Análise dos óbitos fetais ocorridos na região do Centro-Oeste entre os anos de 2008 a 2018/ Analysis of fetal deaths occured in the Central-West region between 2008 and 2018

Eduardo Ribeiro Sene, Nadyne Martins Silva, Isadora Sene, Rafael Divino Mendes Neto, Letícia Borges Paes Leme, Lara Cândida de Sousa Machado

Abstract


Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico dos óbitos fetais ocorridos na região Centro-Oeste entre o período de 2008 a 2018. Método: É um estudo transversal descritivo, com uma abordagem quantitativa, realizada através de dados obtidos do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), acessado por meio do Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Resultados e discussão: Verificou um aumento de 217 casos entre os anos de 2008 a 2018. Do total de óbitos, 43% (n=10.686) dos óbitos fetais ocorreram em mulheres com idade entre 20 e 30 anos. Mais da metade dos casos tinham escolaridade entre 4 e 11 anos. Da gestação, 90,48% (22.487) tinham uma gestação única, 26,28% (n=6.532) estavam entre 32 a 36 semanas, 24,35% (n=6.051) tinham o peso entre 1.500 a 2.499 gramas. Dos natimortos, 90,58% (22.510) ocorreram antes do parto e 61,97% (n=15.402) eram partos vaginais. Dos óbitos, 91,98% (n=22.860) ocorreram no hospital e 26,67% dos óbitos não foram investigados. Conclusão: Apesar da região Centro-Oeste ser a região que apresenta a menor quantidade de óbitos fetais no Brasil, houve um aumento de casos entre os anos de 2008 e 2018. É necessário um aperfeiçoamento da assistência pré-natal e ao trabalho de parto, pois a maioria dos casos são passíveis de tratamento.


Keywords


Óbito fetal, Epidemiologia, Assistência Pré-Natal.

References


DATASUS [Internet]. Brasília. Ministério da Saúde (BR). Departamento de informática do SUS – DATASUS. 2013. [cited 2020 Dez 16]. Avaible from: http://www.datasus.gov.br/.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 72, de janeiro de 2010. Brasília, 2010.

BERNIS L; et al. Stillbirths: ending preventable deaths by 2030. The lancet vol.387 issue 10019, p703-716, february 13, 2016.

BARROS ,O.S; Aquino E.C.; Souza M.R. Mortalidade fetal e os desafios para a atenção à saúde da mulher no Brasil. Ver. Saúde Pública vol.53 São Paulo 2019 Epub Jan 31, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal 2° ed. Brasília, 2009.

Óbitos fetais no Brasil: revisão sistemática. Barbeiro F.M.S; et al. Óbitos fetais no Brasil: revisão sistemática. Ver. Saúde Pública vol.49 São Paulo 2015 Epub Apr 10, 2015.

FONSECA, Sandra Costa and COUTINHO, Evandro da Silva Freire. Pesquisa sobre mortalidade perinatal no Brasil: revisão da metodologia e dos resultados. Cad. Saúde Pública [online]. 2004, vol.20, suppl.1 [cited 2021-01-07], pp.S7-S19. Available from: . ISSN 1678-4464. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000700002.

CARVALHO T.S.; PELLANDA L.C.; DOYLE P. Stillbirth prevalence in Brazil: an exploration of regional differences. J Pediatr(Rio J). 2018;94:200---206.

Lansky S. Mortalidade Fetal: mortes invisíveis e evitáveis. In: Bittencourt DAS, Dias MAB, Wakimoto MD. Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e atuação em comitês de mortalidade. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013. p.123-33.

GIRALDI, K.K.; et al. Óbito fetal: fatores obstétricos, placentários e necroscópicos fetais. J. Bras. Patol. Med. Lab. Vol.55 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2019 Epub May 09, 2019.

SILVA R.M.M; et al. Análise da incidência de óbitos fetais entre municípios da nona regional de saúde do Paraná. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, vol. 37, n.1, p. 33-42, jan./jun. 2016.

OLIVEIRA, V. F. E; GAMA, N. G. S.; SILVA, P. F. M. C. Gravidez na adolescência e outros fatores de risco para mortalidade fetal e infantil no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, p. 567-578, 2010.

Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-168

Refbacks

  • There are currently no refbacks.