Estresse ocupacional vivenciado por profissionais de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva do agreste de Pernambuco/ Occupational stress experienced by nursing professionals of an intensive therapy unit in Pernambuco

Andreia Gomes de Lima, Dávilla kallinkin Soares Bezerra Torquato, Etiene de Lima Godoy, Edna Andrade dos Santos, Gidelson Gabriel Gomes, Laís Alves da Silva, Naiana dos Anjos Santos, Nayara Kelly Felix Ferreira

Abstract


Os profissionais de enfermagem atuantes em cuidados intensivos estão expostos a diversos fatores responsáveis pelo surgimento do estresse ocupacional, esse que resulta em seu adoecimento físico e psíquico. Objetivou-se com esse estudo identificar as causas do estresse ocupacional em profissionais de enfermagem atuantes em uma unidade de terapia intensiva. Estudo descritivo, transversal de abordagem quantitativa, com aplicação de questionário elaborado com 18 questões fechadas, de natureza exploratória. A amostra foi composta por 50 profissionais, sendo 80% técnicos de enfermagem e 20% enfermeiros atuantes na unidade de terapia intensiva da instituição pesquisada, no período de setembro de 2019. Á análise dos dados coletados permitiu identificar os fatores causadores de estresse, onde as principais causas mencionadas foram a desvalorização (54%), a remuneração (54%) que faz com que os profissionais mantenham mais de um vínculo empregatício (58%), a refrigeração do local (48%) e ruídos/equipamentos (46%) onde a exposição frequente pode causar irritabilidade (54%), e a escassez de insumos (44%) que interfere diretamente na assistência prestada. O presente estudo foi relevante, pois possibilitou identificar os principais fatores desencadeantes do estresse laboral na equipe de enfermagem. Bem como, incentivar a elaboração de estratégias efetivas, possibilitando melhoria na qualidade de vida e na assistência prestada por esses profissionais.


Keywords


Enfermagem, Estresse Ocupacional, Cuidados Críticos.

References


ALMEIDA, A. M. O.; LIMA, A.K.G.; VASCONCELOS, M.G.F.; LIMA, A.C.S;

OLIVEIRA, G.Y.M. Estresse ocupacional em enfermeiros que atuam em cuidados ao paciente crítico. Rev. Enferm. UFPE on line, Recife. v.10, n. 05, p.1663-71. maio.2016.

ALENCAR, A.P.A.; FONSECA, F.L.A.; NOBRE, M.A.O.; XAVIER, S.P.L.; LIRA, P.F.;

LAURENTINO, P.A.S. A atuação do profissional de enfermagem na unidade de terapia intensiva (UTI) Rev. e-cência. v. 4, n.2, p. 01-11. 2016.

ANDOLHE, R.; BARBOSA, R.L.; OLIVEIRA, E.M.; COSTA, A.L.S. PADILHA, K.G.

Estresse, coping e burnout da equipe de enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva: fatores associados. Rev. Esc. Enferm USP. v. 49, n. esp., p. 58-64. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de saúde. Ministério da Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais.Diário Oficial União. Brasília. 24 maio 2016.

CAMPOS, M. S., ESTEVES, T. M. S., OLIVEIRA, V. A. S. C., GARCIA, J. R.; O Estresseocupacional no enfermeiro na unidade de terapia intensiva. Revista e F@tec, v.8, n.1, p., out.2018.

CARVALHO, M.S.; LEAL, D.M.; NASCIMENTO, E.B.F.; Satisfação no trabalho entre os profissionais de enfermagem das unidades de terapia intensiva (UTI) de um hospital filantrópico de Aracaju-SE. Congresso Internacional de Enfermagem. v. 1, n.1., 2017.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 543/2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nos serviços/focais em que são realizadas atividades de enfermagem. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/RESOLU%C3%87%C3%83O- COFEN-N%C2%BA-543-2017-completa.pdf acesso em 20 de novembro 2019.

FERREIRA, R. G. Estresse do profissional de enfermagem no serviço noturno: Uma questão de saúde. Revista saúde e desenvolvimento. v. 07, n. 04, Jan-dez. 2015.

