Benefícios do round multidisciplinar na unidade de terapia intensiva / Benefits of the multidisciplinary round in the intensive therapy unit

Rubens Vitor Barbosa, Maria Áurea Catarina Passos Lopes, Gilielson Monteiro Pacheco, Janaina Irai da Silva Pinto Pinto, Yara Fernandes Barbosa Monteiro, Stephanie da Costa Pinto, Kelly Cristina Gadelha Monteiro, Jeridiano Garcia da Silva

Abstract


INTRODUÇÃO: O round multidisciplinar (RMD) consiste em uma ferramenta de integração dos profissionais na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).  Essa ferramenta é destinada à participação de todos os profissionais atuantes nas UTI, originando assim, um espaço de discussão dos casos individualizados dos pacientes e estabelecendo metas diárias a serem cumpridas por toda a equipe multiprofissional. OBJETIVO: Descrever os benefícios do RMD na UTI. MÈTODOS: Trata-se de uma revisão integrativa. A coleta de dados foi realizada nos meses janeiro a fevereiro do ano de 2019. A busca foi conduzida na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), nas quais foram consultadas as seguintes bases de dados: LILACS, PubMed e BDENF. RESULTADOS: Durante a busca bibliográfica nas bases de dados foram localizados e analisados seis artigos potencialmente relevantes e que corresponderam aos critérios de inclusão previamente estabelecidos. CONCLUSÃO: O RMD na UTI tem como principal benefício fortalecer a comunicação entre os profissionais, tornando o atendimento prestado seguro e qualificado. Desta forma as equipes vivem uma inter-relação entre diferentes profissionais envolvidos, os quais devem considerar o paciente como um todo, numa atitude humanizada e uma abordagem mais ampla e organizada do cuidado.


Keywords


Comunicação Interdisciplinar, Enfermagem, Unidade de Terapia Intensiva.

References


ARAKAKI, V. S. N. M. et al. Importance of physiotherapy/nursing multidisciplinary integration about update newborn position in the neonatal intensive care unit. Fisioter Mov, v 28, n.3, p.437-45, 2015.

ARAÚJO NETO, J. D. et al. Profissionais de saúde da unidade de terapia intensiva: percepção dos fatores restritivos da atuação multiprofissional. Rev Bras Promoç Saúde, v. 29, n.1, p.43-50, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Humaniza SUS: Política Nacional de Humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Secretaria Executiva, Brasília; 2004.

EVANGELISTA, V. C. et al. Equipe multiprofissional de terapia intensiva: humanização e fragmentação do processo de trabalho. Rev Bras Enferm, v.69, n.6, p-1099-107, 2016.

LAZZARI, D.D; SCHMIDT, N; JUNG, W. Educação Continuada em Unidade de Terapia Intensiva na Percepção de Enfermeiras. Rev Enferm UFSM, v.2, n.1, p.88-96, 2012.

MENDES, K.D.S; SILVEIRA, R.C.C.P; GALVÃO, C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, v.17, n.4, p.758-64, 2008. Disponível < http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf> Acesso em 05 Agosto 2018.

MINUZZI, A. P. et.al. Contribuições da equipe de saúde visando à promoção da segurança do paciente no cuidado intensivo. Escola Anna Nery. v. 20 n 1, p- 121-129, 2016.

MONTEIRO, J. K. et al. Comunicação e(m) saúde: relato de experiência com trabalhadores de saúde. Pesquisa e Práticas Psicossociais. V.13 n 2, p- 4 – 12, 2018

NATIONAL QUALITY FORUM (US). Safe practices for better healthcare - 2010 update: a consensus report. Washington, DC: NQF; 2010. Disponível < https://www.qualityforum.org/Publications/2010/04/Safe_Practices_for_Better_Healthcare_%E2%80%93_2010_Update.aspx > Acesso 15 Agosto 2018.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública, v. 35, n.1, p.103-9, 2001.

PONTES, E. P. et al. Comunicação não verbal na unidade de terapia intensiva pediátrica: percepção da equipe multidisciplinar. Rev Min Enferm, v.18, n.1, p.152-157, 2014.

SAMMER, C.E. et.al. What is patient safety culture? A review of the literature. J. Nurs. Scholarsh, v.42, n.2, p.156-65, 2010.

SILVA, C. F. et.al. Concepções da equipe multiprofissional sobre a implementação dos cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Ciência & Saúde Coletiva, v.18, n.9, p.2597-2604, 2013.

TERRA, S. M. Interdisciplinary Rounds The Key to Communication, Collaboration, and Agreement on Plan of Care. Professional Case Management, v.20, n.6, p.299-307, 2015.

UCHÔA, A. D.C. et al. Trabalho em equipe no contexto da reabilitação infantil. Revista de Saúde Coletiva, v.22, n.1, p.385-400, 2012. Disponível < http://www.scielo.br/pdf/physis/v22n1/v22n1a21.pdf> . Acesso em 07. Agosto 2018.

VENTURI, V. et al. O papel do enfermeiro no manejo da monitorização hemodinâmica em unidade de terapia intensiva. Revista Recien, v.6, n.17, p.19-23, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-203

Refbacks

  • There are currently no refbacks.