Análise de indicadores relacionados à prescrição de nutrição parenteral em um hospital universitário de Belém – Pará / Analysis of indicators related to the presentation of parenteral nutrition in a university hospital in Belém – Pará

Joice de Oliveira Naves, Maryllia Suellem Almeida Cesario, Suzana Menezes de Araujo Veloso, Ana Luiza Sobrinho Moraes

Abstract


Introdução: Nutrição Parenteral (NP) é uma solução ou emulsão administrada por infusão intravenosa, composta de carboidratos, aminoácidos, lipídios, vitaminas, eletrólitos e minerais. A NP visa prevenir e tratar desnutrição, complicações do trato gastrointestinal, melhorar resposta imunológica e cicatricial, modular resposta orgânica ao tratamento, reduzir tempo de internação e diminuir mortalidade. Cerca de 30 a 50% dos pacientes hospitalizados sofrem de desnutrição e, com o tempo de internação mais prolongado (acima de 15 dias), podem chegar a 61%. A NP deve ser prescrita por um médico e o acompanhamento do tratamento deve ser realizado por médicos e nutricionistas. Neste contexto, o farmacêutico é responsável por adquirir, armazenar e distribuir a NP, garantindo a qualidade para a sua administração segura, executada pelo enfermeiro. Objetivos: Determinar o perfil de utilização de NP por pacientes internados, a partir da análise de indicadores, em um hospital universitário de referência em Belém-Pará. Métodos: Trata-se de um trabalho retrospectivo, transversal e analítico. Os dados foram selecionados de planilhas de dispensação de NP, no setor da farmácia hospitalar, referente a doze meses de consumo (julho/2016 a julho/2017). Os seguintes indicadores foram selecionados: sexo, faixa etária, motivo de indicação, local da internação e número de bolsas por paciente. Os cálculos e tabulações foram realizados no Programa Microsoft Excel-2010.  Resultados e Discussão: Foram contabilizados 120 pacientes que fizeram uso de NP e um total de 1146 bolsas dispensadas em doze meses. Houve maior prevalência de pacientes do sexo masculino (65%) quando comparado ao sexo feminino (35%). A maior frequência do uso de NP por homens pode justificar-se pela menor prática de autocuidado, o que pode evoluir, por exemplo, para a manifestação de doenças crônicas. O setor com maior número de solicitações de bolsas para NP foi o setor de Clínica Cirúrgica, com 54%, seguido do CTI, 29%, Clínica Médica, 10%, e Clínica Pediátrica, com 4%. A Clínica de Doenças Infecto-Parasitárias apresentou 4 dispensações e a Clínica de Pneumologia não apresentou dispensação no período do estudo. A faixa etária prevalente foi a de 60 anos ou mais (36%), seguida de 40 a 49 anos (14%) e de 30 a 39 anos (12%). No entanto, 27% das prescrições estavam sem a informação sobre a idade do paciente. A respeito da indicação de uso de NP, os dados obtidos corroboram com os principais motivos de indicações encontrados em outros estudos analisados: comorbidades do trato gastrintestinal (como neoplasias), pós operatório de cirurgias na região do trato digestivo e úlceras. Conclusão: A análise de indicadores relacionados à prescrição de NP permitiu detectar que o hospital do estudo ainda não dispõe de uma equipe de saúde, multiprofissional e interdisciplinar, exclusiva e atuante em NP. Contudo, a Instituição está incorporando as recomendações previstas no Protocolo de Segurança do Paciente.


Keywords


Nutrição parenteral, Indicadores, Segurança do Paciente.

References


Guimarães DRS, Ferreira GA, Romeu GA, Matos VC, Costa AK, Nobre ACL. Avaliação das prescrições de nutrição parenteral dos usuários de um hospital público de Fortaleza. Rev Bras Farm Hosp Serv Saúde. 2012; 3 (2):25-9.

McClave AS, Kozar R, Martindade RG, Heyland DK, Braga M, Carli F, et al. Summary points and consesus recommendations from the North American Surgical Nutrition Summit. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2013; 37(5 Suppl):99S-105S.

Carvalho APPF, Modesto ACF, Oliveira CP, Penhavel FAS, Vaz IMF, Vieira LL, et al. Protocolo de Terapia nutricional enteral e parenteral da Comissão de Suporte Nutricional. Goiânia (GO): Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde; Departamento de Atenção Especializada e Temática. Manual de terapia nutricional na atenção especializada hospitalar no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. 1. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Martins, ERC, Alves FS, Medeiros AS, Oliveira KL, Fassarella LG, Ferreira SA, Franco HS, Costa GM. Saúde do homem jovem na perspectiva da promoção a saúde e prevenção de agravos. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 2, p. 2301-2308 mar./apr. 2020.

Nunes AB, Matos ICS, Souza MWM, Silva LMS, Silva MVS. Os desafios na inserção do homem nos serviços de saúde da atenção primária. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 2, p. 3021-3032 mar/abr. 2020.

Saad PM. Envelhecimento populacional: demandas e possibilidades na área de saúde. Séries Demográficas, v. 3, p. 153-166, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Fundação Oswaldo Cruz; Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais. Protocolo de segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos. Brasília (DF): Agência Nacional de Vigilância em Saúde; 2013.

Amaral EB, Bühler FV, Gonçalves CBC, Souza AP. Avaliação das prescrições de nutrição parenteral de pacientes adultos internados em hospital terciário. Rev. Bras. Nutr. Clin. 2015; 30(2): 106-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n°272 de 8 de abril de 1998. Regulamento técnico e requisitos mínimos exigidos para terapia de nutrição parenteral. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 23 abr. 1998.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-77

Refbacks

  • There are currently no refbacks.