Terapia ocupacional, dança e expressividade: favorecendo espaços de encontro para adolescentes abrigado/ Occupational therapy, dance and expressivity: favoring encounter spaces for adolescents covered

Heloisa Maria Bento Costa, This Souza Santos, Raphaela Schiassi Hernandes, Halley Ferraro Oliveira, Maria Adriely Cunha Lima, Tiago Almeida Costa

Abstract


Introdução: As atividades expressivas, como dança e pintura, são recurso potenciais utilizados pelo terapeuta ocupacional para alcançar objetivos diversos, transformando as expressões do sujeito e reorganizando o sentido de sua existência. Objetivo: Descrever e discutir a intervenção do terapeuta ocupacional utilizando a dança e a pintura como recurso terapêutico, no contexto da institucionalização com grupos de adolescentes. Além de avaliar a possível melhora da autoestima e expressão dos adolescentes em situação de abrigo após os grupos de terapia ocupacional e descrever o significado dos grupos de terapia ocupacional para eles. Métodos: trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva. A coleta dos dados foi realizada por meio de dez encontros, na qual utilizou-se da dança e atividades com pintura,  por um período de três meses. Participaram da pesquisa seis sujeitos (três do sexo masculino e três do sexo feminino). Resultados: Foi possível observar uma mudança no comportamento dos participantes pois, nos primeiros encontros sentiam-se inibidos e ao longo das atividades conseguiram se expressar melhor por meio da dança e das pinturas. Assim, foi visto que é de grande importância possibilitar ao sujeito em situação de abrigo a expressão dos seus sentimentos, pois, muitas vezes sua expressão e autoestima são prejudicadas por todo o processo que o sujeito vivenciou e continua vivenciando. Conclusão: O terapeuta ocupacional com seu olhar humanista, consegue contribuir para que os sujeitos se expressem melhor, trazendo seus desejos e medos, e facilitando as relações interpessoais entre os adolescentes através das atividades expressivas.


Keywords


Acolhimento institucional, Dança, Pintura e Terapia Ocupacional.

References


ALMEIDA, M. E. G. G.; PINHO, L. V. Adolescência, família e escolhas: implicações na orientação profissional. Psicologia Clínica, v. 20, n. 2, Rio de Janeiro, 2008.

BARRETO, D. Dança...: ensino, sentidos e possibilidades na escola - Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

BRITO, A. M. M.; ZANETTA, D. M. T.; MENDONÇA, R. DE C. V.; BARISON, S. Z.

ANDRADE, V. A. G. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciência e saúde coletiva, v.10, n.1, p.143-149, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a15v10n1.pdf. Acesso em: 15 de maio 2017.

CASTRO, E. Dança, Corporeidade e Saúde Mental: Experimentações em Terapia Ocupacional. Em Arcuri, I. (org.), Arteterapia de Corpo e Alma. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006

CAVALCANTE, L. I. C. ; MAGALHÃES, C. M. C. ; PONTES, F. A. R. Institucionalização precoce e prolongada de crianças: discutindo aspectos decisivos para o desenvolvimento. Aletheia, n.25, p.20-34, jan./jun. 2007.

CAVALCANTE, L. I. C.; MAGALHÃES, C. M. C.; REIS, D. C. dos. Análise Comparativa do Perfil de Crianças em Acompanhamento Institucional nos anos de 2004 e 2009.Pscico.v.45, n.1, pp 90-99, Jan/Mar. 2014.

FERREIRA, Frederico Poley Martins. Crianças e adolescentes em abrigos: uma regionalização para Minas Gerais. Serv. Soc. Soc. [online]. 2014, n.117, pp.142-168. ISSN 0101-6628. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282014000100009.

GALHEIGO; Sandra Maria. O Abrigo para Crianças e Adolescentes: Considerações Acerca do Papel da terapia Ocupacional. Ver. Ter. Ocup. Uni-SP. v. 14, n. 12, p.85-94. Mai./Ago. 2003.

LIBERATO; M. T. C.; DIMENSTEIN, M. Experimentações entre Dança e Saúde Mental. Fractal: Revista de Psicologia, v. 21 – n. 1, p. 163-176, Jan/Abr. 2009.

LIBERMAN, F. Danças em Terapia Ocupacional, São Paulo: Summus, 1998.

LIBERMAN, F. Delicadas Coreografias: Apontamentos sobre o corpo e Procedimentos em uma Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos. V. 18, n 1; p 67-76. Jan-Abr 2010.

LUVIZARO, N. A; GALHEIGO, S. M. Considerações sobre o cotidiano e o habitar de crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional em abrigo. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v.22, n.2, p.191-199, maio/ago.2011.

MARQUES, I. A. Dançando na escola. São Paulo. Cortez, 2003.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/ABRASCO, 1992.

MOEHLECKE, V. O dançar do corpo: experimentações rebeldes no contemporâneo.

Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005

NEGRINE, A. O corpo na educação infantil. Caxias do Sul: EDUCS, 2002.

NOAL, J; NEIVA-SILVA, L. Adoção, adoção tardia e apadrinhamento afetivo: intervenções em relação a crianças e adolescentes vítimas de abandono e institucionalizadas. In: HUTZ, C.S. (Org.). Prevenção e intervenção em situações de risco e vulnerabilidade. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

ROBATTO, L. Dança em processo: a linguagem do indizível. 1ª Edição. Ed. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA; 1994.

SAAD, B; VILLARREAL, G. Caracterização do problema do menor abandonado. In: FREIRE, F. (Org.). Abandono e adoção: contribuições para uma cultura da adoção. Curitiba: Terre des Hommes, 1991, p. 34-36.

VALLADARES, A. C. A.; LAPPANN-BOTTI, N. C.; MELLO, R.; KANTORSKI, L. P.;SCATENA, M. C. M. Reabilitação psicossocial através das oficinas terapêuticas e/ou cooperativas sociais. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 5 n. 1 p. 04 – 09, 2003. Disponível em http:/www.fen.ufg.br/Revista.

YUNES, M. A., MIRANDA, A. T., CUELLO, S. S.; ADORNO, R. S. A história dasinstituições de abrigo às crianças e concepções de desenvolvimento infantil [Resumo]. In: Sociedade Brasileira de Psicologia (Ed.), Resumos de comunicações científicas, XXXII Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia (pp.213-214). Florianópolis: SBP, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-200

Refbacks

  • There are currently no refbacks.