Uso Indiscriminado de Ritalina® por estudantes universitários do Norte do Paraná, Brasil/ Indiscriminate use of Ritalin® by university students from Northern Parana,Brazil

Paula Cristina Campos, Jessica Fernanda Awelino, Francine Maery Dias Ferreira Romanichen

Abstract


O metilfenidato (MPH) foi sintetizado pela primeira vez em 1944, já em 1955, a companhia farmacêutica Ciba-Geigy (precursora da Novartis) foi responsável por lançar o produto no mercado. Este fármaco atua como um estimulante do sistema nervoso central, fazendo parte da família da anfetaminas. Quando o fármaco é utilizado da forma indevida pode apresentar algumas reações. Foi realizado um estudo exploratório e uma pesquisa quantitativa. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Área da Saúde, CAAE: 31114720.3.0000.5220. Nota-se que mais da metade dos indivíduos que responderam o questionário, foram do sexo feminino (58,5%), correspondendo a 83 entrevistadas, e 59 estudantes foram do sexo masculino (41,5%). Em relação a idade dos participantes da pesquisa, a maior pontuação foi entre os estudantes de  19 à 29 anos, no qual apresentou um percentual de 48,6% (n = 68), já estudantes com idade média entre 30 à 40 anos atingiram 27,5% (n = 39), 13,4% (n=19) apresentaram menos de 18 anos. . Os resultados desta pesquisa pode levar a reflexão para estudantes mostrando prejuízos que o uso indiscriminado de psicoestimulantes, sobretudo a Ritalina® pode prejudicar o usuário que se automedica.


Keywords


Ritalina®, Metilfenidato, Acadêmicos, Pílula da Inteligência, Psicoativos.

References


ADVOKAT, C. What are the cognitive effects of stimulant medication? Emphasis on adults with attention-deficit/hyperactivity disorder.Neurosci.Biobeh.Rev. 2010.

BARROS, D.; ORTEGA, F. Metilfenidato e aprimoramento cognitivo farmacológico: representações sociais de universitários. Saúde e Sociedade, v. 20, p. 350-362, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de medicamentos. Brasília. Ministério da Saúde, 2001.

CESAR, E. L. R et al. Uso prescrito de cloridrato de metilfenidato e correlatos entre estudantes universitários brasileiros. ArchivesofClinicalPsychiatry (São Paulo), v. 39, n. 6, 2012.

DA SILVA ANDRADE, L et al. Ritalina, uma droga que ameça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 7, n. 1, 2018.

FINGER, G.; SILVA, E. R.; FALAVIGNA, A. Use ofmethylphenidateamong medical students: a systematicreview. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v.59, n.3, 2013.

ITABORAHY, C. A ritalina no Brasil: uma década de produção, divulgação e consumo. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2009.

MORGAN, H. L et al. Consumo de estimulantes cerebrais por estudantes de medicina de uma universidade do extremo sul do brasil: prevalência, motivação e efeitos percebidos. Revista brasileira de educação Médica, v. 41, n. 1, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Conferência Mundial sobre Uso Racional de Medicamentos. Nairobi, 1985.

PASQUINI, N. C. Uso de metilfenido (MFD) por estudantes universitários com intuito de “turbinar” o cérebro. Biofar, 2013.

PASTURA, G.; MATTOS, P. Efeitos colaterais do metilfenidato. Rev. psiquiatr. clín. [online]., v.31, n.2, 2004.

PESSANHA, F. F.; MOTA J. S. Prevalência do uso de metilfenidato por universitários de Campos dos Goytacazes, RJ. Vértices, 2014.

SHIRAKAWA, M. D et al. Questões atuais no uso indiscriminado do metilfenidato. Omnia Saúde, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-262

Refbacks

  • There are currently no refbacks.