Perfil epidemiológico da febre amarela da região Sul do Brasil, de 2007 a 2019 / Epidemiological profile of yellow fever of Southern Brazil, from 2007 to 2019

Debora Capraro Fantini, Viviane Alves, Maria Verônica D’Ávila Pastor, Alexandre Geraldo, Ednéia Casagranda Bueno

Abstract


A febre amarela é uma doença infecciosa causada pelo vírus do gênero Flavivirus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e que tem a vacina oferecida pelo Sistema Único de Saúde como principal meio para a prevenção da doença. Este trabalho teve como objetivo verificar a epidemiologia da febre amarela na região Sul do país de 2007 a 2019, a partir dos dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde, definindo a territorialização e as características referente à presença da doença. Os dados foram apresentados em gráficos, de acordo com a estatística descritiva. A caracterização mostrou 31 casos, predomínio de transmissão autóctone (74%), na área urbana (80%), em indivíduos da raça branca (99%) e do sexo masculino (71%), em idade produtiva de 29 a 59 anos (80,7%), com escolaridade superior à 4ª série do ensino fundamental (32,2%) e que tiveram o diagnóstico prioritariamente laboratorial (87%). As medidas adotadas pelo Ministério da Saúde, em conjunto com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, para o controle da febre amarela na região Sul após a expansão da área de circulação do vírus observada em 2018 permitiram o controle da disseminação da doença em 2019. No entanto, de janeiro a abril de 2020 já foram registrados novos 13 casos e com dois óbitos, todos no estado de Santa Catarina. Isto indica a necessidade de medidas de controle da febre amarela no estado, aliada ao controle da pandemia de coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2) que acontece neste momento.


Keywords


Aedes, Epidemiologia, Febre amarela, Prevenção de doenças.

References


ANVISA. Bulário vacina febre amarela (atenuada). Brasília, 2016. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=14091032016&pIdAnexo=3189203. Acesso em 01 jan. 2020.

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA. Febre Amarela. Porto Alegre, 2013.p.22-45. Disponível em: https://amb.org.br/noticias/febre-amarela-informativo-atualizado-13022017/. Acesso em 01 mar. 2020.

BRITO, L. B. M.; SANTOS, J. A.; GOMES, A. L. P.; FERREIRA, A. J. Febre Amarela, São Paulo, Revista Brasileira de Cirurgia e Pesquisa Clínica, v.2, p. 61-65, 2014. Disponível em: http://www.fiocruz.br/ioc/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1973&sid=32&tpl=printerview. Acesso em 01 abr. 2020.

CARVALHO, S. H.; SOARES JUNIOR, J. Febre amarela; Minas Gerais, 2012. 67 p. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4627.pdf

DIVE. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Boletim Epidemiológico Febre Amarela n° 12/2018 – 22 de junho de 2018. 2018a. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/boletim2018/BoletimFA12/Bolet_12FebreAmarela.pdf. Acesso em 01 jun. 2019.

DIVE. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Boletim Epidemiológico Febre Amarela. Secretaria de Estado de Saúde de Santa Catarina.Florianópilis, 2020. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/boletim2020/boletim01fa/boletim01fa.pdf. Acesso em 01 jun. 2019.

DIVE. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Febre Amarela. Florianópolis, 2020. Disponível em: http:// http://www.dive.sc.gov.br/febre-amarela/. Acesso em 02 mai. 2020.

DIVE. Febre amarela: Área com recomendação de vacina. Florianópolis, 2018. 2018b. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/publicacoes/dive_areas_com_recomendacoes_de_vacinas.pdf. Acesso em 01 jun. 2019.

GRILLO, M. Saúde vê alto risco de surto de febre amarela no Sul do país e antecipa vacinação. O GLOBO. São Paulo. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/saude-ve-alto-risco-de-surto-de-febre-amarela-no-sul-do-pais-antecipa-vacinacao-23843380. Acesso em 01 nov. 2019.

IBGE (Org.). Cidades: Itajaí. 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/itajai/panorama. Acesso em: 23 jul. 2019.

