Análise do perfil epidemiológico dos praticantes de corrida de rua em Belém-PA / Analysis of the epidemiological profile of stretchers in Belém-PA

Paulo Eugênio Santos Cecim, Vicente Magalhães de Araujo Neto, Maurício da Cruz Castro Júnior, Ana Paula do Vale Viegas, Rafael Gaspar de Almeida Zell, Rafael Almeida Kapassi Jamielniaski, Giordana Pessoa Vilas Boas, José Virgilino Costa Negrão, Ana Beatriz de Sousa Diniz, Saul Moraes da Silva

Abstract


Introdução: A corrida de rua é uma modalidade esportiva que vem apresentando um aumento no número de indivíduos praticantes, incentivado não só pelos benefícios promovidos à saúde, mas também pela facilidade no seu acesso. Todavia, a realização dessa atividade física pode trazer riscos ao organismo, principalmente em indivíduos sem acompanhamento médico adequado, com destaque para a ocorrência de eventos de ordem musculoesquelética e cardiovascular. Objetivos: Avaliar o perfil epidemiológico dos praticantes amadores de corrida de rua em Belém - PA. Métodos: Estudo foi de caráter descritivo, transversal, individualizado, observacional, randomizado. A amostra foi composta por 85 corredores de rua amadores matriculados regularmente em grupos de corrida de rua, que foram submetidos à aplicação do Questionário de Prontidão para Atividade Física (PAR-Q) adaptado pelos pesquisadores, no qual constaram dados epidemiológicos (idade, sexo, raça) além de perguntas específicas sobre a aptidão dos mesmos para a realização de exercício físico e acompanhamento médico. Resultados: Na amostra, há predomínio de corredores de rua do sexo masculino (64,7%), faixa etária entre 40 e 49 anos (35,3%), etnia parda (58,8%), tendo a saúde como principal motivação para início do treinamento (57,6%) e o condicionamento físico como objetivo primordial (54,1%), a frequência do treino de três vezes por semana (54,1%), participação maciça em provas (95,3%), tendo a distância de 10km como preferida (46,9%), presença de problema de saúde de ordem osteomuscular (20,0%), e avaliação médica prévia (82,4%). Conclusão: Após aplicação do questionário, foram encontrados resultados concordantes com a maior parte dos trabalhos recentes, com maioria de homens entre os praticantes de corrida de rua, com idade média entre 40 e 49 anos, que iniciaram essa atividade por motivo de lazer e sobrepeso, objetivando ganhar condicionamento físico, com uma frequência de treino de três vezes por semana, participando de provas, principalmente as de 10km de distância, com presença de alguma condição osteomuscular prévia, e realização de acompanhamento médico.


Keywords


Exercício físico, Corrida, Perfil epidemiológico, Questionário.

References


Rangel GMM, Farias JM. Incidência de lesões em praticantes de corrida de rua no município de Criciúma, Brasil. Rev. Bras. Med. Esporte. 2016; 22(6): 496-500.

Laye MJ, Nielsen MB, Hansen LS, Knudsen T, Pedersen BK. Physical activity enhances metabolic fitness independently of cardiorespiratory fitness in marathon runners. Disease Markers. 2015; 2015: 806418.

Balbinotti MAA, Gonçalves GHT, Klering RT, Wiethaeuper D, Balbinotti CAA. Perfis motivacionais de corredores de rua com diferentes tempos de prática. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2015; 37(1): 65-73.

Yankelson L, Sadeh B, Gershovitz L, Werthein J, Heller K, Halpern P, Halkin A, Adler A, Steinvil A, Viskin S. Life-threatening events during endurance sports: is heat stroke more prevalent than arrhythmic death? Journal of the American College of Cardiology. 2014; 64(5): 463-469.

van der Worp MP, ten Haaf DS, van Cingel R, de Wijer A, Nijhuis-van der Sanden MW, Staal JB. Injuries in runners; a systematic review on risk factors and sex differences. PLoS One. 2015; 10(2): e0114937.

Nilson F, Börjesson M. Mortality in long-distance running races in Sweden - 2007-2016. PLoS One. 2018; 13(4): e0195626.

Hodgson LE, Walter E, Venn RM, Galloway R, Pitsiladis Y, Sardat F, Forni LG. Acute kidney injury associated with endurance events-is it a cause for concern? A systematic review. BMJ Open Sport Exerc Med. 2017; 3(1): e000093.

Hino AAF, Reis RS, Rodriguez-Añez CR, Fermino RC. Prevalência de lesões em corredores de rua e fatores associados. Rev. Bras. Med. Esporte. 2009; 15(1): 36-39.

Ramírez-Góngora MP, Prieto-Alvarado FE. Factores de riesgo del comportamiento y preparación de aficionados inscritos a carreras atléticas de fondo de 18 a 64 años en Bogotá, Colombia, 2014. Cad. Saúde Pública. 2016; 32(4): e00066815.

Borel WP, Filho JE, Diz JBM, Moreira PF, Veras PM, Catharino LL, Rossi BP, Felício DC. Prevalence of injuries in brazilian recreational street runners: meta-analysis. Rev. Bras. Med. Esporte. 2019; 25(2): 161-167.

Ghorayeb N, Stein R, Daher DJ, Silveira AD, Ritt LEF, Santos DFP, Sierra, APR, Herdy AH, Araújo CGS, Colombo CSSS, Kopiler DA, Lacerda FFR, Lazzoli JK, Matos LDNJ, Leitão MB, Francisco RC, Alô ROB, Timerman S, Carvalho T, Garcia TG. Atualização da Diretriz em Cardiologia do Esporte e do Exercício da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e Esporte - 2019. Arq. Bras. Cardiol. 2019; 112(3): 326-368.

Salgado JVV, Mikail MPTC. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões. 2007; 4(1): 90-8.

Albuquerque DB, Silva ML, Miranda YHB, Freitas CMSM. Corrida de rua: uma análise qualitativa dos aspectos que motivam sua prática. R. bras. Ci. e Mov. 2018; 26(3): 88-95.

Fonseca FS, Cavalcante JAM, Almeida LSC, Fialho JVAP. Análise do perfil sociodemográfico, motivos de adesão, rotina de treinamento e acompanhamento profissional de praticantes de corrida de rua. R. bras. Ci. e Mov. 2019; 27(4): 189-198.

Cunha IC, Peixoto MRG, Jardim PCBV, Alexandre VP. Fatores associados à prática de atividade física na população adulta de Goiânia: monitoramento por meio de entrevistas telefônicas. Rev. bras. epidemiol. 2008; 11(3): 495-504.

Sá Silva SP, Sandre-Pereira G, Salles-Costa R. Fatores sociodemográficos e atividade física de lazer entre homens e mulheres de Duque de Caxias/RJ. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(11): 4491-4501.

Hespanhol Junior LC, Pillay JD, van Mechelen W, Verhagen E. Meta-Analyses of the Effects of Habitual Running on Indices of Health in Physically Inactive Adults. Sports Med. 2015; 45(10): 1455-68.

Lee DC, Pate RR, Lavie CJ, Sui X, Church TS, Blair SN. Leisure-time running reduces all-cause and cardiovascular mortality risk. J Am Coll Cardiol. 2014; 64(14): 1537.

Souza RB. An Evidence-Based Videotaped Running Biomechanics Analysis. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2016; 27(1): 217-36.

Euclides MF, de Barros CL, Coêlho JCA. Benefícios da corrida de rua. Revista Conexão Eletrônica. 2016; 13(1); 305.314.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-026

Refbacks

  • There are currently no refbacks.