Manuseio do cateter central de inserção periférica (PICC) pelo enfermeiro em pediatria / Handling the central peripheral insertion catheter (PICC) by nurses in pediatrics

Jéssica da Silva Freitas, Rosana Maria Faria Vador, Fabíola Vieira Cunha, Andreara de Almeida e Silva

Abstract


Introdução: O cateter central de inserção periférica (PICC) é habitualmente utilizado com a finalidade de propiciar acesso para terapia medicamentosa, salienta-se que a inserção de cateteres está compreendida como atribuição do enfermeiro, regulamentada pela legislação vigente mediante capacitação. Desta forma, a atuação do profissional de enfermagem deverá ser subsidiada pelo conhecimento técnico-científico, buscando garantir a segurança do paciente. Objetivo: Identificar os cuidados do enfermeiro no manuseio do cateter central de inserção periférica (PICC) em pediatria utilizando como método a revisão integrativa da literatura. Resultados: Os cuidados do enfermeiro com o PICC em pediatria foram subdivididos em quatro categorias: indicação e inserção do PICC, manutenção da permeabilidade do PICC, monitorização do PICC para prevenção de infecções/contaminações e retirada do PICC. Conclusão: Conclui-se que há necessidade de maior capacitação e treinamento dos profissionais de enfermagem, principalmente do enfermeiro, para o manuseio do PICC, enfatizando a necessidade de implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem para o cumprimento e registro de todas as etapas.


Keywords


Enfermagem, Pediatria, Criança, Cateteres, Cateterismo Venoso Central.

References


ASSIS, D.B. Projeto Estadual para Redução de Infecção de Corrente Sanguínea em Unidades de Terapia Intensiva: intervenção de baixo custo, grandes resultados. BEPA 2014;11(124):19-25. Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

BELO, M.P.M; et al. Conhecimento de enfermeiros de Neonatologia acerca do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica. RevBrasEnferm, Brasília 2012 jan-fev; 65(1): 42-8. Disponível: . Acesso: 25 mai. 2019.

BERGAMI, C.M.C.; MONJARDIM, M.A.C.; MACEDO, C.R. Utilização do cateter venoso central de inserção periférica (PICC) em oncologia pediátrica. REME rev. min. enferm; 16(4): 538-545, out-dez. 2012.Disponível em: . Acesso 12 set. 2020.

BOMFIM, J.M.S; PASSOS, L.S.; SILVA, J.C. Cateter central de inserção periférico: desafios e estratégias de enfermagem na manutenção do dispositivo. CuidArte Enfermagem, 2017 jan.-jun.; 11(1): 131-137. Disponível em: . Acesso: 24 mai. 2019.

BORGHESAN, N.B.A.; et al. Cateter venoso central de inserção periférica: práticas da equipe de enfermagem na atenção intensiva neonatal. Revenferm UERJ, Rio de Janeiro, 2017; 25:e2814. Disponível em: . Acesso: 25 mai. 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Ministério da Saúde. Critérios Diagnósticos de Infecções Relacionadas a Assistência à Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2017.

BRASIL. Resolução n. 466/2012. Dispõe sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012. 12 p. Disponível em: . Acesso: 30 mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília [online], Fev., 1998.

COSTA, P.; et al. Fatores de risco para infecção de corrente sanguínea associada ao cateter central de inserção periférica em neonatos. Acta Paul Enferm. 2016; 29(2):161-8. Disponível em: . Acesso: 26 mai. 2019.

DANSKI, M.T.R.; et al. Custos da infecção relacionada a cateter venoso central em adultos: revisão integrativa. Revista Baiana Enferm (2017); 31(3):e18394. Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

DANTAS, G.D.; et al. Adesão da equipe de enfermagem às medidas de prevenção de infecções de corrente sanguínea. Revista de Enfermagem da UFPE online, Recife, 11(10):3698-706, out., 2017.Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

DUARTE, E.D.; et al. Fatores associados à infecção pelo uso do cateter central de inserção periférica em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. RevEscEnferm USP 2013; 47(3):547-54. Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

GIANGREGORIO M.; et al. Gerenciamento de cateteres centrais de inserção periférica (PICC) em pacientes pediátricos com insuficiência cardíaca recebendo suporte inotrópico contínuo. J PediatrNurs, Jul-Ago 2014; 29 (4): e3-9. Disponível em: . Acesso: 13set. 2020.

