Hepatites virais no contexto Amazônico: análise dos casos confirmados na região do baixo amazonas no ano de 2018 / Viral hepatitis in the Amazon context: analysis of confirmed cases in the low amazon region in the year 2018

Einar Afonso Fried dos Santos, João Rafael Reis Valente, Joel Ferreira de Jesus Neto, Max Rafael Almeida Rodrigues, Rodrigo Pantoja Moraes, Tellyson Araujo Furtado, Yan Tavares Bandeira Lopes, Joel Monteiro de Jesus

Abstract


Introdução: As hepatites virais são importante problema de saúde pública no Brasil. Elas possuem diferentes agentes etiológicos, mas com propensão de infectar o tecido hepático (BRASIL, 2008, p.07). Elas têm grande importância clínica e epidemiológica, tanto pelas complicações das formas agudas e crônicas, quanto pelo número expressivo de indivíduos atingidos. Sua transmissão ocorre por meio da ingestão de água e alimentos contaminados, mas principalmente através de sangue e secreções contaminados (BRASIL, 2005). Objetivo: Analisar a frequência das infecções pelos vírus das hepatites A, B, C, D e E, nos 15 municípios pertencentes à Região do Baixo Amazonas, no Estado do Pará. Métodos: Estudo transversal, retrospectivo, quantitativo, referente ao ano de 2018, cuja base de dados é disponibilizada pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), considerando sexo, faixa etária, classificação etiológica, fonte de infecção e município de notificação. Resultados: Santarém liderou no número de notificações desses casos (91,66%), seguida de Oriximiná (4,16%), Alenquer (1,66%), Mojuí dos Campos (0,84%), Óbidos (0,84%) e Prainha (0,84%). Os casos confirmados se distribuíram em: vírus B (66,6%), vírus C (17,8%), vírus B + C (10%) e vírus A (5,6%). Não foram registradas infecções por vírus D e E. Observou-se que a maioria, 42,5%, contraíram por via sexual. A faixa etária de maior risco foi entre os 40 e 59 anos de idade (45%). Conclusão: Os dados demonstrados evidenciaram a necessidade de aprimorar a vigilância de novos casos de hepatite viral na Região do Baixo Amazonas, bem como a de aperfeiçoar métodos diagnósticos e preventivos por meio de estratégias de captação das infecções, no intuito de promover o diagnóstico e tratamento precoces.

 

 


Keywords


Hepatite, Epidemiologia, Diagnóstico, Terapêutica.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. A, B, C, D, E de hepatites para comunicadores / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília, 2005. 24 p. – (Série F. Comunicação e Educação em Saúde)

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hepatites virais : o Brasil está atento / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 3. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2008. 60 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde)

KEW MC. Epidemiology of chronic hepatitis B virus infection, hepatocellular carcinoma, and hepatitis B virus-induced hepatocellular carcinoma. Pathol Biol (Paris). 2010;58(4):273-7

MACEDO TF, SILVA NS, SILVA VY, KASHIWABARA TG. Hepatites virais– uma revisão de literatura. Braz J Surg Clin Res [Internet]. 2014

FERREIRA VL, PONTAROLO R. Contextualização e avanços no tratamento da hepatite c: uma revisão da literatura. Visão Acadêmica [Internet], Curitiba. 2017[citado 2018 jan 21];18(1).

MARTINS T, NARCISO-SCHIAVON JL, SCHIAVON L DE L. Epidemiologia da infecção pelo vírus da hepatite C. Rev Assoc Med Bras. 2011; 57(1):107-12.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Hepatites Virais. Avaliação da Assistência às Hepatites Virais no Brasil [Internet]. Brasília: MS; 2002. [citado 2017 jun 21].

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Hepatites Virais 2018. Bol Epidemiol [Internet]. 2018 < acesso em 20 de fevereiro de 2020>;49(31).

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Portaria nº 2446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS).

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Prevention & Control of Viral Hepatitis Infection: Framework for Global Action. 2012. Vol 1.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-325

Refbacks

  • There are currently no refbacks.