF, L. D. G. et al. Práticas na atenção ao parto e nascimento sob a perspectiva das puérperas. Revista Rene. v. 17, n. 1, p. 20-8, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante. Brasília: Ministério da Saúde. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 51 p.: il.

COELHO, K. C.; ROCHA, I. M. S.; LIMA, A. L. S. Métodos não farmacológicos para alivio da dor durante trabalho de parto. Revista Recien, v. 21, n. 7, p. 14-21, 2017. Disponível em: https://recien.com.br. Acesso em:

FEIJÃO, L. B. V.; BOECKMANN, L. M. M.; MELO, M. C. Conhecimento de enfermeiras residentes acerca das boas práticas na atenção ao parto. Enfermagem Foco, v. 8, n. 3, p. 35-39, 2017. Disponível em: https://doi.org. Acesso em: 16 abr. 2019.

GALLO, R. B. S.; SANTANA, L. S.; MARCOLIN, A. C.; DUARTE, G.; QUINTANA, S. M. Sequential application of non-pharmacological interventions reduces the severity of labour pain, delays use of pharmacological analgesia, and improves some obstetric outcomes: a randomised trial. J Physiother, v. 1, n. 64, p. 33-40, jun. 2018. Disponível em: https://doi.org. Acesso em: Acesso em: 16 abr. 2019.

GALLO, R. B. S.; SANTANA, L. S.; MARCOLIN, A. C.; FERREIRA, C. H. J.; DUARTE, G.; QUINTANA, S. M. Recursos não-farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. Femina, p. 1, n. 39, p. 41-8, 2011.

HENRIQUE, A. J.; GABRIELLONI, M. C.; CAVALCANTI, A. C. V. et al. Hidroterapia e bola suíça no trabalho de parto: ensaio clínico randomizado. Acta Paul Enfermagem, v. 29, n. 6, p. 686-92, 2016.

LIMAI, M. F. G.; PEQUENO, A. M. C.; RODRIGUES, D. P. et al. Desenvolvendo competências no ensino em enfermagem obstétrica: aproximações entre teoria e prática. Revista Brasileira Enfermagem, v. 70, n. 5, p. 1110-6, 2017.

MEDEIROS, J.; HAMAD, G. B. N. Z.; COSTA, R. R. O.; CHAVES, A. E. P.; MEDEIROS, S. M. Métodos não farmacológicos no alívio da dor de parto: percepção de puérperas. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 2, n. 16, p. 37-44, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org. Acesso em: 30 abr. 2019.

MEDEIROS, M. S. M. F.; CARVALHO, J. B. L.; TEIXEIRA, G. A.; LOPES, T. R. G. Humanização do trabalho de parto e nascimento: aplicação de estratégias não farmacológicas efetivas nesse processo. Revista Enfermagem UFPE, v. 7, n. 9, p. 9133-8, 2015. Disponível em: 10.5205/reuol. Acesso em: 23 abr. 2019.

NASCIMENTO, A. C. A.; LIMA, A. L. P.; ARAÚJO, J. C. et al. Assistência de enfermagem na fase latente do trabalho de parto: Relato de experiência. Internacional Nursing Congress, p. 9-12, 2017.

OLIVEIRA; M. C.; MERCES, M. C. Percepções sobre violências obstétricas na ótica de puérperas. Revista Enfermagem, UFPE, v. 11, n. 6, p. 2483-9, 2017. Disponível em: 10.5205/reuol.9799-86079-1-RV. Acesso em: 16 abr. 2019.

PHILIPP; R. R.; CUNHA; T. A. R.; CRUZ, Z. V. Breve Discussão sobre a Violência Obstétrica contra as Mulheres: “Na hora de abrir as pernas ninguém reclama”. Revista NUPEM. Campo Mourão, v. 10, n. 21, p. 110-123, 2018. Disponível em: http://revistanupem.unespar.edu.br. Acesso em: 16 abr. 2019.

UNICEF. Quem espera, espera – 2017. Cartilha da UNICEF. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/quem_espera_espera.pdf. Acesso em: 27 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-210

Refbacks

  • There are currently no refbacks.