FAJURI, P.M.; PINO, P.A.; CASTILLO, A.M. Uso de catéter venoso central de inserción periférica en pediatria. RevChilPediatr 2012; 83 (4): 352-357. Disponível em: . Acesso: 13 set. 2020.

FERREIRA, M.J.M.; et al. Cuidado da equipe de enfermagem à criança sob punção venosa periférica: estudo descritivo. Online BrazilianJournalofNursing, 11 (1) May./2012. Disponível em: . Acesso: 13 set. 2020.

HANDRUP, M.M.; MOLLER, J.K.; SCHRODER, H. Central venous catheters and catheter locks in children with cancer: a prospective randomized trial of taurolidine versus heparin. PediatrBloodCancer 2015; 60(8) :1292-1298. Disponível em: . Acesso: 13set. 2020.

KEGLER, J.J.; et al. Manejo da dor na utilização do cateter central de inserção periférica em neonatos. Esc Anna Nery 2016;20(4):e20160099. Disponível em: . Acesso: 25 mai. 2019.

LUI, A.M.L.; et al. Cuidados e limitações no manejo do cateter central de inserção periférica em neonatalogia. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 2018;8:e1918. Disponível em: . Acesso: 25 mai. 2019.

MOTTA, P.N.; et al. Cateter central de inserção periférica: o papel da enfermagem na sua utilização em neonatologia. HU Revista, Juiz de Fora, v. 37, n. 2, p. 163-168, abr./jun. 2011. Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

MORILLO, N.; et al. Simulador de bajo costo para elentrenamientoenlacolocación de accesos vasculares periféricos (AVP) enpediatria. Med. infant; 23(3): 213-216, Sept.2016. Disponível em: . Acesso 09 set. 2020.

NEGRI, D.C.; et al. Fatores predisponentes para insucesso da punção intravenosa periférica em crianças. Rev. Latino-Am. Enferm; 20(6): 1072-1080, Nov.-Dec. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2020.

OLIVEIRA, C.R. Avaliação da utilização de Cateter Central de Inserção Periférica (PICC) para Nutrição Parenteral - Estudo Randomizado. (Tese) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre: 2017, 127p. Disponível em:. Acesso: 28 mar. 2019.

FERREIRA, M.J.M.; et al. Cuidado da equipe de enfermagem à criança sob punção venosa periférica: estudo descritivo. Online BrazilianJournalofNursing, 11 (1) May./2012. Disponível em: . Acesso: 13 set. 2020.

ONOFRE, P.S.C.; PEDREIRA, M.L.G.; BARROS, D.P.; PETERLINI, M.A.S. Cateter Intravenoso Central de Inserção Periférica Guiado por Ultrassonografia: Relato de Experiência. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 16, (2): 96-9, dez./2016. Disponível em: . Acesso: 28 mar. 2019.

RANGEL, R.J.M.; et al. Práticas de Inserção, Manutenção e Remoção do Cateter Central de Inserção Periférica em Neonatos. J. res.: fundam. care. online 2019. 11(n. esp): 278-284. Disponível em: . Acesso: 25 mai. 2019.

RINKE, M.L.; et al. Bringing central line-associated bloodstream infection prevention home: catheter maintenance practices and beliefs of pediatric oncology patients and families.Jt Comm J Qual Patient Saf ; 41(4): 177-85, Apr./ 2015.Disponível em: . Acesso 12set. 2020.

SÁ NETO, J.A.; et al. Conhecimento de enfermeiros acerca do cateter central de inserção periférica: realidade local e desafios globais. RevEnferm UERJ, Rio de Janeiro, 2018; 26:e33181. Disponível em: . Acesso: 25 mai. 2019.

SALES, J.G.; et al. Desafios na manutenção do PICC na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: uma reflexão da assistência. Ensaios USF, 2018, p.01-20. Disponível em: . Acesso: 27 mai. 2019.

SIRQUEIRA, L.A.; SOUZA, K.F. Cuidados de enfermagem na manutenção do Cateter Central de Inserção Periférica no recém-nascido. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 15, n. 1, p. 139-151, jan./jul. 2017. Disponível em: . Acesso: 20 abr. 2019.

VERA, S.O.; SOUSA, G.N.; ARAÚJO, S.N.M. A atuação do enfermeiro na prática de inserção e manutenção do PICC: uma revisão integrativa de literatura. Portuguese: ReOnFacema, 1(1):47-53, ago./out. 2015. Disponível em: . Acesso: 28 mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-119

Refbacks

  • There are currently no refbacks.