Riscos associados ao uso consecutivo de método contraceptivo de emergência e mapeamento do consumo em Foz do Iguaçu-PR/ Risks associated with the consecutive use of emergency contraception and mapping of consumption in Foz do Iguaçu-PR

Inaam Al Hafi, Camila Valéria da Silva Penteado, Monica Chen

Abstract


O uso indiscriminado do método contraceptivo de emergência, popularmente conhecido como pílula do dia seguinte tem sido frequentemente utilizado, uma vez que é obtido de forma facilitada pelas redes de saúde, sejam elas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou farmácias comerciais, pois trata-se de um contraceptivo de emergência, somente eficaz se usado dentro de um curto espaço de tempo após a relação sexual desprotegida, não existindo uma triagem detalhada para sua dispensação, ou seja, não há necessidade de consulta, tampouco receita médica para obtê-la, tendo em vista que quanto antes houver a sua ingestão, maiores são as possibilidades de sua eficácia. Sendo assim, diante do fácil acesso muitas mulheres têm adotado apenas esse método contraceptivo como forma de prevenção de gravidez ao invés de utilizá-lo somente em casos de falha da primeira alternativa de contracepção. Não levando em consideração a exposição às IST's, sobrecarga hormonal do organismo, uma vez que ainda não se tem estudos conclusivos da dose limite recomendada para seu consumo. Com respeito a este tema, foram realizados entrevistas e questionários online de forma anônima e através das respostas obtidas foram elaborados gráficos de comparação para analisar as informações levantadas sobre o perfil das mulheres que mais consomem essa medicação, como idade, escolaridade, estado civil, região em que mora, dentre outras, para realizar um mapeamento do consumo e perfil das mulheres que mais consomem o referido medicamento. A partir disso, conscientizar tanto às mulheres que consomem quanto aos seus parceiros o quão prejudicial à saúde da mulher, evitando ao máximo o consumo deste.


Keywords


Pílula do dia seguinte, contraceptivo, medicamento, prevenção, gravidez.

References


ARRAIS, P. S. D., COELHO, H. L. L., BATISTA, M. C. D. S., CARVALHO, M. L., RIGHI, R. E., ARNAU, J. M. Perfil da automedicação no Brasil. Ver. Saúde Pública 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O que devemos saber sobre medicamentos. Pg. 30. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 82pg.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo para utilização do Levonorgestrel. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Anticoncepção de emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Ed. Brasília. Editora do Ministério da Saúde, 44 pg. 2011.

BORGES, A. L. V., FUJIMORI, E., NICHIATA, L. Y. I. O uso de Anticoncepção de emergência entre jovens Universitárias. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Minas Gerais, 2008.

GAINER, E., KENFACK, B., MBOUDOU, E., DOH, A.S., BOUYER, J. Menstrual bleeding patterns following levonorgestrel emergency contraception. Contraception 2006; pg. 118-124.

HARDY, E., DUARTE, G. A., OSIS, M. J. D., ARCE, X. E., POSSAN, M. Anticoncepção de emergência no Brasil: facilitadores e barreiras. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2001.

MADUREIRA, L., MARQUES, I. R., JARDIM, D. P. Contracepção na adolescência: Conhecimento e uso. Cogitare Enfermagem. 2010. [Internet] Disponível em: . Acesso em: 18 Abril 2019.

MARTIN, A. La anticoncepción de emergencia em América Latina y el Caribe. Revista Panamericana de Salud Pública. Pan American Journal of Public Health. 2004.

NOGUEIRA, A. A., REIS, F. J. C., POLI NETO, O. B. Anticoncepcionais de emergência – por que não usar? Medicina, Ribeirão Preto, 2000. [Internet] Disponível em: . Acesso em: 06 Abril 2019.

PAIVA, S.P.; BRANDÃO, E. R. Contracepção de emergência no contexto das farmácias: revisão crítica da literatura. Physis. [Internet] Disponível em: acesso em: 06 Abril 2019.

PAZ, E. C. M., DITTERICH, R. G. O conhecimento das mulheres sobre os métodos contraceptivos no planejamento familiar. Revista Gestão & Saúde, Curitiba, v.1, n.1, p. 1-10, 2009.

WANNMACHER, L. Contracepção de emergência: evidências versus preconceitos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. OPAS/OMS/MS. 2005; pg. 1-6.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-050

Refbacks

  • There are currently no refbacks.