Fatores que influenciam a oferta de fórmulas lácteas ao neonato a termo durante a internação hospitalar / Factors influencing the supply of milk formulas to the term neonate during hospitalization

Vanessa Bennemann, Cássia Regina Gotler Medeiros, Jordana Kich

Abstract


Objetivos: analisar os fatores que influenciam a oferta de fórmulas lácteas ao neonato a termo durante a internação hospitalar.

Métodos: pesquisa transversal, de abordagem quantitativa e natureza aplicada, realizada em um município do interior do Rio Grande do Sul. Os dados foram coletados em três Unidades Básicas de Saúde mediante questionário estruturado aplicado a 52 mulheres que compareceram as Unidades Básicas de Saúde num período de até 90 dias após o parto. Analisou-se a frequência absoluta e relativa das variáveis, com o auxílio do software SPSS, versão 25.0.

Resultados: verificou-se que 67,3% realizaram o pré-natal pelo Sistema Único de Saúde e 57,7% realizaram cesariana. Entre estas, 80,6% não amamentaram na primeira hora, enquanto, entre as que fizeram parto normal, 76,1% amamentaram na primeira hora. Entre os 25% dos recém-nascidos (RN) que receberam a oferta de fórmula láctea; 69,2% nasceram de cesariana. Entre os 44,2% de mulheres que pretendem utilizar a fórmula láctea, 65,2% tiveram cesariana. Entre os 30,8% de RN que já estão utilizando-a, 56,2% tiveram cesariana.

Conclusões: a análise expôs que a cesariana é um fator importante para a não amamentação na primeira hora e a oferta de fórmula láctea no hospital, o que dificulta a manutenção do aleitamento materno exclusivo.


Keywords


Aleitamento materno, Alimentação artificial, Desmame precoce, Leite humano.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Estratégia nacional para a promoção do aleitamento materno e alimentação complementar saudável no Sistema único de Saúde: manual de implementação. Brasília, DF; 2015. [acesso em 17 set 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategia_nacional_promocao_aleitamento_materno.pdf.

Salustiano LPQ, Diniz ALD, Abdallah VOS, Pinto RMC. Fatores associados à duração do aleitamento materno em crianças menores de seis meses. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012; 34 (1): 28-33.

Garcia MMR, Santos JG, Lima SS, Ferrari R. O conhecimento das puérperas sobre preparo das mamas e aleitamento materno. Rev Eletrôn Gestão Saúde. [Internet]. 2013 [acesso em 18 set 2018]; 4 (1): 1404-18. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/viewFile/23000/16522.

Dias MCAP, Freire LMS, Franceschini SCC. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Rev Nutr. 2010; 23 (3): 475-86.

Feferbaum R, Falcão CM. Pediatria neonatal: nutrição do recém-nascido. In: Barros RJC, Ferrari MVP. Nutrição de recém-nascido a termo: papel do pediatra. Papel do psicólogo. Rio de Janeiro: Atheneu; 2003.

Silva DPDa, Soares P, Macedo MV. Aleitamento materno: causas e consequência do desmame precoce. Rev Unimontes Cient. 2017; 19 (2): 146-57.

Giugliani ERJ. Aleitamento materno: aspectos gerais. Departamento de Pediatria da UFRGS [Internet]. 2013 [acesso em 19 set 2018]; 10-48. Disponível em: http://www.ufrgs.br/pediatria/conteudos-1/ppsca/bibliografia/aleitamento-materno/giugliani-aleitamento-materno-2013-aspectos-gerais-2013/view.

Azevedo DS, Reis ACS, Freitas LV, Costa PB, Pinheiro PNC, Damasceno AKC. Conhecimento de primíparas sobre os benefícios do aleitamento materno. Rev Rene Fortaleza. 2010; 11 (2): 53-62.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília, DF; 2009. [acesso em 2 ago 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Rede Amamenta Brasil: os primeiros passos (2007-2010). Brasília, DF; 2011. [acesso em 17 set 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/rede_amamenta_brasil_primeiros_passos.pdf.