IBGE(Org.). PIB dos estados do Brasil. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php. Acesso em 12 mar. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Agência Saúde. Região Sul intensifica ações de vigilância e vacinação contra febre amarela, Brasília, 2019a. Disponível em: http://saude.gov.br/noticias/agencia-saude/45678-regiao-sul-intensifica-acoes-de-vigilancia-e-vacinacao-contra-febre-amarela. Acesso em 20 jan. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico Febre Amarela. Secretaria de Estado de Saúde do Paraná.Paraná, 2020a. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/BOLETIM_FA_13052020.pdf. Acesso em 01 mai. 20120.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim Epidemiológico Febre Amarela. Secretaria de Estado de Saúde do Rio Grande do Sul.Rio Grande do Sul, 2020b. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202005/14151819-informativo-epidemiologico-dengue-chik-zika-e-fa-se-19-2020.pdf. Acesso em 11 abr. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Monitoramento do Período Sazonal da Febre Amarela Brasil – 2018/2019. Brasília. n.3; p.6. 2019b. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/janeiro/28/informe-FA-n.3-21jan19.pdf. Acesso em 09 abr. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Orientação sobre a vacina da Febre Amarela. Brasilia, 2017a. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/18/Guia-febre-amarela-2018.pdf. Acesso em 11 fev. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 33, de 14 de julho de 2005: Lista Nacional de Agravos de Notificação Compulsória. 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/2005/prt0033_14_07_2005.html. Acesso em: 02 ago. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sala de Apoio à Gestão Estratégica - SAGE. 2018. Disponível em: https://sage.saude.gov.br/#. Acesso em: 01 dez. 2019.

MINISTERIO DA SAUDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Febre amarela. Brasília: Ministério da Saúde, 2018a. Disponível em: http://www.fcf.usp.br/arquivos/Boletins/BOLETIM%20INFORMATIVO%20-%20Febre%20Amarela%20-%20Final.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

MINISTERIO DA SAUDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde: Brasília, 2017b. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf. Acesso em 01 out. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Febre amarela: guia para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017c. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf. Acesso em 04 fev. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Febre amarela: guia para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2018b. Disponível em: https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201802/09152551-febre-amarela-guia-para-profissionais-de-saude-2018.pdf. Acesso em 01 fev. 2020.

MINISTÉRO DA SAÚDE. Agência Saúde. Sudeste e sul concentram 72% dos médicos com especialidades. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/23479-sudeste-e-sul-concentram-72-dos-medicos-com-especialidades. Acesso em 17 mar. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instrução normativa referente ao Calendário Nacional de Vacinação 2020. Brasília, 2020a. Disponível em:

https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/marco/04/Instru----o-Normativa-Calend--rio-Vacinal-2020.pdf. Acesso em 08 mai. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde de A a Z: Febre Amarela. 2020b. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-prevencao/920-saude-de-a-a-z/febre-amarela/10706-informacoes-tecnicas-febre-amarela. Acesso em 08 mai. 2020.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL; OMS passa a recomendar vacina contra febre amarela para viajantes internacionais na região Sul. Organização Mundial da Saúde. São Paulo, 2018. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-passa-a-recomendar-vacina-contra-febre-amarela-para-viajantes-internacionais-na-regiao-sul/. Acesso em 21 out. 2019.

PANORAMA FARMACÊUTICO, Saúde vê alto risco de surto de febre amarela no Sul do país e antecipa vacinação, São Paulo, 2019. Disponível em: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/07/31/saude-ve-alto-risco-de-surto-de-febre-amarela-no-sul-do-pais-e-antecipa-vacinacao/. Acesso em 15 mar. 2020.

PINHEIRO, A. L. S.; ANDRADE, K. T. S.; SILVA, D. O.; ZACHARIAS, F. C. M.; GOMIDE, M. F. S.; PINTO, I. C. Gestão da saúde: o uso dos sistemas de informação e o compartilhamento de conhecimento para a tomada de decisão. Texto Contexto Enferm, v. 25, n. 3, e3440015, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v25n3/pt_0104-0707-tce-25-03-3440015.pdf. Acesso em 18 dez. 2020.

POLIT, D. F; HUNGLER, B. P. Fundamentos da Pesquisa em Enfermagem. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

RIBAS, E. M. Manual de vigilância epidemiológica de febre amarela. Minas Gerais: Secretaria de Vigilância Sanitária, 2014. 69 p.

SECRETARIA DA SAÚDE, Febre Amarela, Paraná, 2019. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3305. Acesso em: 02 ago. 2019.

SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO A SAÚDE. Como funcionam as vacinas? Guia de Saúde. Recife, 2015. Disponível em: http://www.farmacia.pe.gov.br/noticia/como-funcionam-vacinas. Acesso em: 13 nov. 2019.

VASCONCELOS, P. F. C. Febre amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Rio de Janeiro, v. 2, n. 36, p. 275-293, abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822003000200012. Acesso em: 02 ago. 2019.

VIEIRA, Y. P.; PETRY, l.; SANTOS, L. E.; SODER, R. M.; MARCO, V. R.; QUEVEDO, P. S.; FONTANA, D. G. R.; SILVA, L. A. A. Descrição epidemiológica da febre amarela no brasil: alerta sobre a expansão da doença. Braz. J. Hea. Rev., v. 3, n. 5, p. 13383-13395, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/download/17267/14032. Acesso em 22 dez. 2020.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Coronavirus disease (COVID-19) pandemic. Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019. Acesso em 25 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-078

Refbacks

  • There are currently no refbacks.