Violência vivenciada por enfermeiros durante acolhimento com classificação de risco / Violence experienced by nurses during risk-rated foster care

Joabe Candido Ferreira, Beatriz Maria dos Santos Santiago Ribeir, Rita de Cassia de Marchi Barcelos Dalri, Karoline Hyppolito Barbosa, Letícia Coutinho de Oliveira, Cesar Junior Aparecido de Carvalho, Mara Cristina Nishikawa Yagi, Marcia Eiko Karino

Abstract


Objetivo: conhecer as experiências vivenciadas pelos enfermeiros que atuam no setor de acolhimento com classificação de risco em um pronto-socorro de um hospital universitário em cidade no norte do Paraná., no que se refere à violência no trabalho, Método: Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, desenvolvida com seis enfermeiros; os dados foram coletados  nos meses de fevereiro e março de 2019, por meio de entrevistas gravadas e submetidas à técnica de análise de conteúdo. Resultados: os discursos foram agrupados em três categorias temáticas: exposição à violência no ambiente de acolhimento com classificação de risco, sentimento do profissional que sofre violência laboral e identificação do agressor, estratégias utilizadas frente a violência laboral. Os enfermeiros relataram ser comum sofrerem violência verbal nesse setor, normalmente, por parte dos acompanhantes dos pacientes, os profissionais referiram sentir insegurança durante a prática laboral e desenvolverem estratégias defensivas para conduzir as situações de violência vivenciadas. Considerações finais: É imprescindível que os resultados deste estudo sejam disponibilizados no sentido de direcionarem políticas de gestão a serem implementadas nos setores de acolhimento com classificação de risco, visando a melhoria das condições de trabalho dos enfermeiros e consequentemente uma melhor interação entre profissional e pacientes e acompanhantes.


Keywords


Saúde do trabalhador, Riscos ocupacionais, Violência no trabalho, Enfermeiras e enfermeiros.

References


Lima GHA; Sousa SMA. Violência psicológica no trabalho da enfermagem. Rev Bras Enferm, v. 68, n. 5, p. 817-23, 2015. Disponível em: .

Dias HG., Martins JT. Moreira A.AO, Dalri RDCMB, Okubo CVC, Ribeiro BMSS. Violência laboral: percepções de professores quanto às medidas de enfrentamento. Rev. enferm. UFPE on line, 1-7, 2020.

Pedro DRC, Silva GKT, Lopes APAT, Oliveira JLC, Tonini NS. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: análise à luz do conhecimento produzido. Saúde em Debate, v. 41, n. 113, p. 618–629, 2017.

Roncalli AA, de OliveiraN, Silva ICM, Brito R, da Fonseca Viegas,SM. Protocolo De Manchester E População Usuária Na Classificação De Risco: Visão Do Enfermeiro. Revista Baiana de Enfermagem‏, v. 31, n. 2, 2017.

Do Amaral Pereira MF, de Freitas RJM, de Lima CHP, de Melo, JN, de Oliveira KKD. (A violência contra os profissionais da enfermagem no setor de acolhimento com classificação de risco. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 38, n. 3, 2017. Disponível em:.

Chianca TCM, Costa RDM, Vidigal M., Silva LCRD, Diniz GA, Araújo JHV, Souza CC. Waiting Time for Assistance Using the Machester Triage System in an Emergency Hospital. REME: Revista Mineira de Enfermagem, v. 20, p. 1–8, 2016.

Spagnuolo RS, Lopes Silva MN, Meneguin S, Bronzato Bassetto JG, Campolina Fernandes V. Percepção dos usuários sobre a triagem com classificação de risco em um serviço de urgência de cabo verde. Rev. Bras. Prom. Saúde, v.30, n.2, p.249-254, 2017. doi: 10.5020/18061230.

Bordignon M. Monteiro MI. Violência no trabalho da Enfermagem: um olhar às consequências. Rev.Bras. Enferm., v. 69, n. 5, p. 996-999, 2016.

