Correlações entre o fenótipo na síndrome de Williams e os genes deletados / Correlations between the phenotype in Williams syndrome and the deleted genes

Ana Beatriz Deleame Medeiros, Leide de Almeida Praxedes

Abstract


A síndrome de Williams-Beuren (SWB) apresenta padrão de herança autossômico dominante, decorrente de uma microdeleção no braço longo do cromossomo 7, na região 7q11.23, que engloba de 26 a 43 genes. Os principais sinais da síndrome são características faciais dismórficas, alterações cognitivas, constipação, estenose aórtica e da artéria pulmonar. O diagnóstico genético é confirmado pela hibridização fluorescente in situ (FISH), análise cromossômica por microarray (CMA) ou por hibridização genômica comparativa (CGH-array). O objetivo desta pesquisa foi realizar uma revisão bibliográfica, para descrever as associações já registradas entre o quadro fenotípico apresentado pelos portadores da síndrome e a exclusão de genes decorrente da microdeleção. Para a revisão sistemática foram pesquisados e analisados artigos científicos obtidos a partir de busca nas bases de dados PubMed, LILACS e Bireme, além de livros e sites específicos. Aproximadamente 96% dos indivíduos com SWB apresentam exclusão do gene da elastina que codifica uma proteína presente no tecido conjuntivo, justificando os comprometimentos cardiovasculares, elasticidade da pele, voz rouca, frouxidão articular, clinodactilia, hérnia inguinal, envelhecimento prematuro, diverticulose vesical e de cólon, características faciais dismórficas (abundância de tecido adiposo periorbitário, bochechas e lábios proeminentes e má oclusão dentária) e perda auditiva. Outros genes deletados relacionados ao sistema cardiovascular são BCL7B, TBL2, MLXIPL, EIF4H, LAT2 e NCF1. Em relação às alterações de comunicação e comportamento verificada nos pacientes, sugere-se que estejam relacionadas à deleção dos genes: GTF2I, NFXL1, BAZ1B, CLIP2, DNAJC30, GTF2I, GTF2IRD1 e GTF2IRD2. Quanto à hiper sociabilidade, atenção focada, estímulos emocionais, sugere-se uma relação com a ocitocina e vasopressina, devido a uma desregulação do sistema hipotálamo-hipofisário, causado por modificações epigenéticas (metilação de DNA do gene OXTR) relacionados aos genes WBSCR22, BUD23 e NSUN5. Os problemas auditivos e hipersensibilidade aos sons podem estar relacionados à deleção dos genes GTF21, LIMK1 e STX1A. A baixa massa óssea, está relacionada com a deleção dos genes LIMK1 e FZD9, que atuam no remodelamento ósseo. A hipercalcemia e a sensibilidade aumentada à vitamina D estão associadas com a falta do produto do gene BAZI1b. A falta da proteína codificada pelo gene STX1A, que atua na liberação de insulina, justifica alguns casos em que o paciente apresenta diabete melito. Além disso, o quadro fenotípico também resulta de efeitos genéticos aditivos e por interações com elementos adjacentes, como por exemplo, o silenciamento de genes localizados em outros cromossomos. As manifestações clínicas da SWB associam-se diretamente aos tipos de genes deletados, tendo um notável valor preditivo no prognóstico da doença permitindo sua aplicação na prática clínica e acompanhamentos adequados com uma equipe multidisciplinar.


Keywords


Síndrome de Williams, deleção 7q11.23, síndrome de Williams-Beuren.

References


ANNAZ, D. et al. Characterisation of sleep problems in children with Williams syndrome. Research in developmental disabilities, v. 32, n. 1, p. 164-169, 2011.

BARAK, B. et al. Neuronal deletion of Gtf2i, associated with Williams syndrome, causes behavioral and myelin alterations rescuable by a remyelinating drug. Nature neuroscience, v. 22, n. 5, p. 700-708, 2019.

BENÍTEZ-BURRACO, A.; KIMURA, R. Robust candidates for language development and evolution are significantly dysregulated in the blood of people with Williams syndrome. Frontiers in Neuroscience, v. 13, p. 258, 2019.

BIRD, L. M. et al. Sudden death in Williams syndrome: report of ten cases. The Journal of pediatrics, v. 129, n. 6, p. 926-931, 1996.

DAI, Li et al. Oxytocin and vasopressin are dysregulated in Williams Syndrome, a genetic disorder affecting social behavior. PLoS One, v.7, n. 6, 2012. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/2012-17312-001. Acesso em: 19 mai. 2020

DI ROSA, C. et al. Music in DNA: From Williams Syndrome to Musical Genes. Open Journal of Genetics, v. 5, p. 12-26, 2015 Disponível em: http://dx.doi.org/10.4236/ojgen. 2015.51002. Acesso em: 27 dez. 2020.

