O Modelo BiPhon-OT e a formalização dos Transtornos dos Sons da Fala / Using the BiPhon-OT to Model the Speech Sound Disorders

Ana Carla Estellita Vogeley

Abstract


A proposta foi trazer para a fonologia clínica o modelo bidirecional de Boersma (2007; 2009), o BiPhon-OT, que integra as gramáticas de percepção e produção, a partir da interação de restrições de pista, estrutura e fidelidade, que conectam as três formas de representação: forma fonética, forma de superfície e forma subjacente. A ideia foi usar este modelo para formalizar dados de sistemas desviantes. Foram discutidos os transtornos fonológicos, analisados e processos fonológicos comuns já foram descritos pela literatura, na intenção de oferecer uma nova proposta de entendimento - um modelo bidirecional de discussão teoricamente orientada da fala da criança, o BiPhon-OT. Foram distribuídos dados de 49 crianças diagnosticadas com alguma alteração de fala, de 3 a 14 anos. A avaliação inclui: exame clínico da motricidade orofacial; Avaliação Fonológica, por provas nomeação e repetição a partir de teste padronizado (Yavas et al, 1999), interações espontâneas, teste de vocabulário expressivo e observação comportamental; Testes de percepção de fala; Testes de processamento linguístico cognitivo; Testes de consciência fonológica e de planejamento do motor da fala. Uma análise foi feita via BiPhon-OT. O modelo forneceu suporte teórico e metodológico para diagnóstico diferencial, incluindo Apraxia de fala infantil e outros transtornos da fala, bem como formalização para o diagnóstico diferencial entre os transtornos fonéticos e fonológicos. A partir da formalização, foi possível observar que as crianças podem falhar em testes articulatórios, em tarefas cognitivas-linguísticas, em produção, em percepção de fala, ou em ambos. As mudanças de fala situadas na interação entre os níveis fonético, fonológico e léxico tornam-se úteis esta discussão. O BiPhon-OT acede e formaliza falhas específicas nos transtornos de fala e / ou nos desvios. Foi possível identificar se uma falha no desvio está no reconhecimento e uso lexical das informações fonológicas, em perceber ou organizar os traços distintivos e os contrastes, ou, ainda, se está na nas ações motoras, tanto no que diz respeito à produção, como no que diz respeito à percepção, visto que são processos integrados. Essa formalização pode fornecer aos fonoaudiólogos um modelo que integra a compreensão e produção na avaliação, diagnóstico diferencial e terapia. Trouxe, ainda, a possibilidade de a compreensão, antes tida como um processo serial, ser entendida como um processo que funciona interativamente, ou em paralelo. Assim, acomoda melhor a ideia de que as informações no léxico podem conduzir no que o ouvinte percebe pré-lexicalmente.

 


Keywords


processamento de fala, produção, compreensão, transtornos dos sons da fala.

References


Boersma, P. (2007) Cue constraints and their interactions in phonological perception and production. Rutgers Optimality Archive 944.

Boersma, P. (2009) Cue constraints and their interactions in phonological perception and production. In: Boersma, P. & Hamann, S. (eds.). Phonology in Perception, Pages from 55 to 110. Berlin: Mouton De Gruyter.

Boersma, P. (2011) A programme for bidirectional phonology and phonetics and their acquisition and evolution. In: Anton Benz & Jason Mattausch (eds.), Bidirectional Optimality Theory, Pages from 33 to 72. Amsterdam: John Benjamins.

Boersma, P.; Hamann, S. (2009) Loanword adaptation as first-language phonological perception. In Andrea Calabrese & W. Leo Wetzels (eds.), Loanword Phonology, Pages from 11 to 58. Amsterdam: John Benjamins.

Bradford, A.; Dodd, B. (1994) The motor planning abilities of phonologically disordered children. European Journal of Disorders of Communication, 23.

Dodd, B. (2005) Differential Diagnosis and Treatment of Children with Speech Disorder. First published by Whurr Publishers Ltd. Whurr Publishers Ltd (a subsidiary of John Wiley & Sons, Ltd), 2005.

Dodd, B., Zhu, H., Crosbie, S., Holm, A., & Ozanne, A.(2006) Diagnostic evaluation of articulation and phonology. San Antonio, TX: Psychological Corporation.

Grunwell, P. (1997) Developmental phonological disability: order in disorder. In: Hodson B.; Edwards M.L. (Org.). Perspectives in applied phonology. Gaithersburg: Aspen Publishers, Pages from 53 to 77.

Jacques S.; Zelazo P.D. (2001) The Flexible Item Selection Task (FIST): a measure of executive function in preschoolers. Developmental Neuropsychology, 20(3).

Jacques S.; Zelazo P.D. (2005) On the possible roots of cognitive flexibility. In: Homer BD, Tamis-LeMonda CS, editors. The development of social cognition and communication. Lawrence Erlbaum Associates Publishers; Mahwah, NJ US.

Keske-Soares, M. (2001) Terapia fonoaudiológica fundamentada na hierarquia implicacional dos traços distintivos aplicada em crianças com transtornos fonológicos. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lamprecht, R.R. (2004) Aquisição fonológica do português: perfil de desenvolvimento e subsídios para terapia. PortoAlegre: Artmed.

Lazzarotto-Volcão, C. (2010) Grau de severidade de transtorno fonológico: uma abordagem qualitativa. Língua portuguesa: Ultrapassar fronteiras, juntar culturas.

Leonard, L. (1985) Unusual and subtle phonological behavior in the speech of phonologically disordered children. Journal of Speech and Hearing Disorders, 50, Pages from 4 to 13.

Marchesan I. Q. (2004) Alterações de fala de origem musculoesquelética. In: Tratado em fonoaudiologia. (Org): Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. São Paulo.

Matzenauer, C. L. B. (2015) O modelo BiPhon e a fonologização de traço e segmentos na aquisição da linguagem. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto - Vol. 10, Pages from 59 to 84.

Mota, H. P. (2012) Terapia fonoaudiológica para transtornos fonológicos. Revinter.

Pennington, B. F.; Bishop, D. V. M. (2009) Relations among speech, language, and reading disorders. Annual Review of Psychology, 60, Pages from 283 to 306.

Shriberg, L. D. (2010) Childhood speech sound disorders: From postbehaviorism to the postgenomic era. In R. Paul & P. Flipsen (Eds.), Speech sound disorders in children. San Diego, CA: Plural Publishing.

Stackhouse, J.; Wells, B. (1997) Children’s Speech and Literacy Difficulties. London: Whurr.

Stampe, D. A. (1973) Dissertation on natural phonology. Tese de Doutorado. Universidade de Chicago, EUA.

Steriade, D. (1999) P-map effects in assimilation to appear. In: Hume, E.; Johnson, K (eds.). The role of speech perception phenomena in phonology, Academic Press.

Stoel-Gammon, C.; Dunn, C. (1985) Normal and disordered phonology in children. Austin, TX: Pro-Ed.

Vogeley, A. C. E; Andrade, W. T. L. (2015) Tecnologias para experimentos com percepção de fala em bebês, in: Luciana Cidrim & Silvana Cunha Costa, (org). Tecnologias da informação e comunicação aplicadas ás ciências da linguagem. Editora CRV, Curitiba.

Yavas, M.; Matzenauer-Hernandorena, C.L.; Lamprecht, R.R. (1991) Avaliação fonológica da criança. Porto Alegre: Artes Médicas.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-205

Refbacks

  • There are currently no refbacks.