Concentração de polifenóis no abacaxi pérola, banana prata, mamão Papaya e melancia orgânicos e convencionais / Concentration of polyphenols in pearl pineapple, silver banana, Papaya and organic and conventional watermelon

Thalita Vicente Brandão, Audrey Cristina Cintra, Pedro Ribeiro de Souza, Eliane Fialho de Oliveira, Nathália Oliveira, Gustavo Ciarelli, Renata Nascimento Matoso Souto, Manuela Dolinsky

Abstract


INTRODUÇÃO: O efeito protetor obtido pelo consumo de frutas tem sido atribuído à presença de compostos antioxidantes, como carotenóides, ácido ascórbico e compostos fenólicos. Os antioxidantes são compostos importantes presentes nos alimentos, mas sua biodisponibilidade pode ser alterada por alguns fatores. Estudos mostram que o uso de pesticidas pode causar alterações na composição nutricional das frutas.

OBJETIVO: Comparar o teor de polifenóis do abacaxi pérola, da banana prata, do mamão papaya e melancia orgânicos e convencionais.

MÉTODOS: Este estudo utilizou 100 g de cada porção do fruto para obter um extrato homogêneo para análise. Polifenóis solúveis (SP) e hidrolisados (HP) foram extraídos de acordo com a metodologia descrita por Vinson et al. A quantificação de SP e HP foi realizada usando o reagente Folin-Ciocalteu, de acordo com a metodologia descrita por Karou et al. (2005).

RESULTADOS: Após as análises, a banana e o abacaxi de cultivo convencional apresentaram valores significativamente maiores de polifenóis solúveis que as mesmas frutas de cultivo orgânico. Entretanto, todas as frutas analisadas apresentaram valores significativamente maiores de polifenóis hidrossolúveis na variedade orgânica comparada a de cultivo convencional

DISCUSSÃO: Sabe-se que existem muitas variáveis que interferem no teor de nutrientes e compostos bioativos, o solo, o clima, e inclusive a forma de cultivo do alimento. Os achados na literatura não são consistentes em relação a qual sistema de cultivo seria mais benéfico. Os resultados encontrados neste estudo foram corroborados por diversos outros autores com relação ao teor de polifenóis, presença em maior quantidade na casca e algumas diferenças significativas das frutas estudadas entre si. Recomenda-se que independente do cultivo, a população tenha o consumo regular de frutas por todos os benefícios já descritos.

CONCLUSÃO: Não existem até o momento consenso na literatura de que o modo de cultivo orgânico produza alimentos mais nutritivos ou com mais compostos bioativos.  Entretanto, nesse estudo foram encontradas diferenças significativas entre os diferentes os alimentos orgânicos e convencionais, o que sugere que novos estudos devam ser realizados.


Keywords


.

References


Dolinsky M. Nutrição Funcional. 1a edição. São Paulo: Roca; 2009. 204 p.

Dolinsky M. Nutrição Funcional. 2a edição. São Paulo: Paya; 2018. 448 p.

FAO. Promotion of Fruit and Vegetables for Health [Internet]. 2015. Disponível em: http://www.fao.org/3/a-i4935e.pdf

WHO. Word Health Organization. Increasing fruit and vegetable consumption to reduce the risk of noncommunicable diseases [Internet]. 2019 [citado 7 de julho de 2020]. Disponível em: https://www.who.int/elena/titles/fruit_vegetables_ncds/en/

Miller V, Yusuf S, Chow CK, Dehghan M, Corsi DJ, Lock K, et al. Availability, affordability, and consumption of fruits and vegetables in 18 countries across income levels: findings from the Prospective Urban Rural Epidemiology (PURE) study. The Lancet Global Health. outubro de 2016;4(10):e695–703.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares (2017-2018): Avaliação Nutricional da Disponibilidade Domiciliar de Alimentos no Brasil . Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para População Brasileira. 2a edição. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 156 p.

ABRAFRUTAS: Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados. Os rumos da produção de frutas no Brasil [Internet]. [citado 14 de maio de 2020]. Disponível em: https://abrafrutas.org/2019/11/04/os-rumos-da-producao-de-frutas-no-brasil/

Basu A, Schell J, Scofield RH. Dietary fruits and arthritis. Food Funct. 2018;9(1):70–7.

Faller ALK, Fialho E. Polyphenol content and antioxidant capacity in organic and conventional plant foods. Journal of Food Composition and Analysis. setembro de 2010;23(6):561–8.

Septembre-Malaterre A, Stanislas G, Douraguia E, Gonthier M-P. Evaluation of nutritional and antioxidant properties of the tropical fruits banana, litchi, mango, papaya, passion fruit and pineapple cultivated in Réunion French Island. Food Chemistry. dezembro de 2016;212:225–33.

Arts IC, Hollman PC. Polyphenols and disease risk in epidemiologic studies. The American Journal of Clinical Nutrition. 1o de janeiro de 2005;81(1):317S-325S.

Séfora Bezerra SOUSA M, Morais VIEIRA L, Lima A de. Fenólicos totais e capacidade antioxidante in vitro de resíduos de polpas de frutas tropicais. BJFT. 14 de setembro de 2011;14(03):202–10.

