Atuação da enfermagem no atendimento às emergências obstétricas: Eclâmpsia e Pré-eclâmpsia/ Nursing performance in serving obstetric emergencies: Eclampsy and Pre-eclampsy

Renata Soraya Soares de Sousa, Laís Alves da Silva, Edna Andrade dos Santos, Nayara Kelly Felix Ferreira, Erika Deyse de Lima, Stephanie Karoline Torres da Silva, Camila Caroline da Silva, Aline Estefany da Silva

Abstract


Introdução: A gravidez é um processo fisiológico, no qual produz inúmeras modificações locais e sistêmicas no corpo feminino, mesmo sendo um acontecimento natural na vida das mulheres, algumas destas gestações podem ser consideradas de risco. As síndromes hipertensivas ocupam o segundo lugar no ranking de causas de mortalidade  materna, perdendo apenas para hemorragias, as quais são responsáveis por estimados 22% de todos os óbitos maternos na América Latina. A pré-eclâmpsia é uma desordem que afeta cerca de 5-8% de todas as gestações. Alguns estudos defendem a hipótese de uma desregulação do sistema imunológico materno, resposta parcial da tolerância materna ao trofoblasto. A eclâmpsia diferencia-se pela presença de convulsões, podendo ser precedidas por cefaleia frontal e distúrbios visuais, a crise convulsiva pode desencadear-se durante a gestação no decurso do parto ou no puerpério. A assistência prestada baseada em evidência cientifica, e consiste em padrão ouro no cuidado em saúde. Bem como a investigação dos óbitos ocorridos, está em consonância com o processo de melhoria na qualidade da assistência prestada. Com isso, este artigo traz por objetivo à análise da atuação da equipe de enfermagem no atendimento às emergências obstétricas: eclampsia e pré-eclâmpsia. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão bibliográfica integrativa, que utilizou como fontes artigos científicos disponíveis nas bases de dados Scientific Eletronic, Library Online (Scielo), Bases de Dados da Literatura Latino Americana em Ciências da Saúde (Lilacs), Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) e Scopus entre os anos de 2010 a 2019, com texto completo disponível, além de manuais do Ministério da Saúde, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, e da Organização Mundial de Saúde. Resultados e Discussão: Vários são os danos causados pelas Doenças hipertensivas específica da gravidez (DHEG), dentre eles, lesões renais, hepáticas, cerebrais e alterações uteroplacentárias. Toda paciente diagnosticada com Pré-eclâmpsia (PE) deve ser hospitalizada, independente da gravidade do caso, mesmo as que aparentemente apresentem um quadro benigno podem subitamente evoluir para complicações graves que podem levar a óbito do binômio. Com os aparecimentos dos sintomas preditores, a droga de escolha para prevenção da eclampsia é o sulfato de magnésio, único fármaco com efeitos preventivos comprovados em relação às convulsões. Este reduz 57% o risco de ocorrência de quadros de eclampsia e diminui riscos de morte materna. O sulfato de magnésio deve ser utilizado por 24 horas pós-parto. Conclusão: No que concerne à temática, o papel da enfermagem frente a essa realidade deve ser desempenhado com autonomia e respaldo teórico, para que a prática assistencial possa identificar e suprir com eficiência as necessidades da gestante, bem como do concepto.


Keywords


Assistência Ambulatorial, Cuidados de enfermagem, Eclampsia, Pré- eclâmpsia.

References


- FERREIRA, M.B.G. et al. "Assistência de enfermagem a mulheres com pré-eclâmpsia e/ou eclâmpsia: revisão integrativa." Revista da Escola de Enfermagem da USP. V,50. N,2. p.

-334. Jan.2016. São Paulo. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n2/pt_0080-6234-reeusp-50-02-0324.pdf. Acesso em: 13 de julho de 2020.

- OLIVEIRA, G.S. et al. “Assistência de enfermeiros na síndrome hipertensiva gestacional em hospital de baixo risco obstétrico”. Revista Cuidarte. V,8. N,2. abr. 2017. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/cuid/v8n2/2216-0973-cuid-8-2-1561.pdf.

Acesso em: 13 de julho de 2020.

- Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). “Pré- eclâmpsia nos seus diversos aspectos”. São Paulo, 2017.

- SANTOS, N.; VEIGA.; ANDRADE, P. "Importância da anamnese e exame físico para o cuidado do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem.V.64, n2, Mar./Apr. 2011.

Brasília. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v64n2/a21v64n2.pdf. Acesso em: 13 de julho de 2020.

- SAY, L. et al. “Global causes of maternal death: a WHO Sistematic analysis”. Lancet Global Health. 2014;2 e323-33. Disponível em: 10.1016/S2214-109X(14)70227-X. Acesso em: 13 de julho de 2020.

- GAMA, A.S. et al. “Representações e experiências das mulheres sobre a assistência ao parto vaginal e cesárea em maternidades pública e privada”. Cad. Saúde Pública (online). 2009;25(11):2480-8. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 311X2009001100017&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 de julho de 2020.

- AKKERMANS, J. et al. “Prevendo complicações na pré-eclâmpsia: validação externa do modelo fullPIERS usando o conjunto de dados do estudo PETRA”. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2014; 179:58-62. Disponível em: doi:10.1016/j.ejogrb.2014.05.021. Acesso em: 15 de julho de 2020.

- Organização Mundial da Saúde. “World Health Organization (WHO). WHO recommendations for prevention and treatment of preeclampsia and eclampsia. Geneva: World Health Organization; 2011. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44703/9789241548335_eng.pdf?sequence=1

.Acesso em: 18 de julho de 2020.

- Organização Mundial de Saúde. “Health statistics and information systems: Maternal mortality ratio (per 100 000 live births)».World Health Organization. Disponível em: https://www.who.int/healthinfo/statistics/indmaternalmortality/en/. Acesso em 15 de julho de 2020.

- Organização Mundial da Saúde. “Recomendações da OMS para a prevenção e tratamento da pré-eclâmpsia e da eclampsia”. Disponível em: file:///C:/Users/ELTON/Downloads/Preven----o-e-tratamento-da-pr---ecl--mpsia-e-da-ecl-- mpsia.pdf. Acesso em: 16 de julho de 2020.

- MONTENEGRO, C.A.B.; FILHO, J.R.” Rezende Obstetrícia”. 13 edição. Rio de janeiro. Guanabara Koongan, 2017.

- GIARETTA, V. et al. “Perfil das ocorrências em um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência”. Revista Baiana de Enfermagem. [Internet]. 2012;26(2):478-87. Disponível em: http://www.portals eer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/6597. Acesso: 15 de julho de 2020.

- LIMA, D.P.; SOUZA, L.M.T.; CALDEIRA, A.P.” Health Care Networks: the perception of physicians working in emergency services”. Saúde Debate [Internet]. 2015;39(104):65-

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n104/0103-1104-sdeb-39-104- 00065.pdf. Acesso em: 17 de julho de 2020.

- MICHILIN, N.S. “Analysis of obstetric care provided by the Mobile Emergency Care Service”. Revista Brasileira de Enfermagem. [Internet]. 2016;69(4):625-30. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690408i. Acesso em: 17 de julho de 2020.

- MINISTÉRIO DA SAÚDE. “Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência”.BRASIL. 2009. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_classificaao_risco_servico_urgen cia.pdf. Acesso em: 18 de julho de 2020.

- MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gestação de Alto Risco Manual Técnico, 5ª edição, p. 70- 88, 2012




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.