FERREIRA, R.G.S.; NASCIMENTO, J.L. Estresse ocupacional e processo de trabalho do enfermeiro. Revista enfermagem brasil. v. 15, n.3, p.160-171,2016.

FILHO, I. M.M.; ALMEIDA, R.J. Estresse ocupacional no trabalho em enfermagem no Brasil: uma revisão integrativa. Rev. Bras. Promoç Saúde, Fortaleza, v. 29, n.3, p. 447-454, jul./set., 2016.

FIOCRUZ, Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem no Brasil, Rio de janeiro,07 de maio de 2015. Disponível em: < https://portal.fiocruz.br/noticia/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem-no-brasil>. Acesso em: 20 de nov. 2019

GOUVEIA, M.T.O.; TORRES, C.R.D.; COSTA, R.S.; ROBAZZI, M.L.C.C. Avaliação do estresse e sintomas apresentados pelos enfermeiros de unidades de terapia intensiva pediátricas. Rev. Enferm UFPE on line, Recife. v. 9, n. 1, p. 360-7, jan.2015.

INSTITUTO BRASILEIRO GEOGRAFIA E ESTRATÉGIA (IBGE). Síntese de

indicadores sociais uma análise das condições de saúde Brasileira. Rio de janeiro: 2016, IBGE, 141.p.

JESUS, C. S., PATROCÍNIO, M. F., O estresse do profissional de enfermagem no serviço noturno. Belford Roxo, Revista UNIABEU, v.9 n.21, p.157-167 Jan-abril ,2016.

MACÊDO, A. T. S., et.al., Estresse Laboral em Profissionais da Saúde na Ambiência da Unidade de Terapia Intensiva. Id on Line Rev. Mult. Psic.v.12, n. 42, p. 524-547,2018.

MOURA, et al. Níveis de estrese da enfermagem nas unidades de terapia intensiva. Rev enferm UFPE on line., Recife, v. 13, n.3., p.569-77., mar., 2019.

MUNHOZ, O.L.; ANDOLHE, R.; SCHIMITH, M.D. OLIVEIRA, G.; RIBEIRO, P.L.;SILVA, T.C.; CREMONESE, L. Estresse ocupacional e cultura de segurança: tendências para contribuição e construção do conhecimento em enfermagem. ABCS Health Sci. v.43, n. 2, p.110-116.,2018.

OLIVEIRA, E.M., SOUZA, E.A, TONINI, N.S., MARASCHIN, M. S., Nível de estresse em enfermeiros de uma instituição hospitalar. Revista Nursing. São Paulo, v. 21, n. 244, p. 2355- 2359, 2018.

PADILHA, K. G.; BARBOSA, R. L.; ANDOLHE, R.; OLIVEIRA, E.M.; DUCCI, A.J.;BREGALDA, R.S.; SECCO, L.M.D. Carga de trabalho de enfermagem, estresse/ burnout, satisfação e incidentes em unidades de terapia intensiva de trauma. Texto contexto enferm. v. 26, n. 03, 2017.

PIMENTA, A.M; ASSUNÇÃO, A.A. Estresse no trabalho e hipertensão arterial em profissionais de enfermagem da rede municipal de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de saúde ocupacional. v. 41, p.1-11,2016.

PINTO, A.P.C.M.; SILVA, M.F.; AZEVEDO, A.C.B; RODRIGUES, C.C.F.M.;SALVADOR, T.C.O.; SANTOS, V.E.P. Estresse no cotidiano dos profissionais de enfermagem reflexos da rotina laboral hospitalar. Rev. Enferm. UFSM. v.06, n. 04, p. 548- 558, out/dez. 2016.

PRADO, C. E. P., Estresse ocupacional: causas e consequências. Rev. bras. med. trab., v. 14, n. 3, p. 285-289, 2016.

RIBEIRO, W.A.; COUTINHO, V.V.A.; MORAIS, M.C.; SOUZA, D.M.S.; COUTO, C.S.;OLIVEIRA, L.S.; SOUZA, J.L.R.; SANTOS, J.A.M. Evidências e repercussões do estresse vivenciado pelos enfermeiros da unidade de terapia intensiva: um estudo das publicações brasileiras. Revista Pró- univerSUS. v. 10, n. 01., p. 61-65, Jan/jun. 2019.

