Contextualização da saúde mental no brasil associada ao tratamento farmacológico com antipsicóticos/ Contextualization of mental health in brazil associated with pharmacological treatment of antipsychotics

Windson Hebert Araújo Soares, Juliana de Souza Lima Coutinho, Gean Lucas de Araújo Alves, Kézia Elizama Alves Moura, Débora Cristina Aquino, Naycelle Aparecida Gomes Ribeiro, Marina Gois Pereira Leite Silva, Isabella Letícia de Pádua Cruz e Souza

Abstract


Este artigo teve como objetivo apresentar uma revisão bibliográfica da literatura científica sobre a assistência aos transtornos mentais severos e persistentes antes prestados nos hospícios, e que foram sendo substituídos para os Centros de Atenção Psicossocial, proporcionando a substituição do modelo centrado na internação hospitalar, para um modelo de cuidado clínico diário que promova a inserção social dos pacientes portadores de transtornos mentais. Neste contexto, o presente trabalho espera construir uma visão ampla e específica sobre os serviços substitutivos aos modelo hospitalocêntrico, que compõe uma terapia associado ao tratamento medicamentoso, visto que o uso do medicamento gera uma grande influência na vida destes usuários.


Keywords


Reforma Psiquiátrica, Caps, Antipsicóticos Típicos, Antipsicóticos Atípicos, Saúde Mental.

References


ANDRADE, M. T. M. Análise da Gestão da Política de Saúde Mental: Um estudo documentado na cidade de Campina Grande - PB. Trabalho de Conclusão de curso Especialista em Gestão Pública – UEPB. Pernambuco. 56p.2015.

AMARANTE, P. Asilos, alienados, alienistas: uma pequena História da Psiquiatria no Brasil. In: AMARANTE, Paulo. et al, Orgs. Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 1994.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (coord.). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

AMARANTE, P. Rumo ao fim dos manicômios. Mente & Cérebro. São Paulo, n. 164, p. 30-35, set. 2006.

BASAGLIA, F. (2005). Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. Organização: Paulo Amarante. Tradução de Joana Angélica d'Ávila Melo. Rio de Janeiro: Garamond.

BRESSAN, Rodrigo A; BIGLIANI, Valeria; PILOWSKY, Lyn S. Neuroimagem de receptores D2 de dopamina na esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 23, supl. 1, p. 46-49, May 2001 . Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 224 de 29 de janeiro de 1992 que estabelece diretrizes e normas para o atendimento ambulatorial e hospitalar em saúde mental. In: Conselho Regional de Psicologia 6ª região/SP. Trancar não é tratar: liberdade: o melhor remédio. 2.ed. São Paulo: CRP/6ª, 1997. p.42-8.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001a. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 9 abril 2001. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 336, de 19 de Fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 9 fev. 2002b. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. [Internet] Brasília: Ministério da Saúde; 2004. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011. Disponível em: < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/marco/10/PORTARIA-106-11-FEVEREIRO-2000.pdf>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sala de apoio à Gestão Estratégica. Disponível em: .

DELGADO, P. G.; SCHECHTMAN, A.; WEBER, R.; et al. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. In: MELLO, M. F.; MELLO, A. A. F.; KOHN, R. (Orgs). Epidemiologia da Saúde Mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 39-83.

FERREIRA, T. J. N. Utilização de antipsicóticos na esquizofrenia em diferentes espaços assistenciais da saúde mental. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo v.7 n.1 17-20 jan./mar. 2016.

FIRMINO, H. Nos Porões da Loucura. Rio de Janeiro: Editora Codecri, 1982.

GOLAN, David E. Princípios de farmacologia: a base fisiopatológica da farmacoterapia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

GOULART, Maria Estela Brandão. Em Nome da Razão: Quando a Arte Faz História. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano. 2010; 20(1): p. 36-41.

JORGE, Miguel R; FRANCA, Josimar MF. A Associação Brasileira de Psiquiatria e a Reforma da Assistência Psiquiátrica no Brasil. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 23, n. 1, p. 3-6, Mar. 2001 . Disponível em: .

KAPUR S. Psychosis as a state of aberrant salience: A framework linking biology, phenomenology, and pharmacology in schizophrenia. Am J Psychiatry 2003; 160: 13-23.

KAPUR S. How antipsychotics become anti-“psychotic” – from dopamine to salience to psychosis. Trends Pharmacol Sci 2004; 25: 402-6.

