Uso da cromoterapia pelo enfermeiro no cuidado da criança em unidade de terapia intensiva/ Use Of Chromotherapy by the Nurse in Child Care in the Intensive Care Unit

Jessica de Moura Viana, Rosana Maria Feria Vador, Fabíola Vieira Cunha, Andreara de Almeida e Silva

Abstract


Introdução: Considera –se uma técnica deliberada para enfermeiros graduados, desde que, tenha uma especialização e certificação para a aplicação da mesma, tendo como respaldo pelo Conselho Regional de Enfermagem (Cofen); e tendo em Conferencia e Resoluções a pratica do Holismo, compreendendo pela Política Nacional de Praticas Integrativas e Complementares (PNPIC) uma amplitude de ampliação de acesso e cumprimento de suas atribuições de acordo com o Sistema Único de Saúde (SUS). Objetivo: Conhecer as práticas integrativas e complementares na atuação da enfermagem, avaliar o uso da cromoterapia pelo enfermeiro no cuidado à criança em unidade de terapia intensiva (UTI) e elaborar um plano de cuidados baseado nas recomendações da cromoterapia. Material e métodos: Revisão bibliográfica de caráter exploratório, descritivo e qualitativo, priorizando-se a escolha da maioria dos artigos em periódicos com menos de 10 anos, totalizando 16 artigos das bases de dados: LILACS, BVS MTCI e SciELO. Resultados: Os resultados mostraram que a cromoterapia é ainda desconhecida pelos enfermeiros e pouco utilizadas, necessitando ainda mais estudos que demonstrem seus benefícios na pratica em terapia intensiva pediátrica. Conclusão: As pesquisas demostram que o desconhecimento dos enfermeiros em relação à legislação e a falta de capacitação especifica são limita tação para a atuação profissional nessa área. Dessa forma, precisa ainda incluir na graduação disciplinas teórico- pratico de terapias alternativas e, quando egressos, os enfermeiros devem procurar pós- graduação na área.


Keywords


Cromoterapia, Terapia Alternativa, Enfermagem, Unidade de Terapia Intensiva.

References


Brasil. Lei nº 5.905/73, De 12 de Julho 1973. Dispõe sobre a criação dos Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem e dá outras providências. Portal [Cofen online], Jul. 1973.

Brasil. Lei n. 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília [online], Fev., 1998.

Brasil.Resolução, 2008. Resolução Cofen nº 326/2008. o uso de sua competência estabelecida, cumprindo deliberação do Plenário em sua Reunião Ordinária 362. Portal [Cofen online], Fev. 2008.

Brasil. Parecer Coren BA n º 012/2013. Aplicação da Cromoretapia e Aromoterapia por Enfermeiro. [Cofen online], Mar. 2013.

Brasil. Resolução nº 581/2018 alterada para Resolução n°625/2020. Estabelece o uso das atribuições que lhe são conferidas. Portal [Cofen online], Jul. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Praticas Integrativas e Complementares no SUS: Atitude de Ampliação de Acesso, 2006; 1; 1-92p.

Balzaro O,2014. Guimaraes BC. Cromoterapia, Vol. 1: Tratamento de Crianças e Gestantes [livro eletrônico] São Paulo. E- book. Acesso em 28 de abril de 2020. Disponível em http://www.books.google.com.br>books

Bello RS, 2019. Cromoterapia. Revista Associação Paulista de Naturologia, São Paulo [revista em Internet]. Acesso em 28 de abril de 2020; Disponível em: http://apanat.org.br/cromoterapia/

Bocannera BN, Bocannera SFB, Barbosa AM,2005. As cores no ambiente de terapia intensiva: Percepção de pacientes e profissionais. São Paulo. Relato de Pesquisa. 2005; 40; 343-349 p. (3).

Bocannera BN,2007. A Utilização das Cores no Ambiente de Internação Hospitalar. Goiânia – Goiás. Trabalho de Conclusão de Curso; (1) 1-96p.

Cavichia AHD. 2019. A Dupla Coração do Brasil: A Modernização Tradicional nas Performances de Tonico e Tinoco, REUNE. Revista Cientifica do Centro Universitário de Jales (Unijales) [revista em Internet]. Acesso em 5 de maio de 2020; Disponível em http://reuni.unijales.edu.br/edicoes/14/edicao-completa.pdf

Cazaquistão. Conferência (1978). Conferência Internacional Sobre Cuidados Primário de Saúde, 1978. São Paulo: Desenvolvimento e Saúde: A Declaração de Alma- Ata e Movimento Posteriores, Rev. Latino Americano de Enfermagem, maio- jun. 2004.

Gaspar DE. 2002. Cromoterapia, 2ed.: Cores para a Vida e para a Saúde [Livro eletrônico] Rio de Janeiro.PDF, 2;1-242p. (1)

Koerich MS, Machado RR, Costa E, 2005. Ética e bioética: Para dar início a? reflexão. Texto Contexto Enferm. Santa Catarina: 14(1), Jan/Mar., 107-110p.

Santana JA, Santana KSSC, Deodato LFF, 2017. Práticas Alternativas e Complementares: Tratamento da dor na anemia falciforme. Revista Cientifica da FASETE. 1, 148-159 p. (3).

Santos EDB, FILHO CJF, 2012. Panorama Geral das Pesquisa Cientificas sobre Cromoterapia: Uma revisão integrada. Santa Catarina: Universidade do Sul de Santa Catarina. Trabalho de Conclusão de Curso. 1; 85-97 p. (2).

