Laboratórios Municipais de Entomologia de Mato Grosso do Sul na identificação de mosquitos / Municipal Entomology Laboratories of Mato Grosso do Sul in the identification of mosquito

Paulo Silva Almeida, Grace Kelly Sguario do Valle Bastos, Jhoy Alves Leite, Georgia Medeiros de Castro Andrade, Marcia Bicudo Paula, Ricardo Augusto Passos, Herintha Coeto Neitzke- Abreu

Abstract


Avaliar os Laboratórios Municipais de Entomologia dos municípios do Mato Grosso do Sul na identificação de mosquitos para medidas de prevenção de arbovírus. Os laboratórios foram analisados de acordo com os parâmetros de qualidade e na identificação de larvas e pupas de Aedes aegypti e Aedes albopictus do técnico de laboratório, entre outubro de 2015 e outubro de 2016. Todos os laboratórios possuíam materiais consumíveis; apenas 26,67% possuíam estrutura física adequada e 29,33% dos microscópios eram bons; a média de respostas corretas do técnico na identificação de larvas e pupas foi de 77% ± 7,88. A baixa qualidade da estrutura física do laboratório e dos equipamentos de microscopia tem um impacto direto na identificação de mosquitos. Apesar do treinamento oferecido à equipe técnica, há uma baixa qualidade na identificação de mosquitos, comprometendo os Laboratórios Municipais de Entomologia.


Keywords


Laboratório, Vigilância Entomológica, Controle de vetores, Arbovírus

References


Donalisio MR, Freitas ARR, Von Zuben APB. Arboviroses emergentes no Brasil: desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Rev Saúde Pública 2017 abr; 51:30-35. Available from: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006889

Ferreira BJ, Souza MFM, Soares Filho AM, Carvalho AA. Evolução histórica dos programas de prevenção e controle da dengue no Brasil. Cien Saúde Colet 2009 maio-jun; 14(3):961-972. Available from: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000300032.

Ministério da Saúde (BR). Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Controle da Dengue. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Ministério da Saúde (BR). Diagnóstico rápido dos municípios para vigilância entomológica do Aedes agypti no Brasil – LIRAa: metodologia para avaliação dos Índices de Breteau e Predial. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (BR). Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti – LIRAa – para Vigilância Entomológica do Aedes aegypti no Brasil: metodologia para avaliao dos Índices de Breteau e Predial e de tipos de recipientes. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Superintendência de Campanhas de Saúde Pública. Resumo dos principais caracteres morfológicos diferenciais do Aedes aegyti e do Aedes albopictus. Brasília: Ministério da Saúde; 1989.

Consoli RAGB, Oliveira RL. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 1994.Forattini OP. Culicidologia Médica. Identificação, Biologia e Epidemiologia. São Paulo: EDUSP; 2002.

Rueda LM. Pictorial keys for identification of mosquitoes (Diptera, Culicidae) associated with Dengue Virus Transmission. Zootaxa 589. New Zealand: Magnolia Press; 2004.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação do Programa Nacional de Controle da Dengue – CGPNCD. Relatório de Indicadores Entomológicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

Albuquerque CMR, Santos MAVM, Bezerra MAS, Barbosa RMR, Silva DF, Silva E. Primeiro registro de Aedes albopictus em área da Mata Atlântica, Recife, PE, Brasil. Rev Saúde Pública 2000 jun; 34(3):314-315. Available from: https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000300017.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano de Erradicação do Aedes aegypti. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 1996.

Ministério da Saúde (BR). Vigilância Epidemiológica. Dengue – Instruções para o Pessoal de Combate ao Vetor. Manual de Normas Técnicas. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 2001.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-102

Refbacks

  • There are currently no refbacks.