Perfil das reações Hansênicas e acometimento de nervo(s) periférico(s) nos pacientes admitidos e tratados na Unidade de Saúde Dr. Ilion Fleury no município de Anápolis, entre 2011 e 2013/¬ Profile of leprosy reactions and peripheral nerve involvement in patients admitted and treated at the Health Unit Dr. Ilion Fleury in the city of Anápolis, between 2011 and 2013

Sinval Dorneles Filho, Maria Fernanda Barbosa, Sylvana Castro Sacchetim, Gustavo Vieira Costa, Gabriel Fonseca de Oliveira Costa, Aryell Assis dos Santos Faria

Abstract


A hanseníase, doença infectocontagiosa, de etiologia bacteriana, causada pelo Mycobacterium leprae, é uma moléstia responsável por variados graus de incapacidade mesmo portando largo espectro farmoterápico gratuito capaz de proporcionar cura. Com este estudo, buscou-se identificar faixa etária, sexo, raça, escolaridade, classificação operacional, número de nervos afetados, forma clínica, grau de incapacidade inicial e reações hansênicas no momento do diagnóstico. Trata-se de um trabalho retrospectivo com estudo observacional, transversal e quantitativo, utilizando-se da avaliação de fichas de investigação do sistema de informações de agravos de notificação (SINAN) e de prontuários de pacientes atendidos e diagnosticados na Unidade de Saúde Dr. Ilion Fleury, no município de Anápolis, a realidade da doença no contexto em questão no período de fevereiro de 2011 a fevereiro de 2013. Foram registrados 111 diagnósticos de Hanseníase, sendo 58,56% do sexo masculino. A forma clínica prevalente foi a dimorfa (29,73%) e a classe operacional foi a multibacilar (62,16%), com maioria sem nenhum nervo periférico afetado (41,44%) e também com nenhum grau de incapacidade física no momento do diagnóstico (48,65%), e o desenvolvimento de reações hansênicas ocorreu predominantemente a do tipo I (45,95%). Tais achados são de grande relevância e preocupantes, pois o fato de a maioria dos casos serem multibacilares indica diagnósticos tardios, assim, faz-se necessário a melhora no serviço de hanseníase e também básico de saúde, possibilitando diagnósticos e tratamentos precoces.


Keywords


Hanseníase, Classificação Operacional, Reações Hansênicas, Grau de Incapacidade Física.

References


Lopes AC. Tratado de Clínica Médica. Roca. 2009; 2(2).

Eidt LM. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade. 2004, 13(2).

Brasil, Ministério da Saúde. Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro: Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária DNDS/NUTES, 1989.

Veronesi R, Focaccia R. Tratado De Infectologia. 2010; 4ª Ed. Atheneu, v. 2.

World Health Organization. Leprosy-Global Situation. WeeklyepidemiologicalRecord [online], Disponível na Internet: 2008; 33: 293-300., acessado em 22 de outubro de 2014.

World Health Organization. Leprosy-Global Situation.Weekly epidemiological Record [online], Disponível na Internet: 2002; 77: 1-8. acessado em 22 de outubro de 2014.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Estratégia Global Aprimorada Para Redução Adicional Carga da Hanseníase: Ministério da Saúde, Brasília, 2010. 1.ed: 31.

Araujo MG. Hanseníase no Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2003; 36(3): 373-382.

Teixeira MAG, Silveira VM, França ER. Características epidemiológicas e clínicas das reações hansênicas em indivíduos paucibacilares e multibacilares, atendidos em dois centros de referência para hanseníase, na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(3):287-292.

Souza LWF. Reações hansênicas em pacientes em alta por cura pela poliquimioterapia. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(6):737-739.

Silva SF, Griep RH. Reação Hansênica em Pacientes Portadores de Hanseníase em Centros de Saúde da Área de Planejamento 3.2. do Município do Rio de Janeiro. Rev Hansen Int. 2007; 32 (2): 155-162.

Goulart IMB, Penna GO, Cunha G. Imunopatologiada hanseníase: a complexidade dos mecanismos da resposta imune do hospedeiro ao Mycobacterium leprae. Rev Soc Bras Med Trop. 2002; 24(1): 365-375.

Magalhães MCC, Rojas LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2007; 16(2).

Brasil, Secretaria de Vigilância à Saúde e Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN/SVS/MS). Coeficiente de Detecção de Casos Novos de Hanseníase por 10 mil habitantes. Regiões e Unidades Federadas. Brasil, 1990 a 2007. 2008.

Van Beers SM, De Wit MYL, Klaster PR. MiniReview: The epidemiology of Mycobacterium leprae : Recent insight. Microbiology Letters, 1996; 136(1):221-230.

Brasil, Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

Helene LMF, Salum MJL. A reprodução social da hanseníase: um estudo do perfil de doentes com hanseníase no Município de São Paulo. Cad. Saúde Pública. 2002; 18(1).

Lie HP. Why is leprosy decreasing in Norway? Internat J of Leprosy. 1933, 1:205-216.

Doull JA, Rodriguez JN, Guindo R. A field study of leprosy in Cebu. In J of Leprosy. 1936; 4:141-169.

Worthc RM. Leprosy in Hawai: The end of an epidemic. In J Leprosy. 1996; 64: 441-447.

Tello EE. Condiciones socio-económicas y hanseniasis: Comparación durante 30 años entre la consulta privada y undispensario especializado. Hans Intern. 1978; 3:160-164.

Parra MC. Caracterizaciónvsocio-económica de los leprosos atendidos enlaunidad de dermatologíasanitaria de Maracaibo, Venezuela: Unestudio de casos. Cad de Saúde Pública. 1996; 12(1): 225-231.

Brasil, Secretária de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância epidemiológica. Brasília, DF, 2009, 6 ed.

Sobrinho RAS, Mathias TAF, Gomes EA, Lincoln PB. Avaliação do grau de incapacidade na hanseníase: Uma Estratégia para sensibilização e capacitação da equipe de Enfermagem. Rev Latino-Am de Enferm. 2007;15(6).

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: plano de ação 2011-2015. 2012; 1(1).

Aquino DMC, Caldas AJM, Silva AAM, Costa JML. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2003, 36:57-64.

Ribeiro Júnior AFR, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. 2012: 10(4); 272-277.

Longo JDM, Cunha RV. Perfil clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase atendidos no hospital universitário em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1994 a julho de 2005. Hansenol. int. 2006; 31 (1).

Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(1); 62-67.

Diniz LM. Estudo retrospectivo de recidiva da hanseníase no Estado do Espírito Santo. Rev. Soc Bras Med Trop. 2009; 42(4):420-424.

Pimentel MIF. O exame neurológico inicial na hanseníase multibacilar: correlação entre a presença de nervos afetados com incapacidades presentes no diagnóstico e com a ocorrência de neurites francas. An. Bras. Dermatol. 2003; 78(5):561-568.

Barbosa DRM. Perfil Epidemiologico Da Hanseníase Em Cidade Hiperendêmica Do Maranhão, 2005-2012. Revista Rede de Cuidados em Saúde. 2014; 8(1).

Lana FCF. Desenvolvimento de incapacidades físicas decorrentes da hanseníase no Vale do Jequitinhonha, MG. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2008; 16(6): 993-997.

Silva SF, Griep RH. Reação Hansênica em Pacientes Portadores de Hanseníase em Centros de Saúde da Área de Planejamento 3.2. do Município do Rio de Janeiro. Rev Hansen Int. 2007; 32 (2): 155-162.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-007

Refbacks

  • There are currently no refbacks.