Perfil epidemiológico dos pacientes em tratamento na Unidade de Saúde Dr. Ilion Fleury Júnior no município de Anápolis, entre fevereiro de 2011 a fevereiro de 2013/ Epidemiological profile of patients undergoing treatment at the Health Unit Dr. Fleury Ilion Junior in the city of Anápolis , from February 2011 to February 2013

Sinval Dorneles Filho, Maria Fernanda Barbosa, Sylvana Castro Sacchetim, Gustavo Vieira Costa, Gabriel Fonseca de Oliveira Costa, Aryell Assis dos Santos Faria

Abstract


A hanseníase, doença infectocontagiosa, de etiologia bacteriana, causada pelo Mycobacterium leprae, é uma moléstia responsável por variados graus de incapacidade mesmo portando largo espectro farmoterápico gratuito capaz de proporcionar cura. Com este estudo, buscou-se identificar faixa etária, raça/cor, escolaridade e forma clínica. Trata-se de um trabalho retrospectivo com estudo observacional, transversal e quantitativo, utilizando-se da avaliação de fichas de investigação do sistema de informações de agravos de notificação (SINAN) e de prontuários de pacientes atendidos e diagnosticados na Unidade de Saúde Dr. Ilion Fleury, no município de Anápolis, a realidade da doença no contexto em questão no período de fevereiro de 2011 a fevereiro de 2013. Foram registrados 111 diagnósticos de Hanseníase, sendo a faixa etária dos 25 a 34 anos (23,42%) a mais afetada, a raça com maior caso da doença foi à parda (51,35%), e na maioria os pacientes apresentavam apenas o ensino fundamental incompleto (43,24%). A forma clínica prevalente foi a dimorfa (29,73%). Tais achados são de grande relevância e preocupantes, uma vez que a faixa etária acometida é economicamente ativa e potencialmente, os principais disseminadores da doença. O fato de a maioria dos casos serem observados em pacientes com baixa escolaridade revela que a oferta de acesso ao ensino constitui uma forma de minimizar a quantidade de casos da doença.


Keywords


Hanseníase, Epidemiology, Profile Leprosum, Socieconomico.

References


AQUINO, D.M.C, et al. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v.36, n. 1, p. 57-64, jan./fev. 2003.

ARAUJO, Marcelo Grossi. Hanseníase no Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 36, n. 3, p. 373-382, June 2003

BARBOSA, Débora Regina Marques et al. PERFIL EPIDEMIOLOGICO DA HANSENÍASE EM CIDADE HIPERENDÊMICA DO MARANHÃO, 2005-2012.Revista Rede de Cuidados em Saúde, v. 8, n. 1, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Estratégia Global Aprimorada Para Redução Adicional Carga da Hanseníase: Ministério da Saúde, Brasília, 2010. 1.ed, p.31.

BRASIL. Ministério da Saúde. Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro: Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária DNDS/NUTES, 1989.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Secretaria de Vigilância à Saúde e Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN/SVS/MS). Coeficiente de Detecção de Casos Novos de Hanseníase por 10 mil habitantes. Regiões e Unidades Federadas. Brasil, 1990 a 2007. 2008.

BRASIL. Secretária de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico – Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil: análise de indicadores selecionados na última década e desafio para eliminação. v. 44, n, 11, 2013.

DINIZ, Lucia Martins et al . Estudo retrospectivo de recidiva da hanseníase no Estado do Espírito Santo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba , v. 42, n. 4, p. 420-424, Aug. 2009 .

DOULL, J. A.; RODRIGUEZ, J. N. & GUINDO, R., 1936. A field study of leprosy in Cebu. International Journal of Leprosy, 4:141-169.

EIDT, Letícia Maria. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade., São Paulo , v. 13, n. 2, Aug. 2004

GOMES, Cícero Cláudio Dias et al. PP005-Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil Clinical and epidemiological profile of patients diagnosed with leprosy in a reference center in the northeast of Brazil. An Bras Dermatol, v. 80, n. Supl 3, p. S283-8, 2005.

GOULART, I.M.B; PENNA, G.O; CUNHA, Gabriel. Imunopatologia da hanseníase: a complexidade dos mecanismos da resposta imune do hospedeiro ao Mycobacterium leprae. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Recife, 2002. p. 365-375. jul-ago.

HELENE, Lúcia Maria Frazão; SALUM, Maria Josefina Leuba. A reprodução social da hanseníase: um estudo do perfil de doentes com hanseníase no Município de São Paulo. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 18, n. 1, Feb. 2002 .

JÚNIOR, Atvaldo Fernandes Ribeiro; VIEIRA, Maria Aparecida; CALDEIRA, Antônio Prates. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. São Paulo, v. 10, n. 4, p. 272-7, 2012.

LANA, F.C.F, et al. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 60, n 6, Nov.dez. 2007.

LANA, Francisco Carlos Félix et al . Desenvolvimento de incapacidades físicas decorrentes da hanseníase no Vale do Jequitinhonha, MG. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 16, n. 6, p. 993-997, Dec. 2008.

