Importância da oroscopia na avaliação fonoaudiológica: Relato de caso / Importance of oroscopy in speech therapy assessment: Case report

Allessandra Fraga Da Ré, Maria Cristina de Almeida Freitas Cardoso

Abstract


Introdução: Oroscopia é o exame da cavidade oral que deve ser feito desde o nascimento com atenção, para que, quando identificada alguma anormalidade, esta seja tratada precocemente. Objetivo: demonstrar a importância da oroscopia a partir da descrição do caso de um paciente com diagnóstico médico de displasia óculo-aurículo-vertebral e diagnóstico tardio de fissura submucosa. Métodos: Relato de caso, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (1.900.382), realizado em um ambulatório de Fonoaudiologia com ênfase em atendimento infantil. Resultados: Paciente do sexo masculino compareceu no ambulatório de Fonoaudiologia em 2017, aos dois anos e quatro meses de idade, com queixas de atraso na linguagem oral. Nas avaliações, apresentou respiração oronasal, tipo facial mesocefálico, assimetria facial, micrognatia unilateral e perfil facial convexo. O exame de oroscopia foi realizado com devida atenção em 2018, a partir de atividades lúdicas e vínculo com a terapeuta. Nesse exame, observou-se frênulo curto e anteriorizado, presença de sialoestase em assoalho bucal, membrana translúcida no meio do palato duro e úvula bífida. Além disso, direcionava o ar durante o sopro para a região nasal e tinha ressonância vocal hipernasal. Após essas avaliações, no ano de 2018, foi encaminhado para o Otorrinolaringologista que confirmou presença de fissura submucosa a partir da nasofibroscopia. Conclusão: Este relato permitiu vislumbrar a importância da oroscopia, não só para a Fonoaudiologia, mas em todas as áreas de atendimento pediátrico. Esse exame deve ser feito com atenção, principalmente em casos de pacientes com alterações craniofaciais.


Keywords


Síndrome de Goldenhar, Fonoaudiologia, Fonoterapia, Microtia Congênita, Fissura Palatina.

References


Moussale, S. Guia prático de otorrinolaringologia: anatomia, fisiologia e semiologia. EDIPUCRS. 1997; p.151-4.

Felício CM et al. Protocolo de Avaliação Miofuncional Orofacial com Escores Informatizado: usabilidade e validade. CoDAS, 2014;26(4): 322-7.

Brosco KC, Zorzetto NL, Costa AR. Perfil audiológico de indivíduos portadores da síndrome de Goldenhar. Rev. bras. otorrinolaringol. 2004;70(5):645-9.

Pegler JRM et al. Clinical description of 41 Brazilian patients with oculo-auriculo-vertebral dysplasia. AMB rev. Assoc. Med. Bras. 2016;62(3):202-6.

Rosa RFM, Silva AP, Goetze TB, Bier BA, Almeida ST, Paskulin GA, Zen PRG. Anormalidades auriculares em pacientes com espectro óculo-aurículo-vertebral (Síndrome de Goldenhar). Braz. j. otorhinolaryngol. 2011;77(4):455-60.

Scholtz AW et al. Goldenhar’s syndrome: congenital hearing deficit of conductive or sensorineural origin? Temporal bone histopathologic study. Otol Neurotol. 2001;22(4):501-5

Strömland K et al. Oculo-auriculo-vertebral spectrum: associated anomalies, functional deficits and possible development risk factors. Am J Med Genet. 2007;143(12):1317-25.

Silva RN, Nascimento EM, Santos G. Ocorrência de alterações da motricidade oral e fala em indivíduos portadores de fissuras labiopalatinas. Redalyc. 2004; 17(1):27-30

Cuestas G, Demarchi V, Corválan MPM, Razetti J, Boccio C. Tratamiento quirúrgico del frenillo lingual corto en niños. Arch. argent. pediatr. 2014;112(6):567-70.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.