Relação entre o espectro autista e os transtornos alimentares / Relationship between autistic spectrum and eating disorders

Juliana Siqueira Felipe, Ana Carolina Cabral Carvalho, Cibele Naves Lamounier, Guilherme Miguel Hanna, Isabela Custódio Gomes Daia, Laura Martins de Oliveira, Léa Resende Moura

Abstract


O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um grupo de condições heterogêneas de neurodesenvolvimento. É caracterizado por déficits persistentes na comunicação social, seja linguagem verbal e/ou não verbal, e em habilidades para desenvolver, compreender e manter relacionamentos, o que interfere gravemente na autossuficiência desses indivíduos. Dentro desses aspectos, pode-se perceber que, principalmente crianças autistas, são muito seletivas e resistentes ao novo, dificultando a inserção de novas experiências com alimentos, podendo levar a transtornos da alimentação. Nesse sentido, objetivou-se analisar os transtornos alimentares presentes em crianças com o espectro do transtorno autista. O objetivo foi alcançado por meio de uma metodologia que consiste na análise de 20 artigos, entre os anos 2016 e 2020, em língua inglesa e portuguesa, retirados das plataformas: Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e National Library of Medicine (NIH), com a pesquisa dos descritores em saúde (DeCS): “Autismo”, “Transtorno do Espectro Autista”, “Nutrição da Criança”, “Transtornos da Nutrição Infantil” e “Obesidade Pediátrica”. Após a análise dos estudos selecionados, constatou-se que pode sim haver uma relação entre os transtornos alimentares e crianças portadoras de TEA. Ademais, as dificuldades mais presentes nos artigos escolhidos foram em relação à seletividade alimentar, aspectos comportamentais durante as refeições e distúrbios da mastigação. Observou-se também alta prevalência de excesso de peso nas crianças com transtorno do espectro autista, além de alterações gastrointestinais. Concluiu-se que é importantíssimo o diagnóstico precoce desses transtornos alimentares, para que o prognóstico seja o melhor possível. Outrossim, foi constatado que é necessária intervenção adequada no que se refere ao acompanhamento nutricional, pois existe carência de informações ofertadas aos pais, cuidadores e aos próprios pacientes quanto a importância da alimentação na TEA.


Keywords


Autismo, Nutrição da Criança, Transtorno da Nutrição Infantil.

References


ADAMS, J. et al. Comprehensive nutritional and dietary intervention for autism spectrum disorder— a randomized, controlled 12-month trial. Nutrients, v. 10, n. 3, p. 1-43, 2018.

ALMEIDA, A.K. et al. Consumo de ultraprocessados e estado nutricional de crianças com transtorno do espectro do autismo. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 31, n. 3, p. 1-10, 2018.

ARAÚJO, D. R.; NEVES, A. S. Análise do uso de Dietas Gluten Free e Casein Free em crianças com transtorno do espectro autista. Cadernos UniFOA, v. 6, n. 1, p. 23-29, 2011.

BARROS, B. S. (2018). Perfil alimentar de crianças com transtorno do espectro autista. (Tese monografia) Universidade de Brasília Faculdade de Ceilândia, Brasília, Brasil.

BERDING, K.; DONOVAN, S. Microbiome and nutrition in autism spectrum disorder: current knowledge and research needs. Nutrition Reviews, v. 74, n. 12, p. 723-736, 2016.

BLAZEWICZ, A. et al. Assessment of changes over time of lipid profile, c-reactive protein level and body mass index in teenagers and young adults on different diets belonging to autism spectrum disorder. Nutrients, v. 12, n. 9, p. 1-18, 2020.

CAETANO, M. V.; GURGEL, D. C. Perfil nutricional de crianças portadoras do transtorno do espectro autista. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 31, n. 1, p. 1-11, 2018.

CUPERTINO, M. C. et al. Transtorno do espectro autista: uma revisão sistemática sobre aspectos nutricionais e eixo intestino-cérebro. ABCS Health Sciences, v. 44, n. 2, p. 120-130, 2019.

DA SILVA, D. V. et al. Excesso de peso e sintomas gastrintestinais em um grupo de crianças autistas. Revista Paulista de Pediatria, v. 38, n. 5, p. 1-6, 2019.