DONNAI, D.; KARMILOFF‐SMITH, A. Williams syndrome: From genotype through to the cognitive phenotype. Am. J. Med. Genet., v. 97, n. 2, p. 164-171, 2000.

EWART, A. K. et al. Hemizygosity at the elastin locus in a developmental disorder, Williams syndrome. Nature genetics, v. 5, n. 1, p. 11-16, 1993.

GHR, Genetics Home Reference. Disponível em: https://ghr.nlm.nih.gov. Acesso em: 7 mar. 2020.

JONES, K. L. Smith padrões reconhecíveis de malformações congênitas. 5. ed. São Paulo: Editora Manole, 1998.

KIMURA, R. et al. Dysregulation of the oxytocin receptor gene in Williams syndrome. Psychoneuroendocrinology, v. 115, p. 104631, 2020.

KOZEL, B. A. et al. Skin findings in Williams syndrome. Am. J. Med. Genet., v. 164, n. 9, p. 2217-2225, 2014.

MARTENS, M. A. et al. Use and effectiveness of sleep medications by parent report in individuals with Williams syndrome. J Dev Behav Pediatr., v. 38, n. 9, p. 765-771, 2017.

MERVIS, C. B.; KLEIN‐TASMAN, B. P. Williams syndrome: cognition, personality, and adaptive behavior. Ment Retard Dev Disabil Res Rev., v. 6, n. 2, p. 148-158, 2000.

MEYER-LINDENBERG, A.; MERVIS, C. B.; BERMAN, K. F. Neural mechanisms in Williams syndrome: a unique window to genetic influences on cognition and behaviour. Nature Reviews Neuroscience, v. 7, n. 5, p. 380-393, 2006.

MORRIS, C. A.; THOMAS, I. T.; GREENBERG, F. Williams syndrome: autosomal dominant inheritance. Am. J. Med. Genet., v. 47, n. 4, p. 478-481, 1993.

OSSO, L. A.; CHAN, J. R. A surprising role for myelin in Williams syndrome. Nature neuroscience, v. 22, n. 5, p. 681-683, 2019.

POBER, B. R.; FILIANO, J. J. Association of Chiari I malformation and Williams syndrome. Pediatric neurology, v. 12, n. 1, p. 84-88, 1995.

RAMÍREZ-VELAZCO, A. et al. Williams–Beuren syndrome in Mexican patients confirmed by FISH and assessed by aCGH. Journal of genetics, v. 98, n. 2, p. 34, 2019.

RIBEIRO, M. G. E. et al. Williams-Beuren Syndrome: What Orthodontists Need to Know. Int. J. Odontostomat, v. 12, n. 3, p. 205-210, 2018.

ROSSI, N. F.; MORETTI-FERREIRA, D.; GIACHETI, C. M. Genética e linguagem na síndrome de Williams-Beuren: uma condição neuro-cognitiva peculiar. PróFono Revista de Atualização Científica, v. 18, n. 3, p. 331-338, 2006.

SHAIKH, S. et al. Glucose and lipid metabolism, bone density, and body composition in individuals with Williams syndrome. Clin. Endocrinol., v. 89, n. 5, p. 596-604, 2018.

SILVA, M. E. Aconselhamento genético: acesso das famílias de portadores de doenças congênitas. Braz. J. Hea. Rev, Curitiba, v. 3, n. 6, p. 17196-17209. nov./dez. 2020.

SILVA, L. A. F.; KIM, C.; MATAS, C. G. Características da avaliação auditiva na síndrome de Williams: revisão sistemática. In: CoDAS. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2018.

SUGAYAMA, S. M. M. et al. Síndrome de Williams-Beuren. Anomalias cardiovasculares em 20 pacientes diagnosticados pela hibridização em situ por fluorescência. Arq. Bras. Cardiol., v. 81, n. 5, p. 462-473, nov. 2003.

TOPAZIO, B. A. Aspectos clínicos e genéticos da Síndrome de Williams-Beuren: Revisão de literatura. Salvador: UFMG, 2013.

VARMA, T. et al. Oral prednisolone for management of persistent hypercalcemia after hypercalcemic crisis in the Williams-Beuren syndrome. Pediatric Endocrinology Diabetes and Metabolism, v. 24, n. 2, 2018.

WAXLER, J. L.; LEVINE, K.; POBER, B. R. Williams syndrome: a multidisciplinary approach to care. Pediatric annals, v. 38, n. 8, 2009.

WILSON, M.; CARTER, I. B. Williams Syndrome. In: StatPearls, 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK544278/. Acesso em: 18 mai. 2020.

XIA, Y. et al. Clinical application of chromosomal microarray analysis for the diagnosis of Williams–Beuren syndrome in Chinese Han patients. Molecular genetics & genomic medicine, v. 7, n. 2, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-173

Refbacks

  • There are currently no refbacks.