Cruz PLB, Sampaio SF. 2019. As Práticas Terapêuticas Não Convencionais nos Serviços de Saúde: Revisão Integrada. São Paulo, 3; 483-494p. (2).

Schulka S, Souza AW, 2013 Cromoterapia Aplicada na Harmonização do Emocional Intensificando os Tratamentos Estéticos. 1-13 p. (2).

Silva CR, Monteiro CF, 2006. Cromoterapia: Um Importante Recurso Terapêutico para Terapia Ocupacional. X Encontro Latino Americano de Iniciação Cientifica e VI Encontro Latino Americano de Pós Graduação- Universidade do Vale Paraíba. 2006,1;1-3p. Acesso Disponível em: https://www.inicepg.univap.br.br/Inic_2006

Mendes SD, 2019. Benefícios da Pratica Integrativas e Complementares no cuidado de enfermagem. Journal Health NPEPS. 1; 17; 302-318p. (7).

Nogueira FM, 2016. Aspectos éticos da inovação em saúde em Portugal. Rev. Bioét. [Impr]. Brasília: 24(1), Jan/Abr., 84-89p.

Nunes R, 1995 Cromoterapia a Cura Através da Cor: Cromoterapia Aplicada, Cromoterapia Técnica, Curso Dinâmica da Cromoterapia, Conceitos Fundamentais da Cromoterapia, Brasília. I, 1- 378p. (1).

Rieira R, Pacheco RL, Hosni ND, 2019. O que as revisões sistemáticas cocharne dizem sobre o uso das 10 novas práticas de medicina integrativa incorporadas no Sistema Único de Saúde. Diagn Tratamento. 24(1):25-36.

Neves S, 2014. Referência das Cores para Cromoterapia. 1. ed. Pindamonhangaba- SP: ISBN .

Pennafort VPS, 2012. Praticas Integrativas e Empoderamento da Enfermagem. remE – Rev. Min. Enferm.;16(2): 289-295, abr./jun.

Possebon E. As Teorias das Cores de Goethe. Acesso em 20 de Outubro de 2020. Disponível em: http://www.sab.org.br/portal/images/Artigos/artes/teoria-das-cores-de-goethe/teoriadascores-enniopossebon.pdf

Trovo MM, Silva MJP, Leão ER. Terapias Alternativas/Complementares no Ensino Público e Privado: Analise do Conhecimento dos Acadêmicos de Enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem 2003 julho-agosto; 11(4):483-9. Disponível em: www.eerp.usp.br/rlaenf

Coren, PR. Parecer Técnico Coren/PR Nº 001/20219. Acesso em 20 de Outubro de 2020. Disponível em: https://www.corenpr.gov.br/portal/images/pareceres/PARTEC_19-001_UsoAplicacao_Praticas_lntegrativas_Complementares.pdf

Flutere RG, 2019. Cromoterapia: Significado das Cores e Como Aplicar. [revista em internet] Sementes da Cura. Acesso em 20 de Outubro de 2020. Disponível em: https://sementesdacura.com.br/cromoterapia/

Pennafort VPS, Freitas CHA, Jorge MSB. Praticas Integrativas e o Empoderamento da Enfermagem. [revista em internet] REME; [Acesso em 20 de Outubro de 2020] Vol. 16.2. Disponível em : http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/531

Azevedo C, Moura CC, Corrêa HP, 2019. Praticas Integrativas e Complementares no âmbito da Enfermagem: Aspectos Legais e panorama acadêmico assistencial. Escola Anna Nery ; 23(2) .

Sapienza SA, Liebano RE, 2012 Efeito do Diodo Emissor de Luz (LED) em Pontos de Acupuntura Sobre a Função de Pressão Palmar. Rev bras med fam comunidade. Florianópolis, 2012 Jun; 7 Supl1: 41

Monviovi VG, Anjos RCCBL, Soares SBH, 2014. Reflexões Conceituais sobre Humanização de Saúde: Concepção de Enfermeiro de Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm; mar-abr; 67(2): 306-11.

Toneti BF, Barbosa RFM, Mano LY, Sawada LO, Oliveira IG, Sawada NO, 2020. Beneficios do Qigong como pratica integrativas e complementar para saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem

;28:e3317.

Aguiar ASC, Mariano MR, Almeida LSA, 2011. Percepção do enfermeiro sobre a promoção de saúde na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP 46(2):428-35

Mendes DS, Moraes SF, Lima GO, Silva PR, 2019. Beneficios das Praticas Integrativas e Complementares no cuidado da Enfermagem. Journal Health NPEPS. jan-jun; 4(1):302-318.

Oliveira BTK, Santos NG, Silva WHL – 2019. A inserção das terapias alternativas no Sistema Unico de Saude com metodo de prevenção. REUNI, Edição X, 149-159.

Melo SCC, Santana RG, Santos DC, Alvim NAT, 2013. Praticas complementares de saúde e os desafios de sua aplicabilidade no hospital: Visão de enfermeiros. Rev Bras Enferm. nov-dez; 66(6): 840-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Praticas Integrativas e Complementares no SUS: Atitude de Ampliação de Acesso, 2012; 2; 1-98p.

Luiz FF, Caregnato RCA, Costa MR ,2017. Humanização na Terapia Intensiva : Percepção do familiar e do profissional da saúde. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1095-103.

Gomes NS, Teixeira JBA, Barichello E, 2010. Cuidados aos Recém nascidos em fototerapia: O conhecimento da equipe de Enfermagem. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 12(2):342-7




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-190

Refbacks

  • There are currently no refbacks.