DE FREITAS, P. M. et al. Deficiência intelectual e o transtorno do espectro autista: fatores genéticos e neurocognitivos. Pedagogia em Ação, v. 8, n. 2, p. 1-11, 2016.

GRILLO E; DA SILVA, R. J. M. Manifestações precoces dos transtornos do comportamento na criança e no adolescente. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n. 2, p.21-27, 2004.

JACQUEMONT, S. et al. A higher mutational burden in females supports a "female protective model" in neurodevelopmental disorders. American Journal of Human Genetics, v. 94, n. 3, p. 2015-225, 2014.

JOHNSON, D. et.al. A revolutionizing approach to autism spectrum disorder using the microbiome. Nutrients, v. 17, n. 7, p. 1-23, 2020.

KLIN, A. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 28, supl. 1, p. 3-11, 2006.

KUMMER, A. et al. Frequência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes com autismo e transtorno do déficit de atenção/hiperatividade. Revista Paulista de Pediatria, v. 34, n. 1, p. 71-77, 2016.

LACH, G. et al. Envolvimento da flora intestinal na modulação de doenças psiquiátricas. Vittalle, v. 29, p.64-82, 2017.

LÁZARO, C. et al. Escala de avaliação do comportamento alimentar no transtorno do espectro autista: estudo de validação. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 68, n. 4, p. 191-199, 2019.

LÁZARO, C.; PONDÉ, M. Narratives of mothers of children with autism spectrum disorders: focus on eating behavior. Trends Psychiatry Psychother, v. 39, n. 3., p. 180-187, 2017.

LEVENSON, D. Autism in siblings often caused by different faulty genes, study says. American Journal of Medical Genetics, v. 167, n. 5, p. 5-14, 2015.

MAXIMINO, P. et al. Como acompanhar a criança com dificuldade alimentar em escopo multidisciplinar? Protocolo de atendimento multiprofissional na infância e adolescência - estudo piloto. Journal of Human Growth and Development, v. 26, n. 6, p. 331-340, 2016.

MELO, L. A. et al. IMC e alterações do comportamento alimentar em pacientes com transtorno do espectro autista. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 46235-46243, 2020.

MONTEIRO, M. A. et al. Transtorno do espectro autista: uma revisão sistemática sobre intervenções nutricionais. Revista Brasileira de Pediatria, v. 38, 2020.

OLIVEIRA, K. G; SERTIÉ, A. L. Transtornos do espectro autista: um guia atualizado para aconselhamento genético. Einstein, v. 15, n. 2, p. 234-238, 2017.

PAULA, F. et al. Transtorno do espectro do autismo: impacto no comportamento alimentar. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p.5009-5023, 2020.

PIMENTEL, Y. et al. Restrição de glúten e caseína em pacientes com transtorno do espectro autista. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição, v. 10, n. 1, p. 3-8, 2019.

PINTO, R. et al. Autismo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 37, n. 3, p. 1-9, 2016.

ROCHA, G. et al Análise da seletividade alimentar de crianças com transtorno do espectro autista. Electronic Journal Collection Health, v. 24, n. 538, p. 1-8, 2019.

RODRIGUES, C. et al. O consumo alimentar de crianças com transtorno do espectro autista está correlacionado com alterações sensório-oral e o comportamento alimentar. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 9, p. 67155-67170, 2020.

SANDLER, A. et al. The pediatrician’s role in the diagnosis and management of autistic spectrum disorder in children. American Academy of Pediatrics, v. 107, n. 5, p. 1221-1226, 2001.

SILVA, D. et al. Excesso de peso e sintomas gastrointestinais em um grupo de crianças autistas. Revista Paulista de Pediatria, n. 38, p. 1-6, 2020.

SCHNEIDER, C.; TAFURI, M. I. A dialética da amamentação e do desmame na constituição psíquica da criança autista. Estilos da Clínica, v. 22, n. 3, p. 468-487, 2017.

SOUZA, J.V. et al. Autismo e transtorno alimentar: a inclusão e a capacidade de aceitação das diversidades dos indivíduos. Conhecimento em Destaque, Edição especial, p. 53-62, 2019.

TOSCANO, C. et al. Growth and weight status of brazilian children with autism spectrum disorders: a mixed longitudinal study. Jornal de pediatria, v. 95, n. 6, p. 705-712, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-113

Refbacks

  • There are currently no refbacks.