História de vida de dependentes químicos: um olhar subjetivo do sujeito/Chemical dependents life story: a look subjective of the subject

Antônio Wericon Nascimento de Oliveira, Anderson Figueiredo Pires, Eline Araújo de Oliveira, Elyn dos Santos Pessoa, Francisco Cosme da Silva e Silva, Keila Laserda Alves, Raul dos Santos Reis, Regiane Carneiro Bezerra

Abstract


Trata-se de um estudo com abordagem exploratória qualitativa cujo objetivo foi compreender a relação da experiência subjetiva de indivíduos dependentes químicos participantes do grupo de Narcóticos Anônimos com a superação do uso de drogas. O referido estudo atendeu as recomendações da Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde por envolver seres humanos. Fizeram parte desta pesquisa 05 integrantes do Grupo de NA do bairro de Petrópolis, Manaus (AM), no qual responderam um roteiro de entrevista semiestruturado, sendo gravado e transcrito. A coleta de dados ocorreu durante o mês de julho a outubro de 2015, após inserção do entrevistador nas reuniões do NA no inicio do ano de 2015. As entrevistas foram transcritas e analisadas à luz do referencial teórico que embasou essa pesquisa. Os resultados demonstraram que no NA todos são considerados adictos em recuperação. No grupo, os membros reúnem-se regularmente para ajudar uns aos outros a manterem-se limpos; a maioria dos adictos experimentam sentimentos muito semelhantes. Durante as falas, muitos relataram readquirir sua liberdade.  Para alguns, a vida, depois do NA, é um processo que avança e se modifica com sentido, com olhar para frente, numa expectativa razoável de melhoria de vida, de relações, de superação e empoderamento.  Conclui-se que a metodologia aplicada nas reuniões do NA funciona efetivamente, auxiliando o adicto, que possui boa vontade em participar, no seu crescimento pessoal, com liberdade e em cooperação com os outros. Todos acreditam que não podem viver sozinhos; que o crescimento pessoal requer crescimento interpessoal. Dentro dessa metodologia o adicto encontra maior equilíbrio, examinando seus valores pessoais, familiares, sociais, materiais e espirituais.


Keywords


Usuários de Drogas, Alcoólicos Anônimos, Grupos de Autoajuda.

References


ALVAREZ, S.Q. et al. Grupo de apoio/suporte como estratégia de cuidado: importância para familiares de usuários de drogas. Revista Gaúcha Enferm., v. 33, n.2, 2013

American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4th ed. Text Revision (DSM-IV-TR). Washington, DC: American Psychiatric Association; 2000.

ANDRETTA, L.; OLIVEIRA, M.S. A entrevista motivacional em adolescentes usuários de droga que cometeram ato infracional. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 24, n. 2, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, V.A.; SILVA, L. R. A pesquisa em História de Vida. In: GOULART, Íris Barbosa (Org.). Psicologia Organizacional e do Trabalho; teoria, pesquisa e temas correlatos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 134-158.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 10. ed. São Paulo: SP, 1979, 484p.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução n.º 466, de 12 de dezembro de 2012, que aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2012.

CAMPOS, E.A. Alcoolismo: doença e significado em Alcoólicos Anônimos. Etnográfica, Lisboa: Maio, 2009. v.13, n.1.

CAMPOS, E.A. Contágio, doença e evitação em uma associação de ex-bebedores: o caso dos Alcoólicos Anônimos. Revista de Antropologia,. v.48, n.1, 2005

CAMPOS, E.P. Grupos de suporte. In: Filho J.M, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artmed; 2000. p.113-26.

CARDOSO, M.M.R. Só por hoje: um estudo sobre Narcóticos Anônimos, estigma social e sociedade contemporânea. 2006. Dissertação do Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal Fluminense, Centro de Estudos Gerais. Niterói, 2006.

CASSOL, P.B. et al. Tratamento em um grupo operativo em saúde: percepção dos usuários de álcool e outras drogas. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.33, n.1, p.132-138, 2012.