LEAL, Bruna Molina; ANTONI, Clarissa De. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): estruturação, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Aletheia, Canoas , n. 40, p. 87-101, abr. 2013 . Disponível em .

LEITE, Lara Oliveira de Brito et al. Os principais medicamentos prescritos em centros de apoio psicossocial – CAPS. INTESA – Informativo Técnico do Semiárido, Pombal-PB, v 10, n 2, p 76 - 91, Jul - dez , 2016.

LIBERATO, Mariana Tavares Cavalcanti. A dimensão sociocultural da reforma psiquiátrica: articulando redes para a consolidação da estratégia da atenção psicossocial. 2011. 201f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

LUZIO, Cristina Amélia; YASUI, Silvio. Além das portarias: desafios da política de saúde mental. Psicologia em Estudo [en linea] 2010, 15 (Marzo-Sin mes). Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287122130003>.

MELTZER HY, Matsubara S, Lee JC. Classification of typical and atypical antipsychotic drugs on the basis of dopamine D-1, D-2 and serotonin-2 pKi values. J Pharmacol Exp Ther 1989; 251: 238-46.

MESSAS, Guilherme Peres. O espírito das leis e as leis do espírito: a evolução do pensamento legislativo brasileiro em saúde mental. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online], vol.15, n.1, pp. 65-98, 2008. Disponível em: .

MOREIRA, FA; GUIMARÃES, FS. Mechanisms of antipsychotic medications: dopaminergic hypotheses. Medicina (Ribeirão Preto) 2007; 40 (1): 63-71.

NASCIMENTO, Andréia de Fátima; GALVANESE, Ana Tereza Costa. Avaliação da estrutura dos centros de atenção psicossocial do município de São Paulo, SP. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 43, supl. 1, p. 8-15, Aug. 2009 . Disponível em

&lng=en&nrm=iso>.

OLIVEIRA, Irismar R. Antipsicóticos atípicos: farmacologia e uso clínico. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 22, supl. 1, p. 38-40, May 2000 . Disponível em .

OLIVEIRA, Walter Ferreira de. Reforma psiquiátrica e atenção psicossocial: contextualização sócio histórica, desafios e perspectivas, SC. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Florianopolis, v.4 , n.9, p.52-71 ,2012.

OLIVEIRA, R.M., FACINA, P.C.B.R., JUNIOR, A.C.S. A realidade do viver com esquizofrenia. Rev Bras Enferm, Brasilia 2012 Mar/Abr; 65(2):309-16.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2001a). Relatório sobre a saúde no mundo 2001 - Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. OMS; 2001a.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2001b). Relatório Mundial da Saúde – A Saúde Mental pelo Prisma da Saúde Pública. Disponível em:.

OJOPI, E. P. B.; GREGORIO, S. P.; GUIMARAES, P. E. M.; FRIDMAN, C.; DIAS NETO, E. O genoma humano e as perspectivas para o estudo da esquizofrenia. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 31, n.1, p. 9-18, 2003.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Um balanço da Reforma Psiquiátrica Brasileira: Instituições, Atores e Políticas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 12, p. 4579-4589, dez. 2011. Disponível em .

PROJETO ANÁLISE DE PÓLITICAS DE SAÚDE NO BRASIL. Reforma Psiquiátrica: modelo rompeu com a “indústria da loucura. Ano 4. Edição nº15. 2018.

SCHMITZ, Ana Paula. Antipsicóticos atípicos versus efeito obesogênico sob a óptica da química farmacêutica. Eletronic Journal of Pharmacy, vol. XII, n. 3, p. 23-35, 2015.

SOARES, Windson Hebert Araújo et al. Perfil dos usuários que utilizam antipsicóticos atípicos em um serviço de saúde mental de Ouro Preto - Minas Gerais. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 5, p. 13728-13739, set./out. 2020. ISSN 2595-6825

SOUZA, Jamila Ana de. Prática profissional do assistente social dentro da equipe multiprofissional de saúde mental no município de Florianópolis. 2009. 81f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

WANNAMACHER, Lenita et al. Novembro de 2004. Antipsicóticos atípicos: mais eficazes, mais seguros?. Uso racional de medicamentos: Temas selecionados, n°12, 6p. 2004.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-162

Refbacks

  • There are currently no refbacks.