Alimentos permitidos em um presídio feminino em Cajazeiras - classificação quanto ao grau de processamento / Food allowed in a women's prison in Cajazeiras - classification regarding the degree of processing

Isadora Ramos da Costa Rodrigues, Luíza de Carvalho Almeida, Alesson Silva Damasceno, Dayze Djanira Furtado Galiza, Helena Alves de Carvalho Sampaio

Abstract


O sistema carcerário brasileiro é marcado pela precariedade, superlotação de celas e péssimas condições de estrutura, higiene e alimentação. Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo analisar quais os tipos de alimentos que são permitidos entrar em um presídio feminino situado no nordeste brasileiro, segundo grau de processamento.  O estudo foi realizado em um presídio feminino localizado na cidade de Cajazeiras, onde foram levantados dados relativos à idade, anos de estudo e presença de doenças crônicas de 33 apenadas em regime fechado. Também foi realizado o levantamento de alimentos permitidos a entrar no presídio, os quais foram categorizados segundo o grau de processamento, utilizando a classificação do Guia Alimentar Brasileiro. Constatou-se a presença de 30 tipos de alimentos na lista. Embora as verduras sejam listadas como todas permitidas, a maioria dos alimentos são processados e ultraprocessados, com destaque para estes últimos, que totalizam 12 produtos, incluindo embutidos, refrigerantes, miojo, suco em pó, entre outros. Dessa forma, a lista de alimentos permitidos a entrar no presídio é integrada por uma quantidade excessiva de alimentos processados e ultraprocessados, o que pode colocar as apenadas em risco à saúde.


Keywords


Prisões, Mulheres, Alimentação.

References


AFONSO, C. A. G. Excesso de peso, ingestão nutricional e atividade física em mulheres de um Estabelecimento Prisional. 42f. Mestrado em Saúde Pública. Universidade do Porto, Porto, 2012.

ALVES, J., MAIA, A., TEIXEIRA, F. Health Conditions Prior to Imprisonment and the Impact of Prison on Health: Views of Detained Women. Qual Health Res. v.26, n.6, p.782-792, 2016.

AQUINO, F. C.; et al. Segurança Alimentar e Nutricional, Hábitos Alimentares e condições socioeconômicas na Chapada dos Veadeiros no Brasil Central. Segurança Alimentar e Nutricional. Campinas, v. 23, n. 2, p.933-943, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. 2ª edição. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa CONEP. Normas para pesquisas envolvendo seres humanos. Resolução CNS466/12. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Justiça (BR), Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento nacional de informações penitenciárias INFOPEN mulheres. Brasília: Mistério da Justiça, 2014.

CAMARGO, J.P.;et al. O perfil das detentas HIV positivo de uma penitenciária estadual do Paraná, Brasil. J. Health Sci Inst. v.30, n.4, p.369-376, 2012.

CANELLA, D. S.; et al. Ultra-processed food products and obesity in Brazilian households (2008-2009). PLoS One. v.9, n.3, 2014.

JULIA, C.;et al. Contribution of ultra-processed foods in the diet of adults from the French NutriNet-Santé study. Public Health Nutr. v.21, n.1, p.27-37,2018.

JUUL,F.; et al. Ultra-processed food consumption and excess weight among US adults. Br J Nutr. v.120, n.1, p.90-100, 2018.

LAVÔR, A. D.; et al. Consumo alimentar de trabalhadores de unidades de alimentação e nutrição em um hospital. Revista Paraense de Medicina. v.28, n.4, p. 25-28, dez., 2014.

MASSAROLLO, M. D.; et al. Interfaces da Alimentação no Sistema Prisional: O Caso de um Centro de Detenção e Ressocialização do Paraná. Revista Faz Ciência. v.14, n. 20, p. 125- 151. Paraná. jul. 2012.

MINAYO, M.C.S., RIBEIRO, A.P. Condições de saúde dos presos do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.21, n.7, p. 2031-2040, 2016.

NARDOCCI, M.; et al. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Canada. Can J Public Health. v.110, n.1, p.4-14, 2019.

NERI, M. S. et al. Presas pelas Drogas: Características de Saúde de Presidiárias em Salvador, Bahia. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 25, n. 2, p. 121-132, maio. 2011.

OLIVEIRA, V. S.;et al. Análise dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis: estudo com colaboradores de uma instituição privada. Saúde Santa Maria, v. 43, n.1, p. 214-224, jan./abr., 2017.

ROCHA, J. Contributo de um Programa de Atividade Física Adaptada em Reclusas Condenadas com Depressão. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto, 2007.

SANTOS, M.V.D. et al. The physical health of women deprived of their freedom in a prison in the state of Rio de Janeiro. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem. v. 21, n. 2, 2017.

SILVA, F. M.;et al. Consumption of ultra-processed food and obesity: cross sectional results from the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil) cohort (2008-2010). Public Health Nutr.v.21, n.12, p.2271-2279, 2018.

SOUSA, M. C. P.; et al. Atenção à saúde no sistema penitenciário: revisão de literatura. Revista Interdisciplinar. Pernambuco. v.6, n.2, p.144-151, abr. 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-097

Refbacks

  • There are currently no refbacks.