Abordagem da doença inflamatória pélvica: uma revisão de literatura/ Pelvic inflammatory disease approach: a literature review

Isadora Oliveira Scheer, Juliana Alves Lira, Julia Nascimento Legatti, Gabrielle Augusta Bastos Chaves, Isabela Ceccato de Sousa, Carlos Correa da Silva, Flavio Rocha Gil, Natália de Fátima Gonçalves Amâncio

Abstract


Introdução: a Doença Inflamatória Pélvica (DIP) é uma infecção no trato genital feminino causada por microorganismos como Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae, principalmente. Metodologia: devido à grande incidência dessa doença em todo o mundo, foi feita uma revisão de literatura com estratégias de seleção de artigos em várias bases de dados. Resultados e discussão: a DIP pode ser causada por vários patógenos, com cada um tendo seu mecanismo de infecção diferente, sendo acometimentos primários ou secundários a respostas imunes. Dessa forma, ela se apresenta em formas aguda, infraclínica e crônica segundo seus patógenos, mas seguindo sintomas comuns. Essa doença gera complicações sérias decorrentes da salpingite, sendo associada, principalmente, a fatores de risco. É uma doença com o diagnóstico clínico, juntamente com exames físicos, podendo se estender a exames laboratoriais e de imagem para realização de diagnóstico diferencial com outras doenças.  Já o tratamento segue um padrão, segundo as Diretrizes de Tratamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis, podendo ser ambulatorial ou hospitalar no geral com antibióticos que abrangem tanto a mulher quanto o parceiro acometido, podendo evoluir para casos cirúrgicos. A prevenção de aparecimento é essencialmente por exames de esfregaços vaginais e, principalmente, por educação sexual. Conclusão: a doença tem como principais causas as IST’s, sendo a deficiência na educação sexual um ponto de maior agravo. Portanto, com a conscientização e correta prevenção, a diminuição da doença pode ser possível.


Keywords


Doença Inflamatória Pélvica, Infecções Sexualmente Transmissíveis, Endometrite, Chlamydia trachomatis.

References


ANYALECHI, G. E. et al. Self-reported infertility and associated pelvic inflammatory disease among women of reproductive age- National Health and Nutrition Examination Survey, United States, 2013–2016. Sex Transm Dis., v. 46, n. 7, jul. 2019.

BERNARDI, M.M et al. Doença Inflamatória Pélvica e Endometrite. Acta Méd. Porto Alegre, 37: [6], 2016.

BUTZ, A.M. et al. Care Seeking Behavior after Notification among Young Women With Recurrent Sexually Transmitted Infections (STIs) after Pelvic Inflammatory Disease (PID). Clin Pediatr (Phila), v. 55, n. 12, oct. 2017.

CUBA, Y de la C.S. Melhoria na prevenção das doenças inflamatórias pélvicas na ubs pé da serra no município luís correia. 2017. 24 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Atenção Básica) - Universidade Federal do Maranhão/UNASUS, São Luís, 2017.

CURRY, A., et al. Pelvic Inflammatory Disease: Diagnosis, Management, and Prevention. American Family Physician. Wichita, Kansas, v. 100, n. 6, sep. 2019.

DAVIES B, TURNER K.M.E, FRØLUND M, et al. Danish Chlamydia Study Group. Risk of reproductive complications following chlamydia testing: a population-based retrospective cohort study in Denmark. Lancet Infect Dis 2016; 16:1057–64.

DEN HEIJER, C. D. J. et al. Chlamydia trachomatis and the Risk of Pelvic Inflammatory Disease, Ectopic Pregnancy, and Female Infertility: A Retrospective Cohort Study Among Primary Care Patients. Clinical Infectious Diseases, v. 69, n. 9, pag. 1517– 25, aug. 2019.

FREITAS F et al. Rotinas em Ginecologia. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2011. 181-187.

HAGGERTY et al. Identificação de novos micróbios associados à doença inflamatória pélvica e infertilidade. Sex Transm Infect, [s. l.], v. 92, p. 441-446, 2016.

JENNINGS, L. K.; KRYWKO, D. M. Doença inflamatória pélvica (DIP). NCBI Bookshelf: StatPearls Publishing, [s. l.], 18 jun. 2020.

JICHLINSKI A, BADOLATO G, PASTOR W, GOYAL M.K. HIV and Syphilis Screening Among Adolescents Diagnosed With Pelvic Inflammatory Disease. Pediatrics. 2018 Aug;142(2):e20174061.

KHAN S., et al. A Community Based Study on Pelvic Inflammatory Disease in Postmenopausal Females: Microbiological Spectrum and SocioDemographic Correlates. Journal of Clinical and Diagnostic Research, Vol-11(3): LC05-LC10, mar. 2017.

KREISEL, K; TORRONE, E; BERNSTEIN, K; HONG, J; GORWITZ, R. Prevalência de doença inflamatória pélvica em mulheres sexualmente experientes de Idade reprodutiva. Centro de Controle e Prevenção de Doenças: Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade, Estados Unidos, v. 66, ed. 3, p. 80-83, 2017.

LLATA et al. Manejo da doença inflamatória pélvica em clínicas selecionadas de doenças sexualmente transmissíveis nos Estados Unidos: Rede de vigilância de doenças sexualmente transmissíveis: janeiro de 2010 a dezembro de 2011. Sex Transm Dis., [s. l.], v. 48, ed. 8, p. 429-433, 08 2015.

MING, L.; MCDERMOTT, R. Smoking, poor nutrition, and sexually transmitted infections associated with pelvic inflammatory disease in remote North Queensland Indigenous communities, 1998-2005. BMC Women's Health, v. 15, n. 31,apr. 2015.

PANDOLFI, P. E. Rotinas em Ginecologia. Porto Alegre: Artmed, 2017. 9788582714089. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788582714089/. Acesso em: 19 Sep 2020.

PARK, S.T. et al. Clinical characteristics of genital chlamydia infection in pelvic inflammatory disease. BMC Women's Health, v. 17, n. 5, jan. 2017.

POPA E, et al. Pelvic inflammatory disease. Medic.ro. 2019;132(6):40-45, 2019.

SABBATUCCI, M. et al. Estimated burden of Chlamydia trachomatis female infection and consequent severe pelvic inflammatory disease, Italy, 2005-2016. Ann Ist Super Sanità, v. 55, n 3, pág. 217-223, jun. 2019.

TAMARELLE, J. et al. Early screening for Chlamydia trachomatis in young women for primary prevention of pelvic inflammatory disease (i-Predict): study protocol for a randomised controlled trial. Trials, v. 18, n. 534, nov. 2017.

WITKIN, S.S. et al. Chlamydia trachomatis: the Persistent Pathogen. Clinical and Vaccine Immunology, v. 24, n. 10, october. 2017.

WORKOWSKI K.A, BOLAN G.A; Centers for Disease Control and Prevention. Sexually transmitted diseases treatment guidelines, 2015 [published correction appears in MMWR Recomm Rep. 2015;64(33):924]. MMWR Recomm Rep. 2015;64(RR-03):1-137.

ZHENG, X. et al. Discovery of Blood Transcriptional Endotypes in Women with Pelvic Inflammatory Disease. J Immunol, v. 200, n. 8, abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.