LIE, H. P., 1933. Why is leprosy decreasing in Norway? International Journal of Leprosy, 1:205-216.

LONGO, Joaquim Dias da Mota; CUNHA, Rivaldo Venâncio da. Perfil clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase atendidos no hospital universitário em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1994 a julho de 2005. Hansenol. int., Bauru, v. 31, n. 1, 2006 .

LOPES, Antonio Carlos. Tratado de Clínica Médica. Roca. 2ª Ed. São Paulo: Roca, 2009, v. 2.

Loureiro VB, Alessi SS, Maragno L, Margarido LC. Campanha voluntária em comunidades carentes para diagnóstico precoce da moléstia de Hansen – integração docente, discente e assistencial. Rev Med (São Paulo). 2006 abr.-jun.;85(2):50-7.

MAGALHÃES MCC, ROJAS LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. v. 16, n. 2, 2007.

MIRANZI, Sybelle de Souza Castro; PEREIRA, Lívia Helena de Morais; NUNES, Altacílio Aparecido. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop, v. 43, n. 1, p. 62-7, 2010.

NASCIMENTO S. S.; OLIVEIRA D. F.; BARBOSA L. R.; ARAÚJO M. E. C. Perfil epidemiológico dos doentes de hanseníase no município de Anápolis. Anais do Seminário de Produção Científica da Faculdade Anhanguera, São Paulo, 2009.

PARRA, M. C., 1996. Caracterización socio-económica de los leprosos atendidos en la unidad de dermatología sanitaria de Maracaibo, Venezuela: Un estudio de casos. Cadernos de Saúde Pública, 12: 225-231.

PIMENTEL, Maria Inês Fernandes et al . O exame neurológico inicial na hanseníase multibacilar: correlação entre a presença de nervos afetados com incapacidades presentes no diagnóstico e com a ocorrência de neurites francas. An. Bras. Dermatol., Rio de Janeiro , v. 78, n. 5, p. 561-568, Oct. 2003 .

PINTO NETO, José Martins; VILLA, Tereza Cristina Scatena. Características epidemiológicas dos comunicantes de hanseníase que desenvolveram a doença, notificados no Centro de Saúde de Fernandópolis (1993 a 1997). Hansen Int, v. 24, n. 2, p. 129-36, 1999

RIBEIRO-JUNIOR, A. F. VIEIRA, M. A., CALDEIRA, A. P. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2012 jul-ago;10(4):272-7.

SILVA, S.F; GRIEP, R.H. Reação Hansênica em Pacientes Portadores de Hanseníase em Centros de Saúde da Área de Planejamento 3.2. do Município do Rio de Janeiro. Revista Hansenologia Internationalis, Bauru, 2008. p. 155-162.

SIMPSON, Clélia Albino; FONSÊCA, Leila de Cássia Tavares da; SANTOS, Vivianne Rafaelle Correia dos. Perfil do doente de hanseníase no estado da Paraíba. Hansenologia Internationalis (Online), v. 35, n. 2, p. 33-40, 2010.

SOBRINHO, R.A.S. et al. Avaliação do grau de incapacidade na hanseníase: Uma Estratégia para sensibilização e capacitação da equipe de Enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, 2007.

SOUZA, L.W.F. Reações hansênicas em pacientes em alta por cura pela poliquimioterapia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Recife, 2010. p. 737-739. nov-dez.

TEIXEIRA, Márcia Almeida Galvão; SILVEIRA, Vera Magalhães da; FRANCA, Emmanuel Rodrigues de. Características epidemiológicas e clínicas das reações hansênicas em indivíduos paucibacilares e multibacilares, atendidos em dois centros de referência para hanseníase, na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba , v. 43, n. 3, p. 287-292, Junho 2010.

TELLO, E. E., 1978. Condiciones socio-económicas y hanseniasis: Comparación durante 30 años entre la consulta privada y un dispensario especializado. Hansenologia Internationalis, 3:160-164.

VAN BEERS, S. M, De Wit MYL, Klaster PR. MiniReview: The epidemiology of Mycobacterium leprae : Recent insight. FEMS Microbiology Letters 136:221-230, 1996.

VERONESI, Ricardo; FOCACCIA, Roberto - Tratado De Infectologia: 4ª Ed. Atheneu, v. 2, 2010.

VISSCHEDIJK J, van de Broek J, Eggens H, Lever P, van Beers S, Klaster P. Mycobacterium leprae – millennium resistant! Leprosy control on the threshold of a new era. Tropical Medicine and International Health 5:388-399, 2000.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Leprosy-Global Situation. Weekly epidemiological Record [on line], Disponível na Internet: 77: 1-8, 2002. acessado em 22 de outubro de 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Leprosy-Global Situation. Weekly epidemiological Record [on line], Disponível na Internet: 33: 293-300, 2008., acessado em 22 de outubro de 2014.

WORTH, R. M., 1996. Leprosy in Hawai: The end of an epidemic. International Journal of Leprosy, 64: 441-447.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-008

Refbacks

  • There are currently no refbacks.