Segurança do paciente no contexto da hemodiálise: uma revisão integrativa/Patient safety in the context of hemodialysis: an integrative review

Michely Dayane Campos Brito Penariol, Ágata Bruna Neto Maia Pimentel, Érica Tatiane Santos Silva Faria, Aline Scharr Rodrigues, Clarice Santana Milagres

Abstract


 


A cultura da Segurança do Paciente tem passado por inúmeras transformações nas ultimas décadas. No âmbito da nefrologia, medidas que gerem melhoria de qualidade e segurança ao serviço, aos profissionais e aos pacientes, tem sido pouco exploradas. O presente estudo teve como objetivo verificar na literatura da área, as referências utilizadas para planejar a implantação das práticas de Segurança do Paciente em unidades de hemodiálise, bem como demonstrar sua importância nesses serviços especializados e que oferecem alta complexidade tecnológica e atendimento ao paciente renal em tratamento hemodialítico. Uma revisão integrativa, dos artigos publicados entre 2007 e 2017, foi realizada nas bases de dados eletrônicas PubMed, Medline, Scielo e Science Direct. Também foram utilizados os descritores pré-determinados em inglês e português, abrangendo artigos que utilizavam "segurança do paciente", "hemodiálise", "qualidade" e seus respectivos descritores em português, utilizados em combinação. As referências bibliográficas dos trabalhos identificados pela pesquisa eletrônica foram revisadas para identificar estudos adicionais. Resultados obtidos: foram identificados artigos referentes aos processos de implantação de práticas de Segurança do Paciente em unidades de hemodiálise, adaptado de outras áreas, contudo este processo de edificação está em construção. Conclusão: para que as políticas de Segurança do Paciente sejam aplicadas e implementadas, é necessário reestruturar os serviços com foco na formação de profissionais, na segurança e em uma política administrativa que esteja disposta a modificar os padrões usuais, pensando na melhoria contínua dos serviços oferecidos. Para isso, além dos profissionais envolvidos, é necessário incluir pacientes e familiares nessa prática.


Keywords


Cultura de segurança, Checklist, Hemodiálise.

References


Precil Diego Miranda de Menezes Neves; Ricardo de Castro Cintra Sesso; Fernando Saldanha Thomé; Jocemir Ronaldo Lugon; Marcelo Mazza Nasicmento; Censo Brasileiro de Diálise: análise de dados da década 2009-2018. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Censo Brasileiro de Diálise. 2018.

Kliger AS. Maintaining Safety in the Dialysis Facility. Clinical Journal of the American Society of Nephrology: CJASN. 2015, 10 (4):688-695.

Thomas- Hawkins C, Flynn L. Patient safety culture and nurse-reported adverse events in outpatient hemodialysis units. Res Theory Nurs Pract. 2015. 29 (1):53-65.

Garrick R, Kliger A, Stefanchik B. Patient and Facility Safety in Hemodialysis: Opportunities and Strategies to Develop a Culture of Safety.CJASN. 2012. 7 (4): 680-688

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec; 2000.

Mendes KDS, SILVEIRA RCCP, GALVÃo CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008, 17(4):758-64.

Pendse S, Singh A, Zawada Jr. E. Início da diálise. In: Daugirdas JT, Blake PG, Ing TS. Manual de diálise. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. p.13-9.

Cohen SC, Holder-Perkins V, Kimmel PL. Problemas psicossociais nos pacientes com doença renal em estágio terminal. In: Daugirdas JT, Blake PG, Ing TS. Manual de diálise. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. p. 421-6.

Kumar V, Depner T, Besarab A, Ananthakrishnan S. Acesso arteriovenoso para hemodiálise. In: Daugirdas JT, Blake PG, Ing TS. Manual de diálise. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. p.100-19

Guerrero VTG, Mujica AED, Albornoz KV. La educación como estrategia para mejorar la adherencia de los pacientes em terapia dialítica. Rev Cubana Enferm. 2010;26(2):52-62.