Dejours C, Abdoucheli E, Jayet C. Psicodinâmica do Trabalho (1a ed.). São Paulo: Atlas, 2014.

Oenning NSX, Carvalho FM, Lima VMC. Fatores de risco para absenteísmo com licença médica em trabalhadores da indústria de petróleo. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, fev., 2014.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016.

Vasconcellos IRR, Abreu AMM, Maia EL. Violência ocupacional sofrida pelos profissionais de enfermagem do serviço de pronto atendimento hospitalar. Rev Gaúcha Enferm, 2012, 33(2), 167-175.

Conselho regional de enfermagem de São Paulo. Violência no trabalho: guia de prevenção para os profissionais de enfermagem. São Paulo: CorenSP, 2017. Disponível em: .

Angelim R Rocha G. Scientific production about the working conditions of nursing in emergency and urgent services. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 8. 3845, 2016.

Almeida HFR, Fontenele RM, Araújo MCM, Torres ACAF, Gouveia DM, Ramos ASMB. Repercussões da violência ocupacional na saúde dos profissionais de enfermagem. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem, v. 9, n. 27, p. 4, 2019.

Cordenuzzi OCP, Lima SBS, Prestes FC, Beck CLC, Silva MRM, Pai DD. Estratégias utilizadas pela enfermagem em situações de violência no trabalho em hemodiálise. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 38, n. 2, 2017.

Souza AAM, Weruska AC, Gurgel AKC. Aspects related to the occurrence of workplace violence in hospital emergency rooms. Journal of Research: Fundamental Care Online. Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 637-650, 2014.

Tsukamoto SAS, Galdino MJQ, Robazzi MLCC, Ribeiro RP, Soares MH, Haddad MCFL.et al. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: prevalência e fatores associados. Acta Paulista de Enfermagem, v. 32, n. 4, p. 425–432, 2019.

Scaramal DA, Haddad MCFL, Garanhani ML, Nunes EFPA, Galdino MJQ, Pissinati PSC. Occupational Physical Violence in Urgency and Emergency Hospital Services: Perceptions of Nursing Workers. REME: Revista Mineira de Enfermagem, v. 21, p. 1–8, 2017.

Alameddine M, Mourad Y, Dimassi HA national study on nurses exposure to occupational violence in Lebanon: prevalence, consequences and associated factors. PLoS ONE (Online), San Francisco, v. 10, n. 9, p. e0137105, 2015. Disponível em: .

Erdur B, Ergin A, Yüksel A, Türkçüer İ, Ayrık C, Boz B. Assessment of the relation of violence and burnout among physicians working in the emergency departments in Turkey. Turkish Journal of Trauma & Emergency Surgery, Instanbul, v. 21, n. 3, p. 175-181, 2015. Disponível em: .

Kim H, Kim JS, Choe K, Kwak Y, Song JS. Mediating effects of workplace violence on the relationships between emotional labour and burnout among clinical nurses. Journal of Advanced Nursing, Oxford, v. 74, n. 10, p. 2331-2339, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29869815.

Atan U, Baysan Arabaci L, Sirin A, Isler A, Donmez, S, Unsal Guler M, Oflaz U et al. Violence experienced by nurses at six university hospitals in Turkey. Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, Oxford, v. 20, n. 10, p. 882-889, 2013. Disponível em: .

Pinar T, Acikel C, Pinar G, Karabulut E, Saygun M, Bariskin E, Guidotti TL, et al.. Workplace violence in the health sector in Turkey: a national study. Journal of Interpersoal Violence, Thousand Oaks, v, 32, n. 15, p. 2345-2365, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26124224.

Sakai AM, Rossaneis MA, Haddad MCFL, Sardinha DSS. Sentimentos de enfermeiros no acolhimento e na avaliação da classificação de risco em pronto-socorro. Rev Rene, v. 17, n. 2, p. 233-241, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.