Cardiomiopatia na Hemocromatose Hereditária: Revisão de literatura / Cardiomyopathy in Hereditary Hemochromatosis: Literature Review

Jaqueline Moreira Teles, Alessandro Reis, Amanda Braga Calcagno, Arthur Alves Lima, Letícia Ribeiro Muniz, Maria Fernanda Melo de Mendonça, Bruna Vasconcelos Ramos, Isabela de Ávila

Abstract


A hemocromatose hereditária (HH) é uma desordem autossômica recessiva causada principalmente pela mutação do gene HFE. Caracteriza-se por uma desregulação na absorção intestinal de ferro, predispondo ao depósito excessivo do metal em diversos órgãos, sobretudo no coração. É uma causa grave de insuficiência cardíaca (IC), que acomete cerca de 15% dos pacientes sintomáticos, sendo mais comum a manifestação em homens entre a quarta e quinta década de vida. O presente estudo teve como objetivo atualizar aspectos fisiopatológicos, clínicos e terapêuticos da cardiomiopatia decorrente da sobrecarga de ferro na hemocromatose hereditária, através de uma revisão narrativa de literatura, por meio de uma pesquisa de cunho exploratório nas bases de dados LILACS, SciELO e PubMed. Foram selecionados artigos originais publicados entre os anos de 2015 e 2020, nos idiomas inglês e português. A cardiomiopatia por sobrecarga de ferro é causada, principalmente, pelo estresse oxidativo decorrente do acúmulo de ferro livre (NTBI) no meio intracelular, sendo os canais de cálcio voltagem-dependentes do tipo L a principal via de entrada. Além do dano oxidativo, o acúmulo de ferro causa fibrose no miocárdio que, progressivamente, leva a um quadro de disfunção diastólica e dilatação de ventrículos, além de arritmias. A investigação diagnóstica deve ser realizada em todo paciente portador de IC, através da dosagem de ferritina sérica e saturação da transferrina, além da pesquisa de mutação do gene HFE. O ecocardiograma é o principal método de avaliação do depósito de ferro no coração. O tratamento é feito, principalmente com a depleção do excesso de ferro através de flebotomias e quelantes. Bloqueadores de canais de cálcio vem sendo estudados como opção de tratamento. Conclui-se que ainda são necessárias pesquisas sobre os benefícios e redução da mortalidade a médio e longo prazo com o uso dessas medicações no tratamento de IC por sobrecarga de ferro.


Keywords


Sobrecarga de ferro, Cardiomiopatias, Cardiopatias.

References


ALVES et al. Prevalence of HFE gene polymorphisms in Brazil. Genetics and Molecular Research, v.15, n.2, 2016.

ARONOW, Wilbert. Management of cardiac hemochromatosis. Arch Med Sci, vol. 14, n. 3, p. 560-568, Abril, 2018.

CASTILHOS et al. Hemocromatose hereditária: estudo de alterações laboratoriais relacionadas com polimorfismos. J Bras Patol Med Lab, v. 53, n. 4, p. 227-232, agosto 2017.

CONITEC. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Sobrecarga de Ferro. Ministério da Saúde, 2018.

DAS et al. Females Are Protected From Iron-Overload Cardiomyopathy

Independent of Iron Metabolism: Key Role of Oxidative Stress. Journal of the American Heart Association, v.6, 2017.

GARCIA. Constrictive Pericarditis Versus Restrictive Cardiomyopathy, Journal of the American College of Cardiology, vol. 67, n. 17, p. 2061-2076, maio, 2016.

GOLDMAN, L; SCHAFER, A. Goldman Cecil Medicina. 24 ed. São Paulo: Saunders Elsevier, 2014.

GROTTO, H. Fisiologia e metabolismo do ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. São Paulo, v. 32, n. 2, p. 8-17, 2010.

IGLESIAS et al. Hemocromatose: Uma Causa Reversível de Insuficiência Cardíaca. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 31, n. 3, p. 308-311, 2018.

ROMBOUT-SESTRIENKOVA et al. How we manage patients with hereditary haemochromatosis British Journal of Haematology, v. 175, p.759-770, 2016.

SHIZUKUDA, Y; ROSING, D. Iron overload and arrhythmias: Influence of confounding factors. Journal of Arrhythmia, v.35, p. 575-583, 2019.

SIRI-ANGKUL et al. Cellular Electrophysiology of Iron-Overloaded Cardiomyocytes.

Frontiers in Physiology, v. 9, p. 2018.

SUDMANTAITE et al. Difficult diagnosis of cardiac haemochromatosis: a case report. European Heart Journal, v. 4, p. 1-4, 2020.

VANCLOOSTER et al. Proton Pump Inhibitors Decrease Phlebotomy Need in HFE Hemochromatosis: Double-Blind Randomized Placebo-Controlled Trial. Gastroenterology, v. 153, p. 678-680, 2017.

ZHABYEYEV; OUDIT. Hemochromatosis Protein (HFE) Knockout Mice As a Novel Model of Hemochromatosis: Implications for Study and Management of Iron-Overload Cardiomyopathy. Canadian Journal of Cardiology, v. 33, p. 835-837, 2017.

ZHANG et al. Role of iron metabolism in heart failure: From iron deficiency to iron overload. Molecular Basis of Disease, v. 1865, p. 1925-1937. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-155

Refbacks

  • There are currently no refbacks.