Lesões autoprovocadas entre adolescentes em um estado do nordeste do Brasil no período de 2013 a 2017 / Self-provoked injuries among adolescents in a state of northeast Brazil from 2013 to 2017

Laís Eduarda Silva de Arruda, Laís Eduarda Silva de Arruda, Luís Roberto da Silva, Jonathan Willams do Nascimento, Marcelo Victor de Arruda Freitas, Isadora Sabrina Ferreira dos Santos, José Thiago de Lima Silva, Thiago da Silva Freitas, Ricardo José Ferreira, Emília Carolle Azevedo de Oliveira

Abstract


As violências auto provocadas são um grave problema de saúde pública com repercussões diversas na sociedade, possui causas variadas que vão desde fatores biológicos a socioculturais, que têm aumentado nos últimos anos. São definidas como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao corpo, sem intenção consciente de suicídio, no entanto, podendo culminar neste desfecho negativo. Visto isso, esta produção tomou como objetivou analisar os casos de lesões auto provocadas no estado de Pernambuco no período de 2013 a 2017 e discutir sobre este problema de saúde pública. Para isto, utilizou-se exclusivamente dados secundários, obtidos através do Sistema Informação de Agravos de Notificação (SINAN), referentes a frequência de lesões auto provocadas por adolescentes em Pernambuco, entre os anos de 2013-2017, em seguida estes foram organizados em planilhas do Excel 2016® para elaboração da análise e criação de gráficos e tabelas. Dentre os principais resultados, obteve-se que o número de lesões auto provocadas por adolescentes têm aumentado nos últimos anos e foi evidenciado que o silêncio da sociedade em relação ao tema, têm colaborado para este aumento, pois isto não é discutido e a sociedade, em geral, falha ao não notar ou ignorar estes sinais de sofrimentos de adolescentes e camuflando assim, esta problemática crescente na saúde pública, a falta de informação e explanação sobre os riscos dos comportamentos autodestrutivos também contribui para este agravamento. Foi identificado também, que a maioria dos casos registrados foram em adolescentes do sexo feminino em todo o período estudado constatando o sofrimento deste público, que pode estar relacionado com as questões de gênero e a herança machista que ainda persiste na sociedade brasileira, da submissão da mulher em relação ao homem. Com relação a raça/cor, notou-se uma predominância em pessoas pardas, seguida das brancas, entretanto ressalta-se a alta proporção (14,07%) de fichas com esse quesito ignorado, o que pode resultar em equívocos de interpretação. Visto isso, é urgente a necessidade de fortalecer as ações e programas voltadas a prevenção deste problema através da criação e efetivação de políticas públicas. Também é preciso capacitar os profissionais de saúde e àqueles que trabalham com adolescentes para que estes possam identificar indícios destas práticas e seja possível evitar o agravamento destas. Além da extrema importância de se colocar este assunto em pauta na sociedade e quebrar o com estigmas e o tabu criados socialmente sobre as autolesões e suicídio.


Keywords


Violência, Comportamento do Adolescente, Saúde Pública.

References


AGUIAR, C. R.; CARVALHO, M. DE O. G. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2018: LESÕES AUTOPROVOCADAS E SUICÍDIOS. SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIODE JANEIRO, 2018.

Alves, M. A. G.; Cadete, M. M. M. Tentativa de suicídio infanto-juvenil: lesão da parte ou do todo?. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1):75-84, 2015.

AZEVEDO, E. Raça: conceito e preconceito. 2.ed. São Paulo: Ática, 1990.

BAHIA, Camila Alves et al. Lesão autoprovocada em todos os ciclos da vida: perfil das vítimas em serviços de urgência e emergência de capitais do Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2841-2850, Set. 2017.

BALLARD ED, CWIK M, STORR CL, GOLDSTEIN M, EATON WW, Wilcox HC. Recent medical service utilization and health conditions associated with a history of suicide attempts. General Hospital Psychiatry 2014; 36(4):437-441

BARBOSA, Fabiana de Oliveira; MACEDO, Paula Costa Mosca; SILVEIRA, Rosa Maria Carvalho da. Depressão e o suicídio. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 233-243, jun. 2011.

BOTEGA NJ. Prática no Hospital Geral: interconsulta e emergência. Porto Alegre: Artmed; 2002.

BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Volume 48, N° 30 – 2017.

CICOGNA, J. I. R.; HILLESHEIM, D.; HALLAL, A. L. DE L. C. Mortalidade por suicídio de adolescentes no Brasil: tendência temporal de crescimento entre 2000 e 2015. J. bras. psiquiatr. vol.68 no.1 Rio de Janeiro, 2019.

FREUD S. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos [1914-1916]. São Paulo: Schwarcz; 2010. (Coleção Obras Completas, v.12)

HESKETH, J. L.; CASTRO, A. G. de. Fatores correlacionados com a tentativa de suicídio. Rev. Saúde Pública, S. Paulo, v.12, p.138-146, 1978.

MACHIN, R.. NEM DOENTE, NEM VÍTIMA: O ATENDIMENTO ÀS “LESÕES AUTOPROVOCADAS” NAS EMERGÊNCIAS. Cien Saude Colet, Dez., 2007.

MELEIRO A, Teng CT, Wang YP. Suicídio: estudos fundamentais. São Paulo: Segmento Farma; 2004.

MONTEIRO, Rosane Aparecida et al. Hospitalizações relacionadas a lesões autoprovocadas intencionalmente - Brasil, 2002 a 2013. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 689-699, Mar. 2015 .

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Prevenção do suicídio: um imperativo global. Genebra: OMS; 2014.

Organização Mundial da Saúde. Prevenção do Suicido: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Genebra: 2000.

RIBEIRO, José Mendes; MOREIRA, Marcelo Rasga. Uma abordagem sobre o suicídio de adolescentes e jovens no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 9, p. 2821-2834, set. 2018.

SANTOS, Andreia Beatriz Silva dos; COELHO, Thereza Christina Bahia; ARAUJO, Edna Maria de. Identificação racial e a produção da informação em saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 17, n. 45, p. 341-356, Jun. 2013.

TEIXEIRA, Ana Maria Fortaleza; LUIS, Margarita Antonia Villar. Suicídio, lesões e envenenamento em adolescentes: um estudo epidemiológico. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 5, n. spe, p. 31-36, 1997.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.