FARIAS, F.L.R.; FUREGATO, A.R.F. O dito e o não dito pelos usuários de drogas, obtidos mediante as vivências e da técnica projetiva. Revista Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v.13, n.5, p.700-707, 2005.

FILZOLA, C.L.A. et al. Alcoolismo e família: a vivência de mulheres participantes do grupo de autoajuda Al-Anon. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro , v. 58, n. 3, 2009.

GABATZ, M.J. et al. Percepção dos usuários de crack em relação ao uso e tratamento. Revista Gaúcha Enferm., v.34, n.1, p.140-146, 2013,

GOHN, M.G. Empoderamento e participação da comunidade em politicas sociais. Saúde e sociedade., São Paulo, v.12, n.2, p.20-31, 2004.

JAHN, A.C. et al. Grupo de ajuda como suporte aos alcoolistas. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro: Dezembro, 2007. v.11, n.4. Disponível em: Acesso em 23 nov. 2014.

JOMAR, T.R.; ABREU, M.M.A. Produção científica sobre consumo de bebidas alcoólicas em periódicos brasileiros de enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v.19, n.3, p.491-496, 2011.

JORGE, M.S.B. et al. Ritual de consumo do crack: aspectos socioantropológicos e repercussões para a saúde dos usuários. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.18, n.10, p.2909-2918, 2013.

LIMA, P.H.; BRAGA, B.A.V.; MARINHO, M.A. Rede de apoio social ao alcoolista: mapeamento baseado nas ações intersetoriais de alcoólicos anônimos. Revista Rene, Fortaleza, v.12, n.1, p.33-40, 2012.

LOECK, J.F. Adicção e ajuda mútua: estudo antropológico de grupos de narcóticos anônimos na cidade de Porto Alegre (RS). 2009. Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

MINAYO, M.C.S. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11 ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MOURA, F.G.; SANTOS, J.E. O cuidado aos usuários de um centro de atenção psicossocial álcool e drogas: uma visão do sujeito coletivo. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 7, n. 3, Dezembro 2011.

NARCÓTICOS ANÔNIMOS. Guia Introdutório para Narcóticos Anônimos. World Services, 1996.

OLIVEIRA, M.S. et al. A percepção de adolescentes usuários e não usuários de maconha sobre problemas de comportamento. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 8, n. 3, dezembro 2012.

OMS, Organização Mundial da Saúde. Classificação Internacional de Doenças. 9 ed. São Paulo: OMS/OPS, 2010.

SANCHEZ, Z.M.; NAPPO, S.A. A religiosidade, a espiritualidade e o consumo de drogas. Revista psiquiatria clínica, São Paulo, v.34, n.1, p.73-81, 2007.

SIQUEIRA, M.M.; GARCIA, M.L.T.; SOUZA, R.S. O impacto das faltas às consultas em um programa de dependentes de álcool. J. Brasil Psiquiatria, v.54, n.2, p.114-119.Junho, 2005.

SOUSA, P.F.et al. Dependentes químicos em tratamento: um estudo sobre a motivação para mudança. Temas psicologia, Ribeirão Preto, v.21, n.1, Junho 2013.

SZUPSZYNSKI, K.P.R.; OLIVEIRA, M.S. O modelo transteórico no tratamento da dependência química. Psicologia teórica e prática, São Paulo, v.10, n.1, 2008.

TONICO, L.S. Alcoolismo: como entender e ajudar. 3ª edição. São Paulo: Paulinas, 2001.

UNDOC.UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. World Drug Report 2014. New York: United Nations publication, 2014.

VALENÇA, C.N. et al. Abordagem da dependência de substâncias psicoativas na adolescência: Reflexão ética para a enfermagem. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, 2013, vol.17, n.3, pp.562-567.

VIEIRA, J.K.S. et al. Concepção sobre drogas: relatos dos usuários do CAPS-ad, de Campina Grande, PB. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v.6, n.2, 2010




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-138

Refbacks

  • There are currently no refbacks.