Características sociodemográficas e epidemiológicas dos homicídios em Marabá-PA: taxas acima das médias estadual e nacional/ Sociodemographic and epidemiological characteristics of homicides in Marabá – PA: rates above state and national averages

Ayniere Sousa Soares, Matheus Leite de Oliveira, Cesar Augusto Medeiros Paiva Rodrigues, Simone Argentino, Priscila Xavier de Araujo

Abstract


A mortalidade por causas externas é a principal causa de óbitos na população brasileira com faixa etária entre 15 e 39 anos, sendo a maior parte desses óbitos em decorrência de violência e agressões. O município de Marabá-PA tem taxas de homicídios acima da média nacional e mundial, além de compor o grupo de 123 municípios responsáveis por metade de todos os assassinatos do país. Objetivo: descrever as características dos 997 homicídios ocorridos entre 2013 a 2017 no município de Marabá – PA. Metodologia: estudo descritivo que utilizou o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) para traçar o perfil das vítimas e conhecer as características epidemiológicas dos homicídios no município. Resultados: maior ocorrência de assassinatos esteve relacionada com homens (92,78%), na faixa etária de 20 a 39 anos (58,78%), da raça/cor negra (89,96%), com menor escolaridade (56,97%) e solteiros (75,53%). A arma de fogo foi utilizada em 73,62% das agressões. A maioria dos óbitos ocorreram em via pública (53,56%), aos domingos (23,22%), entre 18 horas e 23h59min (34,45%). Houve diferença na proporção da causa básica e local do óbito quando comparado com o sexo masculino e feminino. Conclusão: o estudo permitiu conhecer as variáveis sociodemográficas e epidemiológicas relacionadas aos homicídios, o que pode contribuir para a adoção de políticas públicas mais efetivas na prevenção deste evento.


Keywords


Causas externas, Homicídio, Determinantes Sociais de Saúde.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun. 2013. Seção 1. p. 59.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

CARDOSO, F. L. M. G. et al. Homicídios no Rio de Janeiro, Brasil: uma análise da violência letal. Ciênc. saúde coletiva, Rio de janeiro, v. 21, n. 4, p. 1277-1288, abr. 2016. https://doi.org/10.1590/1413-81232015214.14712015

CERQUEIRA, D.; COELHO, D. Democracia Racial e Homicídios de Jovens Negros na Cidade Partida. TD 2267 - IPEA, Brasília, 2017.

COSTA, F. A. M. M.; TRINDADE, R. F. C.; SANTOS, C. B. Mortes por homicídios: série histórica1. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 22, n. 6, p. 1017, nov.-dez. 2014.

DAHLBERG, L. L.; KRUG, E. G.. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc. saúde coletiva [online]. Rio de janeiro, vol.11, suppl., p. 1163-1178, 2006. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007.

DRUMOND, E. F.; SOUZA, H. N. F.; HANG-COSTA, T. A. Homicídios, álcool e drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2000-2009. Epidemiol. Serv. Saúde, online, v. 24, n. 4, out.-dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2019.

IBGE. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estimativas da população residente para os municípios e para as unidades da federação brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2017. Rio de janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2017. Disponível em: Acesso em: 14 mai. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). ATLAS da Violência 2018. Rio de Janeiro, RJ, jun. 2018. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/06/FBSP_Atlas_da_Violencia_2018_Relatorio.pdf Acesso em: 13 mai. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Aumento da escolaridade amplia renda no trabalho. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2019.

LIMA, A. L. B. et al. Tendência crescente de violência homicida na região metropolitana de natal-rn, Brasil. Rev. Ciênc. Plur, v. 1, n. 2, p. 19-28, 2015.

LIMA-COSTA, M. F.; BARRETO, S. M. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemio. Serv. Saúde, Ministério da Saúde, v. 12, n. 4, p. 189-201, out/dez 2003.

MARQUES, L. P. Morbimortalidade por causas externas na saúde do homem [recurso eletrônico] / Larissa Pruner Marques, Eleonora d’Orsi, André Junqueira Xavier. - Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2963-2970, set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017229.22732015.

Organização Mundial da Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, 10ª Revisão. EDUSP/CBCD, 2008. v. 1 Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2019.

PARÁ. Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. Unidades Regionais. CPC Renato Chaves, 2017 Disponível em: Acesso em: 14 mai. 2019.

ROCHA, G. G. et al. Análise temporal da mortalidade por homicídios e acidentes de trânsito em Foz do Iguaçu, 2000-2010. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v. 25, n. 2, p. 323-330, abr.-jun. 2016.

RODRIGUES, Roselene Batista. Violência contra mulheres: homicídios no município de Belém. 2014. 75 f. Dissertação (Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014.

SOUSA, C. A. M.; SILVA, C. M. F. P.; SOUZA, E. R. Determinantes dos homicídios no Estado da Bahia, Brasil, em 2009. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 17, n. 1, p. 135-146, mar. 2014.

SOUZA, E. R. et al. Estudo multicêntrico da mortalidade por homicídios em países da América Latina. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol.17, n.12, pp.3183-3193. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001200004.

SOUZA, T. O.; SOUZA, E. R.; PINTO, L W. Evolução da mortalidade por homicídio no Estado da Bahia, Brasil, no período de 1996 a 2010. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1889-1900, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2019.

TAVARES, R. et al. Homicídios e vulnerabilidade social. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 923-934, mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2019.

TRINDADE, R. F. C. et al. Map of homicides by firearms: profile of the victims and the assaults. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 49, n. 5, p. 748-755, out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2019.

WAISELFISZ. J. J. Homicídios e juventude no Brasil: atualização 15 a 29 anos. Brasília: 2014. Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2019

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2014: Homicídios e juventude no Brasil. Brasília: 2014.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: 2015. Disponível em: Acesso em: 1 jun. 2019

WAISELFISZ, J. J. Mortes matadas por armas de fogo: 1979/2003. Brasília, UNESCO, 2005.

World Health Organization (WHO). World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, Sustainable Development Goals. Geneva: World Health Organization; 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-147

Refbacks

  • There are currently no refbacks.