Santos AN, Alves VH, Vargas GS Rodrigues DP, Souza RMP, Marchiori GRS. Vivência das puérperas nutrizes frente à prática do aleitamento materno. Rev Enferm UFSM. 2016; 6 (2): 214-24.

Hergessel NM, Lohmann PM. Aleitamento materno na primeira hora após o parto. [monografia]. Lajeado: Curso de Enfermagem, Universidade do Vale do Taquari - Univates; 2017.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcellos AGG. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev Saude Publica. 2011; 48 (4): 697-703.

Araújo OD, Cunha AL, Lustosa LR, Nery IS, Mendonça RCM, Campelo SMA. Aleitamento materno: fatores que levam ao desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2008; 61, (4): 488-92.

Rocci E, Fernandes RAQ. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2014; 67 (1): 22-7.

Viana RAA, Ferreira EG, Barboza MCC, Sampaio LMA. Aleitamento materno: desmistificando esse ato de amor como uma abordagem na promoção da saúde. Rev ABENO. 2014; 14 (1): 38-46.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação. Brasília, DF; 2012. [acesso em 17 set 2018]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/aleitamento_materno.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília, DF; 2015. [acesso em 19 set 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf.

Moreno CCGS, Rea MF, Filipe EV. Mães HIV positivo e a não-amamentação. Rev Bras Saúde Mater Infan. 2006; 6 (2): 199-208.

Meirelles CAB, Oliveira MIC, Mello RR, Varela MAB, Fonseca VM. Justificativas para uso de suplemento em recém-nascidos de baixo risco de um Hospital Amigo da Criança. Cad Saúde Pública. 2008; 24 (9): 2001-12.

Machado LU. Uso do complemento alimentar em recém-nascidos a termo submetidos à cesariana eletiva: efeito sobre o aleitamento materno [tese]. Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em Medicina/Pediatria e Saúde da Criança, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS; 2014.

Amaral LJX, Sales SS, Carvalho DPSRP, Cruz GKP, Azevedo IC, Ferreira Jr MA. Fatores que influenciam na interrupção do aleitamento materno exclusivo em nutrizes. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36 (esp): 127-34.

Nakano MAS, Reis MCD, Pereira MJB, Gomes FA. O espaço social das mulheres e a referência para o cuidado na prática da amamentação. Rev Latino-Americana Enferm [Internet]. 2007 [acesso em 17 set 2018]; 15 (2). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n2/pt_v15n2a07.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [acesso em 10 ago 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.

Pereira-Santos M, Santana MS, Oliveira DS, Nepomuceno Filho RA, Lisboa CS, Almeida LMR, et al. Prevalência e fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo: metanálise de estudos epidemiológicos brasileiros. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2017; 17 (1): 69-78.

Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial. Assessoria Técnica de Planejamento. Guia do Pré-natal na Atenção Básica. Porto Alegre, RS; 2018. [acesso em 27 mai 2019]. Disponível em: http://www.pim.saude.rs.gov.br/v2/wp-content/uploads/2019/02/09090527-guia-pre-natal-na-atencao-basica-web.pdf.

Silva NM, Waterkemper R, Silva EF, Cordova FP, Bonilha ALL. Conhecimento de puérperas sobre amamentação exclusiva. Rev Bras Enferm. 2014; 67 (2): 290-5.

Esteves TMB, Daumas RP, Oliveira MIC, Andrade CAF, Leite IC. Fatores associados à amamentação na primeira hora: revisão sistemática. Rev Saude Publica. 2014; 48 (4): 697-703.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Aleitamento Materno. Uso e abuso de fórmula infantil na maternidade em recém-nascidos sadios a termo. Rio de Janeiro, RJ; 2017. [acesso em 13 mai 2019]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Aleitamento_-_UsoAbuso_FI_Maternid_RN_Sadios.pdf

Smith HA, Becker GE. Early additional food and fluids for healthy breastfed full‐term infants. Cochrane Database Syst Rev. [Internet] 2016 [acesso em 14 mai 2019]; 30 (8): CD006462. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27574798.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-048

Refbacks

  • There are currently no refbacks.