Madeiro AC, Machado PDLC, Bonfim IM, Braqueais AR, Lima FET. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise. Acta Paul Enferm. 2010;23(4):546-51.

Kohn LT, Corrigan JM, Danaldson MS (org) To Err is Human: Building a Safer Health System.Washington (DC). National Academies Press (US); 2000.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC N° 11, de 13 de março de 2014 (a).

World Health Organization (WHO). Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety. Taxonomy. World Alliance for Patient Safety, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 (DOU de 02/04/2013).

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Implantação do Núcleo de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde – Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Brasília: Anvisa, 2016.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à PráticaAgência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2017.

McQuillan RF, Silver SA, Harel Z, Weizman A, Thomas A, Bell C, Chertow GM, Chan CT, Nesrallah G. How to Measure and Interpret Quality Improvement Data. Clin J Am Soc Nephrol. 2016. 11(5):908-14.

Silver SA, McQuillan R, Harel Z, Weizman AV, Thomas A, Nesrallah G, Bell CM, Chan CT, Chertow GM. How to Sustain Change and Support Continuous Quality Improvement. Clin J Am Soc Nephrol. 2016.11(5):916-24.

Jacobs R, Mannion R, Davies HT, Harrison S, Konteh F, Walshe K. The relationship between organizational culture and performance in acute hospitals. Soc Sci Med. 2013,76(1):115-25.

Sue H, et al. More holes than cheese. What prevents the delivery of effective, high quality and safe health care in England?, Ergonomics. 2016. 61(1): 5-14.

World Health Organization (WHO). World Alliance for Patient Safety. Forward program 2008 – 2009. 2008.

Bray BD, Boyd J, Daly C, Doyle A, Donaldson K, Fox JG, et al. How safe is renal replacement therapy? A national study of mortality and adverse events contributing to the death of renal replacement therapy recipients. Nephrol Dial Transplant. 2014; 29:681–7.

Aguiar LL., et al. Enfermagem e metas internacionais de segurança: Avaliação em hemodiálise. Cogitare Enfermagem. [S.l.]. 2017; 22 (3):.

Silver SA, Thomas A, Rathe A, et al. Development of a hemodialysis safety checklist using a structured panel process. Can J Kidney Health Dis. 2015;2:5. Published 2015 Feb 12. doi:10.1186/s40697-015-0039-8

Alison Thomas, Samuel A. Silver, Andrea Rathe, Pamela Robinson, Ron Wald, Chaim M. Bell, Ziv Harel, Feasibility of a hemodialysis safety checklist for nurses and patients: a quality improvement study, Clinical Kidney Journal, Volume 9, Issue 3, June 2016, Pages 335–342, https://doi.org/10.1093/ckj/sfw019

Marcelli D, Matos A, Sousa F, Peralta R, Fazendeiro J, Porra A, Moscardo V, Parisotto MT, Stopper A, Canaud B. Implementation of a quality and safety checklist for haemodialysis sessions. Clin Kidney J. 2015 Jun;8(3):265-70. doi: 10.1093/ckj/sfu145. Epub 2015 Jan 12. PMID: 26034586; PMCID: PMC4440460.

Renal Physicians Association. Patient safety improvement plan basic [Internet]. 2018 [cited 2018 jul 01].Avaliabe from: https://cdn.ymaws.com/www.renalmd.org/resource/resmgr/patient_safety_reports/posters/patient_safety_plan_basics_-.pdf

Renal Physicians Association. Dialysis Safety: What Patients Need To Know [Internet]. 2018 [cited 2018 jul 01]. Available from:

https://cdn.ymaws.com/www.renalmd.org/resource/resmgr/patient_safety_reports/posters/RPA_safetyFlier2_6_12F_Hi_Re.pdf

Frankel A, Haraden C, Federico F, Lenoci-Edwards J. A Framework for Safe, Reliable, and Effective Care. White Paper. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement and Safe & Reliable Healthcare; 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-135

Refbacks

  • There are currently no refbacks.