Desvendando o Significado do Óbito Fetal para o Enfermeiro Obstetra / Unraveling the Meaning of Fetal Death to the Obstetric Nurse

Mariana Moreira da Silva, Luciana Virginia de Paula e Silva Santana, Suelyn Lorene de Oliveira Braga, Desire Garcia Kawakame, Antônio Kawakame Neto, Patrícia Moita Garcia Kawakame

Abstract


Trata-se de uma pesquisa qualitativa que se fundamentou na Fenomenologia, na modalidade da análise da estrutura do fenômeno situado. O objetivo foi compreender o significado de experiências frente ao óbito fetal para os enfermeiros obstetras de um hospital universitário. Os dados foram coletados por meio da questão norteadora: “Como é para você vivenciar o óbito fetal?”. Para a análise dos discursos, foram realizadas a análise ideográfica e nomotética. Os resultados evidenciaram o despreparo profissional, gerando angústias e inseguranças, nos levando a acreditar que é preciso uma formação específica sobre luto e morrer para os profissionais de saúde. O suporte à mãe e família, também emergiu e verificou-se a necessidade de uma readequação das instituições de saúde quanto ao espaço físico para receber os pais que vivenciam o luto fetal, proporcionando privacidade e assistência humanizada. A presença do enfermeiro obstetra emerge como de suma importância neste cenário.

 


Keywords


morte fetal, enfermagem obstétrica, pesquisa qualitativa.

References


Santos, A. L. D., Rosenburg, C. P., & Burall, K. O. (2004). Histórias de perdas fetais contadas por mulheres: estudo de análise qualitativa. Revista de Saude Pública, 38(2), 268-76.

Brasil. (2009). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. Ministério da Saúde, Brasil.

Monteiro, S. M., Sanchez, J. M., Montoro, H. C., & Crespo, L. M. (2011). A experiência da perda perinatal a partir da perspectiva dos profissionais de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem.

Ampese, D., Perosa, G., & Hass, R. E. (2007). A influência da atuação da enfermagem aos pais que vivenciam a morte do feto viável. Centro Universitário São Camilo.

Hutti, M. H., Armstrong, D. S., Myers, J. A., & Hall, L. A. (2015). Grief intensity, psychological well-being, and the intimate partner relationship in the subsequent pregnancy after a perinatal loss. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs, 44(1), 42-50.

Santos Filho, J. C. (2009). Pesquisa Qualitativa versus pesquisa quantitativa: o método paradigmático. In: Santos, J. C. F., & Gamboa, S. S. Pesquisa Educacional: quantidade. São Paulo: Cortez,13- 59.

Martins, J., & Bicudo, M. A. V. (1994). A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos. São Paulo: Moraes.

Freire, M. C. B. (2005). O Som do Silêncio: a angústia social que encobre o luto - Um estudo sobre isolamento e sociabilidade entre enlutados do cemitério Morada da Paz. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Pires, C. (2010). Processo de viver a morte. In Corrente Dinâmica (Org.). Ourém, Portugal: Emoções em Saúde, 142-151.

Maushart, S. (2006). A máscara da maternidade. São Paulo: Melhoramentos.

Bartilotti, M. R. M. B. (2007). Intervenção psicológica em luto perinatal. In Bortoletti, F. F. Psicologia na prática obstétrica: abordagem interdisciplinar. São Paulo: Manole.

Gesteira, S. M. A., Barbosa, V. L., & Endo, P. C. (2006). O luto no processo de aborto provocado. Acta Paulista de Enfermagem, 19(4), 462-467.

Lemos, L. F. S., & Cunha, A. C. B. (2015a). Morte na maternidade: Como profissionais de saúde lidam com a perda. Revista Psicologia em Estudo, 20(1), 13-22.

Lemos, L. F. S., & Cunha, A. C. B. (2015b). Concepções Sobre Morte e Luto: Experiência Feminina Sobre a Perda Gestacional. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, 35(4), 1120-1138.

Santos, C. S., Marque, J. F., Carvalho, F. H. C., Fernandes, A. F. A., Henriques, A. C. P. T., & Moreira, K. A. P. (2012). Percepções de enfermeiras sobre a assistência prestada a mulheres diante do óbito fetal. Escola de Enfermagem Anna Nery, 16(2), 277-284.

Amorim, T.,& Gualda, D. M. R. (2011). Coadjuvantes das mudanças no contexto do ensino e da prática da enfermagem obstétrica. Rev Rene, 12(4), 833-40.

Caus, E. C. M., Santos, E. K. A., Nassif, A. A., & Monticelli, M. (2012). O processo de parir assistido pela enfermeira obstétrica no contexto hospitalar: significados para as parturientes. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 16(1), 219.

Oliveira, J. D. G., Campo, T. N. C., & Souza, F. M. L. (2016). Percepção de enfermeiros obstetras na assistência à parturiente. Revista de enfermagem UFPE, 10(10), 3868-75.

Braga, N. A., & Morsch, D. S. (2003). Quando o bebê morre. In: Moreira, M. E. L., Braga., N. A., & Morsch, D. S. organizadores. Quando a vida começa diferente: o bebê e sua família na UTI Neonatal. Rio de Janeiro: Fiocruz, 157- 69.

Narchi, N. Z., Cruz, E. F., & Gonçalves, R. (2013). O papel das obstetrizes e enfermeiras obstetras na promoção da maternidade segura no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4), 1059-1068.

Nazaré, B. F., Pedrosa, A. A., & Canavarro, M. C. (2010). Avaliação e intervenção psicológica na perda gestacional. Perita: Revista Portuguesa de Psicologia, (3), 37-46.

Brasil. (2014). Caderno Humaniza SUS. Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 4, 28-29.

Souza, E. N., & Muza, J. C. (2011). Quando a morte visita a maternidade: papel do psicólogo hospitalar no atendimento ao luto perinatal. Monografia, Universidade Católica de Brasília, Brasília.

Figueiredo, P. P., Lunardi Filho, W. D., Lunardi, V. L., & Pimpão, F. D. (2012). Mortalidade infantil e pré-natal: contribuições da clínica à luz de Canguilhem e Foucault. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(1).

Luz, A. M. H., Santos, E. S., & Mendes, S. M. A., & Agostini, S. M. (1989). Feto morto: atuação da enfermeira frente ao sentimento materno. Revista Brasileira de Enfermagem. 1989, 42(1/4), 92-100.

Muza, J. C., Souza, E. N., Arrais, A. R., & Iaconelli, V. (2013). Quando a morte visita a maternidade: atenção psicológica durante a perda perinatal. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 15(3), 34-48.

Carvalho, F. T., & Meyer, L. (2007). Perda gestacional tardia: aspectos a serem enfrentados por mulheres e a conduta profissional frente a essas situações. Boletim de Psicologia, 57(126),33-48.

Rodrigues, M. M. L., & Hogo, L. A. K. (2005). Homens e abortamento espontâneo: narrativas das experiências compartilhadas. Revista Escola de Enfermagem da USP, 39(3), 258-67.

Programa para as Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil, PNUD [Internet]. (2016). Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e bem-estar.

Ruoff, A. B., Andrade, S. R., & Schmitt, M. D. (2017) Atividades desenvolvidas pelos comitês de prevenção do óbito infantil e fetal: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(1), 267 – 342.

Bousso, R. S. (2011). A complexidade e a simplicidade da experiência do luto. Acta Paulista de Enfermagem, 24(3).

Kubler-ross, E. (2005). Sobre a morte e o morrer: o que doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-309

Refbacks

  • There are currently no refbacks.