Manejo da síndrome de realimentação/Management of the refeeding syndrome

Edcleide Oliveira dos Santos Olinto, Gina Araújo Martins Feitosa, Renan Gondim Araújo, Nara Nóbrega Crispim Carvalho, Ericka Vilar Bôtto Targino, Larissa Araújo Maia, Karla Doralyce Gomes dos Anjos

Abstract


A síndrome de realimentação (SR) possui alta prevalência, em especial em pacientes desnutridos, no entanto, esta condição é negligenciada na maioria dos casos, apesar da sua potencial fatalidade. Pode ser definida como um grupo de complicações relacionadas a uma mudança grave de líquidos e eletrólitos associada a anormalidades metabólicas, em pacientes em jejum prolongado ou desnutridos, que são realimentados com uma quantidade de nutrientes superior à sua capacidade metabólica, podendo ser desencadeada ao reiniciar ou aumentar substancialmente o fornecimento de energia por via oral, enteral ou parenteral nesses pacientes. A identificação precoce de pacientes em risco e o reconhecimento da SR são cruciais. As principais recomendações que trazem o tema foram publicadas em 2010, pelo National Institute for Health and Clinical Excelence (NICE) e recentemente, em 2020, a American Society of Parenteral and Enteral Nutrition (ASPEN) publicou um consenso, o qual incluiu adições aos critérios anteriores do NICE, como a adição de resultados de exames físicos, incluindo perda de gordura subcutânea e massa muscular. Para a prevenção da SR, é preconizada que a reintrodução da dieta seja feita de forma lenta e gradual, com a monitoração diária dos eletrólitos, além de prescrição de vitaminas, com destaque para a tiamina. A SR requer tratamento imediato com reposição de eletrólitos, diminuição da terapia nutricional e controle imediato de sintomas. Diante disso, faz-se necessário que a equipe multiprofissional tenha conhecimento amplo a respeito dessa síndrome, a fim de que medidas efetivas de prevenção e tratamento possam ser tomadas.


Keywords


Síndrome de realimentação, Terapia nutricional, Equipe multiprofissional.

References


AUBRY, E.; FRIEDLI, N.; SCHUETZ, P., et al. Refeeding syndrome in the frail elderly population: prevention, diagnosis and management. Clinical and Experimental Gastroenterology. v. 11, p. 255-264, 2018.

CAMPOS, A. C. L. Prescrição, Monitoração e Complicações da Nutrição Enteral no Paciente Cirúrgico. IN: Tratado de nutrição e metabolismo em cirurgia. 1 ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2013, p. 320-39.

DA SILVA, J.; SERES, D.; SABINO, K. ASPEN Consensus Recommendations for Refeeding Syndrome. Nutrition in Clinical Practice. v. 35, n. 2, p. 178–195, 2020.

FRIEDLI. N.; STANGA, Z.; SOBOTKA, L., et al. Revisiting the refeeding syndrome: Results of a systematic review. Nutrition. v. 35, p. 151-160, 2017.

GARIBALLA, S. Refeeding syndrome: a potentially fatal condition but remains underdiagnosed and undertreated. Nutrition. v. 24, n. 6, p. 604-6, 2008.

OLTHOF, L. E.; KOEKKOEKB, W. A. C. K.; VAN SETTEN, C., et al. Impact of caloric intake in critically ill patients with, and without, refeeding syndrome: A retrospective study. Clinical Nutrition. v 37, n. 5, p. 1609-1617, 2018.

SOUZA, I. A. O; RIBEIRO, P. C. Complicações relacionadas à nutrição parenteral. IN: RIBEIRO, P. C. Nutrição – Série medicina de urgência e terapia intensiva do Hospital Sírio Libanês. São Paulo: Atheneu, 2015, p. 23-32.

TSIOMPANOU, E.; LUCAS, C.; STROUD, M. Overfeeding and overhydration in elderly medical patients: lessons from the Liverpool Care Pathway. Clin Med (Lond). v.13, n. 3, p. 248–251, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-238

Refbacks

  • There are currently no refbacks.