A educação sexual da comunidade surda: perspectiva da enfermagem / The deaf community sex education: nursing perspective

Hector Lourinho da Silva, Haroldo Gonçalves de Jesus, Elizângela Fonseca de Mendonça, Eliza Paixão da Silva, Nathália Cantuária Rodrigues, Ricardo Luiz Saldanha da Silva, Vitória Cristiane Leandro da Silva, Ana Luisa Lemos Bezerra, Juliane Moreira de Almeida

Abstract


O tema em questão constitui como objetivo debater as questões sobre sexualidade a partir de estudos que envolvem os surdos e as categorias de gênero, corpo, tradução cultural. Entende-se que a comunidade surda, não por opção, mas por condição, têm por “obrigação” aprender duas línguas: a que melhor responde às suas necessidades de comunicação, no caso a LIBRAS, e a língua padrão da sociedade em que estão inseridos. Dessa forma, além dos problemas provenientes da discriminação a que são submetidos, por serem vistos como “deficientes”, também precisam enfrentar as dificuldades próprias da falta de informação e comunicação em que se encontram, visto que o seu meio social é estruturado para pessoas ouvintes. As pessoas que possuem algum problema de audição são denominadas como “deficientes auditivos”, ou DA. Segundo Behares (1993 apud NÉLO 1995), “deficiente auditivo é um dos termos utilizados para designar as pessoas que apresentam algum grau de surdez, podendo ter quatro níveis: leve; média ou moderada; severa; e profunda”. Este termo parte de uma concepção médico-organicista que vê a pessoa surda como um ouvinte com defeito. No momento, existe uma discussão sobre o melhor termo de tratamento à estas pessoas. Nesse sentido, Nélo (1995) afirma que o termo “surdo” é mais apropriado para designar as pessoas surdas, por apresentar uma concepção mais particular sobre a surdez. Este termo parte de uma visão sócio-cultural que trata a surdez como um fenômeno com vários determinantes. A referida autora destaca que “o surdo não é diferente unicamente porque não ouve, mas sim porque desenvolve potencialidades psico-culturais diferentes das dos ouvintes” (NÉLO 1995 p.9). Podemos dizer então que as comunidades surdas desenvolvem comportamentos com características próprias de sua maneira específica de internalizar as coisas que acontecem ao seu redor, propiciando, assim, a formação de uma cultura surda. Considerando esta especificidade da cultura surda, o presente estudo tem por finalidade conhecer como são elaboradas as construções sociais de gênero e sexualidade no seio da mesma, procurando identificar as construções de masculinidades e feminilidades, a partir de aspectos relacionados à divisão sexual do trabalho, e conhecer os posicionamentos dos/as surdos/as acerca das vivências da sexualidade (homossexualidade, heterossexualidade, bissexualidade). Concebemos gênero como uma construção social que se expressa nas atitudes, nos valores, nas atividades públicas e privadas de homens e mulheres que fazem com que sejam vistos como tendo naturezas diferenciadas e, assim, posicionados socialmente como diferentes. Nesta perspectiva, o gênero, tomado enquanto categoria analítica, teoriza a questão da diferença sexual, indicando uma rejeição ao determinismo biológico implícito no uso dos termos como sexo ou diferença sexual.


Keywords


sexualidade, gênero, politicas, tradução cultural, libras.

References


ALMEIDA PRADO, A. R. & MORAES, R. Acessibilidade e o planejamento das Cidades. Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Subsídios para o conferencista – Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência (CONADE) Brasília, 2006.

BEHARES, L.E. Nuevas corrientes en la educación del sordo: de los enfoques clínicos a los culturales. Cadernos de Educação Especial, Santa Maria, v. 1, n. 4, p. 20-53, 1993.

BENTO, I. C. B. Educação Preventiva em Sexualidade, IST/AIDS para o Surdo Através da Pesquisa-Ação. Ribeirão Preto/SP, 2005. Paginação irregular. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

BRASIL. LEI 10.098 de 2000. Acessibilidade. Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Coordenadoria para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília: CORDE, 2005.

BRASIL. Saberes e Práticas da Inclusão: Desenvolvendo Competências para o Atendimento às Necessidades Educacionais Especiais de Alunos Surdos. 2ª edição. Brasília: SEESP/MEC, 2006. 116p.

CRUZ, A. C. N. da.; OLIVEIRA, S. M. P. Sexualidade do Adolescente: Um Novo Olhar sem Mitos e Preconceitos. Universidade da Amazônia – UNAMA. Belém-Pará, 2002.

FERREIRA, W.B.; SILVA, JF; ASSIS, O.C.D. ; Santos Neto, M.G. Crianças com deficiência e a Convenção dos Direitos da Criança: um instrumento de defesa, ONG Educação para Todos (Ed-Todos- www.edtodos.org.br). 2002.

FREUD, S. Obras Completas: Os Três Ensaios Sobre a Sexualidade. Edição Standart Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1976. Volume VII.

GUIMARÃES, I. Educação Sexual na Escola: Mito e Realidade. São Paulo: Mercado das Letras, 1995.

SÁ, Nídia Limeira de. Os estudos surdos. São Paulo: Paulinas, 2006.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984. 89.

_______A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-181

Refbacks

  • There are currently no refbacks.