RODRIGUES, C.C.F.M.; SALVADOR, P.T.C.O.; ASSIS, Y.M.S.; GOMES, A.T.L.; BEZZERIL, M.S.; SANTOS, V.E.P. Estresse entre os membros da equipe de enfermagem. Rev enferm UFPE on line., Recife, v.11, n. 2., p. 601-8, fev., 2017.

SILVA, J. L.L.; PAIXÃO, T.M.; COSTA, F.S.; SOARES, R.S.S.; TEXEIRA, L.R. Aspectos

psicossociais de trabalhadores de enfermagem intensivistas. Rev. enferm UFPE on line., Recife, v.9, n. 10, p.1518-28, dez., 2015.

SILVA, G. A. V., SILVA, G. S.A., SILVA, R.M., ANDOLHE, R., PADILHA, K.G.,

COSTA, A.L.S., Estresse e coping entre profissionais de enfermagem de unidades de terapia intensiva e semi-intensiva. Recife, Rev. enferm UFPE online., v. 11, n. 2, p. 922-31, fev., 2017.

SILVA, C., BATISTA, E. C., Estresse ocupacional em enfermeiros e técnicos de enfermagem intensivistas de uma uti adulto. Revista Interdisciplinar. v. 10, n. 1, p. 118-128, jan. fev. mar. 2017.

SILVA, R.F.; SILVA, S.F.; BARBOSA, T.C.; QUARESMA, F.R.P.; MACIEL, E.S. Nível de Percepção de Estresse e Qualidade de Vida Entre os Técnicos de Enfermagem das Unidades de Pronto Atendimento de Palmas - TO. Revista brasileira de ciências da saúde. v.22., n. 3., p. 261-266., 2018.

SILVA, A.P.; CARVALHO, E.S.; CARDIM, A. Trabalho noturno da vida dos enfermeiros.Revista enfermagem contemporânea. v.6, n. 2, p.177-185, out.,2017.

SILVA, E. B.; GOMES, S. R. Ar condicionado: herói ou vilão em unidades de terapia intensiva? REINPEC-Revista Interdisciplinar Pensamento Científico. v.1; n. 1; p.222-286. 2015.

SOUZA, V.; CORTEZ, E.A.; CARMO, T.G. Medidas educativas para minimizar os riscos ocupacionais na equipe de enfermagem da UTI. revista fundam. care. online. v.9, n.2, p. 583-591., abr./jun. 2017

SCHOLZE, A. R.; MARTINS, J.T.; ROBAZZI, M. L. C. C.; HADDAD, M.C.F. L. ;

GALDINO, M. J. Q. ;RIBEIRO, R. P. Estresse ocupacional e fatores associados entre enfermeiros de hospitais públicos., Revista Cogitare enfermagem., v.22, n.3, e.50238., 2017.

UENO, L.G.S., BOBROFF, M.C. C., MARTINS, J.T., MACHADO, R.C.B.R., LINARES,P.G., GASPAR, S.G., Estresse ocupacional: estressores referidos pela equipe de enfermagem. Rev. enferm. UFPE online, v. 11, n. 4, p. 1632-1638, 2017.

VASCONCELOS, E.M.; MARTINO, M.M.F. Preditores da sintomatologia depressiva em enfermeiros da unidade de terapia intensiva. Escola Anna Nery. v. 21, n. 03., 2017.

WISNIEWSKI, D.; SILVA, E.S.; ÉVORA, Y.D.M.; MATSUDA, L.M. Satisfação

profissional da equipe de enfermagem x condições e relações de trabalho: estudo relacional.Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.24, n.3, p. 850-8. Jul-set.2015.

ZAVALIS, A.; PAULA, V.G.; MACHADO, D. A.; BERTOLOSSI, C.; JUNIOR, E.F.P.;

SANTIAGO, L.C. O nível de estresse dos enfermeiros na unidade de terapia intensiva. Rev. Fundam. Care. Online. v. 11, n. 01, p.205-210. Jan/mar 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-187

Refbacks

  • There are currently no refbacks.