Rice-Evans CA, Miller NJ, Paganga G. Structure-antioxidant activity relationships of flavonoids and phenolic acids. Free Radical Biology and Medicine. janeiro de 1996;20(7):933–56.

Pimenta ML. Comportamento do Consumidor de Alimentos Orgânicos na Cidade de Uberlândia: um Estudo com Base na Cadeia de Meios e Fins. [Dissertação (Mestrado em Administração)]. [Uberlândia]: Universidade Federal de Uberlândia; 2008.

Brantsæter AL, Ydersbond TA, Hoppin JA, Haugen M, Meltzer HM. Organic Food in the Diet: Exposure and Health Implications. Annu Rev Public Health. 20 de março de 2017;38(1):295–313.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, organizador. Pesquisa de orçamentos familiares, 2008-2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. 8 p.

Vinson JA, Su X, Zubik L, Bose P. Phenol Antioxidant Quantity and Quality in Foods: Fruits. J Agric Food Chem. novembro de 2001;49(11):5315–21.

Karou D, Dicko MH, Simpore J, Traore AS. Antioxidant and antibacterial activities of polyphenols from ethnomedicinal plants of Burkina Faso. African Journal of Biotechnology. 2005;4(8):823–8.

Ajila C, Naidu K, Bhat S, Rao U. Bioactive compounds and antioxidant potential of mango peel extract. Food Chemistry. 2007;105(3):982–8.

USDA – United States Department of Agriculture. [citado 22 de outubro de 2011]. Disponível em: http://www.usdabrazil.org.br/>

Bara?ski M, Rempelos L, Iversen PO, Leifert C. Effects of organic food consumption on human health; the jury is still out! Food & Nutrition Research. janeiro de 2017;61(1):1287333.

Lima GPP, Vianello F, Corrêa CR, Campos RA da S, Borguini MG. Polyphenols in Fruits and Vegetables and Its Effect on Human Health. FNS. 2014;05(11):1065–82.

Kopczy?ska K, Kazimierczak R, ?rednicka-Tober D, Bara?ski M, Wyszy?ski Z, Kuci?ska K, et al. The Profile of Selected Antioxidants in Two Courgette Varieties from Organic and Conventional Production. Antioxidants. 9 de maio de 2020;9(5):404.

Vigar, Myers, Oliver, Arellano, Robinson, Leifert. A Systematic Review of Organic Versus Conventional Food Consumption: Is There a Measurable Benefit on Human Health? Nutrients. 18 de dezembro de 2019;12(1):7.

Gobbo-Neto L, Lopes NP. Plantas medicinais: fatores de influência no conteúdo de metabólitos secundários. Quím Nova. abril de 2007;30(2):374–81.

Mie A, Andersen HR, Gunnarsson S, Kahl J, Kesse-Guyot E, Rembia?kowska E, et al. Human health implications of organic food and organic agriculture: a comprehensive review. Environ Health. dezembro de 2017;16(1):111.

Liu RH. Potential Synergy of Phytochemicals in Cancer Prevention: Mechanism of Action. The Journal of Nutrition. 1o de dezembro de 2004;134(12):3479S-3485S.

Romelle F, Rani P, Manohar R. Chemical composition of some selected fruit peels. Journal of Food Science and Technology. 2016;4(4):12–21.

Gondim JAM, Moura M de FV, Dantas AS, Medeiros RLS, Santos KM. Composição centesimal e de minerais em cascas de frutas. Ciênc Tecnol Aliment. dezembro de 2005;25(4):825–7.

Veberic R, Trobec M, Herbinger K, Hofer M, Grill D, Stampar F. Phenolic compounds in some apple (Malus domestica Borkh) cultivars of organic and integrated production. J Sci Food Agric. 15 de agosto de 2005;85(10):1687–94.

Singh B, Singh JP, Kaur A, Singh N. Bioactive compounds in banana and their associated health benefits – A review. Food Chemistry. setembro de 2016;206:1–11.

Serrano J, Goñi I, Saura-Calixto F. Food antioxidant capacity determined by chemical methods may underestimate the physiological antioxidant capacity. Food Research International. janeiro de 2007;40(1):15–21.

Harvard University. Healthy Eating Plate [Internet]. The Nutrition Source. [citado 1o de agosto de 2020]. Disponível em: https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/healthy-eating-plate/

FAO. Criar Cidades Mais Verdes [Internet]. 2012. Disponível em: http://www.fao.org/3/i1610p/i1610p00.pdf

FAO. Guias alimentares podem ajudar a melhorar a dieta da população [Internet]. 2019 [citado 3 de agosto de 2020]. Disponível em: http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/pt/c/1199506/

Aune D, Giovannucci E, Boffetta P, Fadnes LT, Keum N, Norat T, et al. Fruit and vegetable intake and the risk of cardiovascular disease, total cancer and all-cause mortality—a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. International Journal of Epidemiology. 1o de junho de 2017;46(3):1029–56.

Volp ACPi, Renhe IRT, Stringueta PC. Pigmentos naturais bioativos. Alim Nutr. março de 2009;20(1):157–66.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-293

Refbacks

  • There are currently no refbacks.