Impacto do trabalho de panificação na saúde e qualidade de vida dos padeiros / Impact of bakery work on health and quality of life of bakers

Kersya Lima Vasconcelos Coêlho, Joélia Rodrigues da Silva, Raquel Figueiredo Barretto, Clarissa Amélia Farias de Amorim, Rosendo Freitas de Amorim

Abstract


Trata-se de uma pesquisa qualitativa que objetivou conhecer as percepções dos padeiros sobre os impactos do trabalho na sua saúde e na qualidade de vida. Para a coleta de dados aplicou-se um questionário semiestruturado e entrevista presencial, com dez alunos do curso de Gastronomia no estado do Ceará, Brasil, exercendo a profissão há mais de seis meses. Os resultados apontaram que 100% dos entrevistados relataram dor em decorrência dos movimentos repetitivos, localizadas nas costas, ombros, como também, tensão muscular. O estresse, o tempo de permanência em pé e a alta temperatura são citados como fatores prejudiciais à saúde, sendo que 80% ressaltam a importância do trabalho para suas vidas. Mesmo com políticas voltadas à saúde do trabalhador, ainda se apresenta escasso o campo de pesquisa relacionado à saúde e qualidade de vida dos profissionais da panificação, como também, é premente a adoção de medidas de controle da categoria.


Keywords


Profissionais da panificação, padeiros, qualidade de vida, saúde do trabalhador, gastronomia.

References


Abrahão, J., Sznelwar, L., Silvino, A., Sarmet, M., & Pinho, D. (2009). Introdução à Ergonomia: da teoria à prática. São Paulo: Blücher.

Albuquerque, A. M. P. (2015). Programa de qualidade de vida no trabalho da UFRN: uma avaliação centrada na percepção dos trabalhadores. 2015. 118f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Processos Institucionais) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Alves, J. H. F. (2000). Ginastica Laborativa: Métodos de prescrição de exercícios terapêuticos no trabalho. Fisioterapia Brasil, v. 1, n. 1, p. 19-22.

Bardin, L. (1979). Análise de Conteúdo. Tradução de Luiz Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Ed, 70.

Brasil, C. C. P. (2015). A voz da professora não pode calar: sentidos, ações e interpretações no contexto da integralidade em saúde. 2015. 232 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza, Fortaleza.

Fayol, H. (1994). Administração Industrial e Geral. Curitiba: Atlas.

Ferreira, M. C., & Mendes, A. M. (2001). Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor”: atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. Estudos de psicologia, v. 6, n. 1, p. 93-104.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Herzberg, F. I. (1968). One more time: how do you motivate employees? Harvard Business Review, Boston, v. 46, n. 1, p. 53-62.

Lopes, C. H. A. F., & Jorge, M. S. B. (2005). Interacionismo simbólico e a possibilidade para o cuidar interativo em enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 39(1), p. 103-108.

Maximiano, A. C. A. (1995). Introdução à administração. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas.

Mendes, A. M. (2004). Cultura organizacional e prazer e sofrimento no trabalho: Uma abordagem psicodinâmica. In A. Tamayo (Ed.), Cultura e saúde nas organizações (pp. 48-67). Porto Alegre, RS: Artmed.

Mendes, R., Dias. E.C. (1991). Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 25, n. 5, p. 341-349.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2013). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33. ed. Petrópolis: Vozes.

Nadler, D. A., Lawler, E. E. (1983). Quality of work life: perspectives and directions. Organizational Dynamics, v. 11, n. 3, p. 20-30.

OMS. Organização Mundial da Saúde. (1946). Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) [internet]. Nova Iorque: WHO; Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2018.

Pilatti, L. A. (2012). Qualidade de vida no trabalho e teoria dos dois fatores de Herzberg: possibilidades-limite das organizações. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, v. 4, n. 1, p. 18-24.

Quick, T. C., & Lapertosa, J. B. (1982). Análise do absentismo em usina siderúrgica. Revista brasileira de saúde ocupacional, v. 10, n. 40, p. 62-7.

Rocha, C. H., Santos, L. H. D., Moreira, R. R., Neves-Lobo, I. F., & Samelli, A. G. (2011). Verificação da efetividade de uma ação educativa sobre proteção auditiva para trabalhadores expostos a ruído J. Soc. Bras. Fonoaudiologia, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 38-42.

Rodrigues, L. F., Nazareno, N. F., Oliveira, R., & Brasileiro, M. E. (2013). Protocolo de prevenção de riscos ambientais em cozinhas industriais. Revista Eletrônica de Enfermagem do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição [serial on-line], 2(2) 1-13.

Santana, A.M.C. (1996). A abordagem ergonômica como proposta para melhoria do trabalho e produtividade em serviços de alimentação. Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: < http://teses.eps.ufsc.br/index.asp>. Acesso em: 02 outubro 2007

Sesi, S. S. I. (2005). Diretoria de Assistência Médica e Odontológica – DAM. Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho – GSST. Manual de segurança e saúde no trabalho. São Paulo: SESI.

Walton, R. E. (1973). Quality of Working Life: What is it? Sloan Management Review, v. 15, n. 1, p. 11-21.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.