Os desafios da higienização das mãos de profissionais de saúde no pronto-socorro: revisão integrativa / The challenges of hand hygiene by healthcare professionals in the emergency room: integrative review

Mariana Sena Bastian, Cassiane Dezoti da Fonseca, Dulce Aparecida Barbosa

Abstract


Objetivo: Demonstrar evidências científicas sobre os fatores associados a higienização das mãos dos profissionais de saúde do pronto-socorro. Métodos: Revisão integrativa, realizada nas bases de dados BVS, PubMed e Scielo, por meio da estratégia PICO e classificação do nível de evidência do estudo, de artigos publicados entre os anos de 2015 a 2020, em português, inglês e espanhol. Resultados: Do total de 88 artigos, 9 preencheram os critérios de inclusão. Evidenciaram que a higienização das mãos, mesmo com intervenções, ainda permanece um desafio para adesão dos profissionais de saúde. Conclusão: Os estudos apontam para a necessidade de estar sempre utilizando estratégias para melhorar a adesão dos profissionais de saúde no serviço de emergência e ressaltando como a técnica correta de higienização das mãos é importante para prestar um cuidado de qualidade garantindo a segurança de todos.


Keywords


Higiene das Mãos, Emergência, Infecção Hospitalar, Serviço de Emergência, Profissionais da Saúde

References


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA. Documento de Referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília: Ministério da Saúde. 2014. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf>. Acesso em 25 out. 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Folha informativa 6: O primeiro desafio mundial para a segurança do paciente: uma assistência limpa é uma assistência mais segura: uso de luvas (técnico). 2009. Disponível em: . Acesso em 25 out. 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (2016-2020). Brasília, 04 de novembro de 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2020.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota Técnica GVIMS/GGTES n. 05/2017 – revisada. Orientações para a notificação nacional das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), Resistência Microbiana (RM) e monitoramento do consumo de antimicrobianos. 2017. Disponível em: < https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/alertas/item/nota-tecnica-gvims-ggtes-anvisa-n-05-2017>. Acesso em: 23 out. 2020.

ARNTZ, P. R. H. et al. Effectiveness of a multimodal hand hygiene improvement strategy in the emergency department. American Journal of Infection Control, v. 44, n. 11, p. 1203–1207, 01 2016.

AT, C. et al. Higienização das mãos como estratégia para redução da incidência de infecções hospitalares em um hospital público. Revista Paraense de Medicina, v. 21, n. 4, dez. 2007.

BARBOSA, D. et al. Enfermagem baseada em evidências. 1. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2014.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: Higienização das mãos. Brasília: Anvisa, 2009. 109 p. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2020.

BASTOS, E. C. B. et al. Epidemiological profile of infections in a unit of intensive emergency therapy. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 3, p. 1654-1660, mar./apr. 2019.

CARTER, E. J. et al. Environmental Factors and their Association with Emergency Department Hand Hygiene Compliance: an Observational Study. BMJ quality & safety, v. 25, n. 5, p. 372–378, maio 2016.

GRAVETO, J. M. G. DO N. et al. Higiene das mãos - adesão dos enfermeiros após processo formativo. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, n. 3, p. 1189–1193, maio 2018.

HAAC, B. et al. Hand Hygiene Compliance in the Setting of Trauma Resuscitation. Injury, v. 48, n. 1, p. 165–170, jan. 2017.

JEANES, A. et al. The development of hand hygiene compliance imperatives in an emergency department. American Journal of Infection Control, v. 46, n. 4, p. 441–447, 1 abr. 2018.

KELLER, J. et al. Do wearable alcohol-based handrub dispensers increase hand hygiene compliance? - a mixed-methods study. Antimicrobial Resistance and Infection Control, v. 7, p. 143, 2018.

KORB, J. P. et al. Knowledge of Hand Hygiene in the Perspective of Nursing Professionals from an Emergency Service / Conhecimento Sobre Higienização das Mãos na Perspectiva de Profissionais de Enfermagem em um Pronto Atendimento. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 11, n. 2, p. 517–523, 21 jan. 2019.

OLIVEIRA, A. C. DE et al. Adesão à higienização das mãos entre técnicos de enfermagem em um hospital universitário [Hand hygiene compliance among nursing technicians at a university hospital]. Revista Enfermagem UERJ, v. 24, n. 2, p. 9945, 30 abr. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Diretrizes da OMS sobre higienização das mãos na assistência à saúde (versão preliminar avançada): resumo. Geneva: WHO; 2005. 34 p. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2020.

PAULA, A. O. DE; OLIVEIRA, A. C. DE. A percepção dos profissionais de saúde em relação à higienização das mãos Healthcare workers perception regarding hand hygiene. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 9, n. 2, p. 321–326, 11 abr. 2017.

POMPEO, D. A.; ROSSI, L. A.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, v. 22, n. 4, p. 434–438, 2009.

SADULE-RIOS, N.; AGUILERA, G. Nurses’ perceptions of reasons for persistent low rates in hand hygiene compliance. Intensive & Critical Care Nursing, v. 42, p. 17–21, out. 2017.

SANTOS, C. M. DA C.; PIMENTA, C. A. DE M.; NOBRE, M. R. C. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 15, n. 3, p. 508–511, jun. 2007.

SILVA, E. E. DE C. M. et al. ERGONOMIC EVALUATION OF THE POSITION OF URGENCY IN A MIXED HEALTH IN NATAL/RIO GRANDE DO NORTE. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 5, n. 3, p. 227–234, 13 maio 2013.

SOARES, Filipe. Higienização das mãos na emergência: por que a adesão no pronto-socorro é tão difícil? Biblioteca Virtual de Enfermagem, 2018. Disponível em: < http://biblioteca.cofen.gov.br/higienizacao-maos-emergencia/>. Acesso em 25 out. 2020.

TRANNIN, K. P. P. et al. ADESÃO À HIGIENE DAS MÃOS: INTERVENÇÃO E AVALIAÇÃO. Cogitare Enfermagem, v. 21, n. 2, 24 jun. 2016.

VIKKE, H. S. et al. “Hand hygiene perception and self-reported hand hygiene compliance among emergency medical service providers: a Danish survey”. Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency Medicine, v. 27, n. 1, p. 10, 5 fev. 2019.

WILES, L. L.; ROBERTS, C.; SCHMIDT, K. Keep It Clean: A Visual Approach to Reinforce Hand Hygiene Compliance in the Emergency Department. Journal of Emergency Nursing, v. 41, n. 2, p. 119–124, 1 mar. 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (ED.). WHO guidelines on hand hygiene in health care: first global patient safety challenge: clean care is safer care. Geneva, Switzerland: World Health Organization, Patient Safety, 2009.

YANAGIZAWA-DROTT, L.; KURLAND, L.; SCHUUR, J. D. Infection prevention practices in Swedish emergency departments: results from a cross-sectional survey. European Journal of Emergency Medicine: Official Journal of the European Society for Emergency Medicine, v. 22, n. 5, p. 338–342, out. 2015.

ZOTTELE, C. et al. Adesão dos profissionais de saúde à higienização das mãos em pronto-socorro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 51, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-39

Refbacks

  • There are currently no refbacks.