Manejo clínico na emergência para acidentes ofídicos: envenenamentos podem evoluir para choque anafilático? / Emergency clinical management for official accidents: can poisons evolve in anaphylactic shock?

Felipe dos Santos Souza, Mayara Angélica Cobuci da Silva, Túlio de Souza Mendes, Camila Pereira Bahia, Ana Luiza Santos Oliveira, Jackson Santos Oliveira, Luiz Guilherme Parma Caputo, Alvaro Moreira Rivelli, Thaianne Cavalcante Servio

Abstract


Introdução: Acidentes ofídicos são quadros de envenenamento decorrentes da inoculação de uma peçonha através do aparelho inoculador de serpentes peçonhentas. Esses acidentes representam um problema de saúde pública mundial principalmente em países tropicais, visto à frequência que ocorrem e à morbimortalidade produzida. A atividade fisiopatológica decorrente de um acidente ofídico pode repercutir, em último grau, ao choque anafilático. Objetivo: Analisar relatos de casos de pacientes com intoxicação por animais peçonhentos, considerando quadros graves que evoluíram com choque anafilático, avaliando tanto manejo clínico, quanto gravidade e prognóstico desses pacientes, a fim de ampliar a compreensão sobre acidentes ofídicos na área da emergência. Métodos: Utilizou-se artigos indexados nos bancos de dados: SCIELO, PUBMED e LILICS com os seguintes descritores: Acidentes ofídicos; Animais peçonhentos; Urgência e emergência; Intoxicação; Choque anafilático; Manejo clínico. Resultados:  O reconhecimento do animal peçonhento é de fundamental grande importância a escolha do soro antiofídico correto. Além disso, todas as mordidas de crotalídeos requerem medidas de suporte e exames laboratorias (hemograma completo, coagulograma, mensuração dos produtos da degradação do fibrinogênio e fibrina séricos, exame de urina, mensuração de eletrólitos séricos, nitrogênio ureico do sangue e creatinina). Em relação ao veneno, as repercussões sistêmicas podem proceder através de três mecanismos: hemorragia, coagulação e proteólise. Com isso, a complicação mais grave é a anafilaxia decorrente de uma reação de hipersensibilidade imediata mediada por imunoglobulina E (IgE) aos antígenos do veneno. Conclusão: Acidentes ofídicos requerem um manejo clínico adequado e podem levar a complicações graves como choque anafilático.


Keywords


Anafilaxia. Choque anafilático. Acidentes ofídicos. Medicamento de emergência.

References


OMS (Organização Mundial da Saúde), 1993. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, 10a Revisão. v. 1. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português.

PRONITOX (Programa Nacional Integrado de Informações Tóxico-Farmacológicas), 1990. Casos de Intoxicação Atendidos pelos Centros de Toxicologia. Brasil, 1989. Porto Alegre: PRONITOX, Fundação Oswaldo Cruz.

PRONITOX (Programa Nacional Integrado de Informações Tóxico-Farmacológicas), 1991. Estatística Anual de Intoxicação Humana. Centros de Informações Toxicológicas. Brasil, 1990. Rio de Janeiro: PRONITOX, Superintendência de Informação Científica e Tecnológica, Fundação Oswaldo Cruz.

SNITF (Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas), 1986. Intoxicações no Brasil. Morbidade e Mortalidade. Registro de Dados dos Centros de Informação Toxicológica, 1985. Porto Alegre: SNITF, Fundação Oswaldo Cruz.

Spiller HA, Bosse GM, Ryan ML. Use of antivenom for snakebites reported to United States poison centers. Am J Emerg Med. 2010;28(7):780–5.

Rothman KJ, Greenland S, Lash TL. Modern epidemiology. 3rd ed. Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins; 2008.

Feitosa EL, Sampaio VS, Salinas JL, Queiroz AM, da Silva IM, Gomes AA, et al. Older age and time to medical assistance are associated with severity and mortality of snakebites in the Brazilian Amazon: a case-control study. PLoS One 2015;10(7):e0132237.

Brown N, Landon J. Antivenom: the most cost-effective treatment in the world? Toxicon 2010;55(7):1405–7.

Gutiérrez JM, Williams D, Fan HW, Warrell DA. Snakebite envenoming from a global perspective: towards an integrated approach. Toxicon 2010;56(7):1223–35.

Chippaux JP. Control of ophidism in Brazil: a model for Africa. J Venom Anim Toxins Incl Trop Dis. 2010:16(2):188–90.

Gutiérrez JM, Theakston RDG, Warrell DA. Confronting the neglected problem of snake bite envenoming: the need for a global partnership. PLoS Med. 2006;3(6):e150.

Nunes ES, Souza MAA, Vaz AFM, Silva TG, Aguiar JS, Batista AM, et al. Cytotoxic effect and apoptosis induction by Bothrops leucurus venom lectin on tumor cell lines. Toxicon 2012;9(7–8):667–71.

Santoro ML, do Carmo T, Cunha BHL, Alves AF, Zelanis A, Serrano SM, et al. Ontogenetic variation in biological activities of venoms from hybrids between Bothrops erythromelas and Bothrops neuwiedi snakes. PLoS One 2015;10(12):e0145516.

Dolab JA, de Roodt AR, de Titto EH, García SI, Funes R, Salomón OD, et al. Epidemiology of snakebite and use of antivenom in Argentina. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2014;108(5):269–76.

Gutiérrez JM. Envenenamientos por mordeduras de serpientes en América Latina y el Caribe: una visión integral de carácter regional. Bol Malariol Salud Amb. 2011;51(1):1–22.

Warrell, DA. Snake bite. Lancet. 2010;375(9708):77–88.

da Silva CJ, Jorge MT, Ribeiro LA. Epidemiology of snakebite in a central region of Brazil. Toxicon 2003;41(2):251–5.

Mise YF, Lira-da-Silva RM, Carvalho FM. Agriculture and snakebite in Bahia, Brazil -an ecological study. Ann Agric Environ Med. 2016;23(3):467–70.

Lima JS, Júnior HM, Martelli DRB, Silva MS, Carvalho SFG, Canela JR, Bonan PRF. Perfil dos acidentes ofídicos no norte do Estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Soc Bras Med Tropical 2009; 42(5):561-564.

Fernández P, Gutiérrez JM. Mortality due to snakebite envenomation in Costa Rica (1993-2006). Toxicon 2008; 52(3):530-533.

Oliveira HFA, Leite RS, Costa CF. Aspectos clínicos-epidemiológicos de acidentes com serpentes peçonhentas no município de Cuité, Paraíba, Brasil. Gaz Méd Bahia 2011; 81(1):14-19.

Rojas CA, Gonçalves MR, Almeida Santos SM, 2007. Epidemiologia dos acidentes ofídicos na região noroeste do estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde 2007; 8(3):193-204.

Moreira ERF. Mesorregiões e microrregiões da Paraíba: Delimitação e caracterização. João Pessoa: Gasp; 1989.

Blaylock R. Epidemiology of snakebite in Eshowe, KwaZulu-Natal, South Africa. Toxicon 2004; 43(2): 159-166.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2ª Edição. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 2001.

Silva CJ, Jorge MT, Ribeiro LA. Epidemiology of snakebite in a central region of Brazil. Toxicon 2003; 41(2):251-255.

Mise YF, Lira-da-Silva RM, Carvalho FM. Envenenamento por serpentes do gênero Bothrops no estado da Bahia: aspectos epidemiológicos e clínicos. Rev Soc Bras Med Tropical 2007; 40(5):569-573.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.