Análise Epidemiológica de Salpingite e Ooforite em adolescentes no Brasil (2010-2019) / Epidemiological analysis of Salpingitis and Oophoritis in adolescents in Brazil (2010-2019)

Giana Lobão Amaral, Thalia de Souza Bezerra, Ana Beatriz de Sousa Moura, Arthur Antunes Coimbra Pinheiro Pacífico, Fabíola de Castro Rocha

Abstract


Introdução: A Doença Inflamatória Pélvica (DIP) é causada por uma variedade de infecções microbianas no trato genital superior. A progressão dessa depende de diversos fatores, dentre eles, a virulência da bactéria envolvida, podendo evoluir sob as formas de salpingite, ooforite, peritonite, pelviperitonite e sepse.

Objetivo: Realizar análise epidemiológica relativa ao acometimento por salpingite e ooforite nas adolescentes do Brasil (2010-2019).

Método: Estudo transversal, documental e quantitativo. Amostra de 7.533 adolescentes (10 a 19 anos) internadas por salpingite e ooforite no Brasil (2010 - 2019). Dados obtidos pelo Sistema de Declaração de Morbidade Hospitalar do SUS no DATASUS. Foram analisadas variáveis referentes a local de residência, número de internações e faixa etária.

Resultados: Amostra foi composta por 7.533 adolescentes do sexo feminino. A faixa etária mais acometida foi a de 15 a 19 anos com 6.268 casos (83,2%). A região Norte destacou-se com a maior incidência (7,3/100.000hab), seguida pela região Nordeste (4,6/100.000hab), enquanto a região Sudeste apresentou a menor incidência (2,2/100.000hab). Ressalta-se uma redução de 54,8% ao comparar as notificações de 2010 e 2019.

Conclusão: Acerca da faixa etária, a média de idade do início das atividades sexuais entre os adolescentes brasileiros é 14,9 anos e, dados mostram que nas mulheres jovens, entre 15 a 25 anos, quanto mais precoce o início da atividade sexual, maior é o risco de desenvolvimento de uma DIP. Outro fato observado é a ocorrência do evento entre as adolescentes de baixo nível socioeconômico, o que pode estar associado a relacionamentos com multiparceiros e prática sexual desprotegida, predispondo à ocorrência de infecções sexualmente transmissíveis, cujos principais patógenos causadores da DIP são a Neisseria gonorrhoeae e a Chlamydia trachomatis; este cenário pode justificar a maior ocorrência nas regiões Norte e Nordeste do país.


Keywords


Salpingite, Ooforite, Epidemiologia, Medicina Do Adolescente.

References


GREYDANUS, D.E.; et al. Pelvic inflammatory disease: management requires a patient, prudent, prejudice-free provider. International Journal of Adolescent Medicine and Health, vol. 32, n. 1, 2018, DOI: https://doi.org/10.1515/ijamh-2018-0216.

HALBE, Hans Wolfgang; CUNHA, Donaldo Cerci da. Doença inflamatória pélvica. Diagnóstico & tratamento, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 106-109, 2010.

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Infecções Sexualmente Transmissíveis. Relatório de Recomendação. Ministério da Saúde. 2015.

SANTOS, João Rocha; GONCALVES, Elisabete. Rastreio de Infeções Sexualmente Transmissíveis não víricas nos adolescentes: qual o estado da arte. Nascer e Crescer, Porto , v. 25, n. 3, p. 163-168, set. 2016 . Disponível em . acessos em 08 ago. 2020.

CAMPOS Ondina, et al. Doença Inflamatória Pélvica. Manual de Ginecologia, Permanyer Portugal, 2009I: 185-193.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-094

Refbacks

  • There are currently no refbacks.