Medicina personalizada no tratamento do câncer/Personalized medicine in cancer treatment

Túlio Weslley Dantas Teixeira, Maria Carolina Wanderley, Roberta Luciana do Nascimento Godone

Abstract


Os fatores genéticos apresentam um papel determinante na variabilidade da resposta aos fármacos, chegando a explicar 95% da variação em alguns casos. As reações adversas medicamentosas (Adverse Drug Reactions-ADRs) associadas as variações genéticas, estão presentes em diversas doenças, uma delas é o câncer. Essa variabilidade está relacionada com o que chamamos de farmacogenética, que é a identificação de diferenças genéticas entre os pacientes que possam influenciar na resposta aos fármacos, resultando em um tratamento seguro, eficaz e conferindo assim uma medicina personalizada. Desta forma, objetivou-se com este estudo realizar uma revisão da literatura sobre a atuação da medicina personalizada no tratamento do câncer e descrever asreações adversas medicamentosas pelo uso de fármacos utilizados nos protocolos de rotina. Realizou-se um levantamento bibliográfico nas bases de dados PubMed Central® (PMC) e Scientific Electronic Library Online (SciELO) a partir de 11 artigos publicados entre os anos de 2010 a 2020. As variações genéticas podem afetar a forma como um fármaco pode ser absorvido, ativado, metabolizado ou excretado, podendo resultar em diferentes respostas ao tratamento. A medicina personalizada indica benefício para os pacientes, pois poderá contribuir para o desenvolvimento de novas terapias, uma vez que o conhecimento da potencial variabilidade associada à metabolização ou à ação do fármaco, poderá gerar dados importantes na procura e desenvolvimento de novas drogas e a escolha do medicamento poderá ser feita de forma eficaz, diminuindo ou evitando possíveis toxicidades.  


Keywords


Farmacogenética, Toxicidade, Terapêutica e Oncologia.

References


BRITO, M. A farmacogenética e a medicina personalizada. Saúde & Tecnologia, p. 5-10, 2015.

FRICKE-GALINDO, I. et al. Farmacogenética de reacciones adversas a fármacos antiepilépticos. Neurología, v. 33, n. 3, p. 165-176, 2018.

HAMBURG, M. A.; COLLINS, F. S. O caminho para a medicina personalizada. New England Journal of Medicine, v. 363, n. 4, pág. 301-304, 2010.

KATSIOS, C.; ROUKOS, D. H. Individual genomes and personalized medicine: life diversity and complexity. Personalized Medicine, v. 7, n. 4, p. 347-350, 2010.

MAROÑAS-JIMÉNEZ, L.; ROMERO, P. L. O. Linfomas cutáneos de células T y fármacos anti-TNF?:¿ debemos preocuparnos?. Piel, v. 31, n. 2, p. 75-77, 2016.

PEREIRA, L. C.; BERNIK, V. Farmacogenética: um novo exame subsidiário de apoio em terapêutica. RBM rev. bras. med, p. 201-208, 2015.

PINHO, J. R. R.; SITNIK, R.; MANGUEIRA, C. L. P. Medicina personalizada e o laboratório clínico. Einstein (São Paulo), v. 12, n. 3, p. 366-373, 2014.

Sistema Nacional de Informações Tóxicos-Farmacológicas (SINITOX), Dados de Intoxicação, Dados nacionais, 2013.

SOARES, C. R.; ALMEIDA, A. M. D.; GOZZO, T. D. O. Evaluación de la red venosa por la enfermería en mujeres con cáncer ginecológico durante el tratamiento de quimioterapia. Escola Anna Nery, v. 16, n. 2, p. 240-246, 2012.

TAVARES, M. B. et al. Caracterização das reações adversas a quimioterápicos em um hospital filantrópico/Characterization of adverse reactions to chemotherapy in a philanthropic hospital. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 2, p. 2317-2326, 2020.

WHIRL?CARRILLO, M. et al. Pharmacogenomics knowledge for personalized medicine. Clinical Pharmacology & Therapeutics, v. 92, n. 4, p. 414-417, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-266

Refbacks

  • There are currently no refbacks.