Manejo da esporotricose com uso de Itraconazol: revisão narrativa / Management of sporotrichosis with the use of Itraconazole: narrative review

Laerte de Paiva Viana Filho, Williana Garcia Braga, Carolina de Almeida Freitas, Júlia Teixeira Neves Binda, Laís Vieira de Lima, Luísa Faria Barbosa, Patricia Lima Torreão Mundim, Thales César Alves de Almeida

Abstract


Objetivo: abordar objetivamente as características da infecção fúngica por Sporothrix schenkii dando ênfase no seu manejo com o uso de Itraconazol. Revisão bibliográfica: a esporotricose é a infecção fúngica subcutânea mais comum da América Latina, caracterizando-se por ser subaguda ou crônica. Uma vez que o fungo penetra no organismo através de lesões com perda de continuidade da epiderme e mucosas, as manifestações clínicas podem ser diversas. Dentre as formas estão: cutânea localizada, extracutânea, disseminada e cutâneo-linfática, sendo a última a principal delas. O diagnóstico é clínico, epidemiológico e laboratorial, envolvendo principalmente a cultura da biópsia ou aspirado da lesão. Outros exames complementares podem ajudar na investigação. As medicações disponíveis em território nacional para tratamento da esporotricose são: iodeto de potássio, terbinafina, itraconazol e anfotericina B. Dessa forma, destaca-se o Itraconazol como primeira escolha para o tratamento da esporotricose cutânea e cutâneo-linfática. Sua ação e absorção são dependentes de pH ácido e sua dose varia de acordo com o quadro do paciente. Considerações finais: o Itraconazol apresenta a maior eficácia diante dos quadros mais prevalentes de esporotricose, devendo atentar às situações em que ele não está indicado, visando a evitar causar efeitos prejudiciais ao paciente

 


Keywords


Esporotricose, Tratamento farmacológico, Itraconazol

References


ANDRADE, A.M.; RAMALHO, A.A.; OPITZ, S.P.; MARTINS, F.A.; KOIFMAN, R.J. Farmacocinética e mecanismos de teratogenicidade dos medicamentos na gestação: uma revisão da literatura. Infarma-Ciências Farmacêuticas, v. 29, n 2. p. 100-107, 2017.

ANTUNES, T.A.; NOBRE, M.O.; FARIA, R.O.; MEINERZ, A.R.; MARTINS, A.A.; CLEFF, M.B.; FERNANDES, C.G.; MEIRELES, M.C. Esporotricose cutânea experimental: Avaliação in vivo do itraconazol e terbinafina. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n 6. p. 706-710, 2009.

AUNG, K.A.; TEH, B.M.; MCGRATH, C.; THOMPSON, P.J. Pulmonary sporotrichosis: case series and systematic analysis of literature on clinico-radiological patterns and management outcomes. Medical Mycology, v. 51, n 5. p. 534-544, 2013.

AZULAY, Rubem David. Dermatologia. 10 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2017.

BARROS, M.B.; SCHUBACH, T.P.; COLL, J.O.; GREMIÃO, I.D.; WANKE, B.; SCHUBACH, A. Esporotricose: a evolução e os desafios de uma epidemia. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 27, n 6. p. 455-460, 2010.

BARROS, M.B.; SCHUBACH, A.O.; OLIVEIRA, R.V.; MARTINS, E.B.; TEIXEIRA, J.L.; WANKE, B. Treatment of Cutaneous Sporotrichosis With Itraconazole - Study of 645 Patients. Clinical Infectious Diseases, v. 52, n 12. p. 200-206, 2011.

BUSTAMENTE B, LAMA J, MOSQUERA C. Sporotrichosis in human immunodeficiency virus infected Peruvian patients. Two case reports and literature review.

Infect Dis Clin Pract, v. 17, n 78. 2009.

FRIEDMAN, D.Z.; ILAN, S.S. Emerging Fungal Infections: New Patients, New Patterns, and New Pathogens. Journal of Fungi, v. 5, n 3. p. 2-19, 2019.

GREMIÃO, D.F.; PEREIRA, S.A.; MENEZES, R.C. Esporotricose, um agravo de notificação compulsória e seus riscos em gatos domésticos: 15 casos com lesão nasal refratária. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 15, n 3. p. 94, 2017.

KAUFFMAN, C.A.; BUSTAMANTE, B.; CHAPMAN, S.W.; PAPPAS, P.G. Clinical Practice Guidelines for the Management of Sporotrichosis: 2007 Update by the Infectious Diseases Society of America. IDSA Guidelines for Management of Sporotrichosis, v. 45, n 10. p. 1255-1265, 2007.

LINDSAY, J.; MUDGE, S.; THOMPSON, G.R. Effects of Food and Omeprazole on a Novel Formulation of Super Bioavailability Itraconazole in Healthy Subjects. Antimicrob Agents Chemoter, v. 62, n 12. p. :e01723-18, 2018.

LINDSAY, J.; MUDGE, S.; THOMPSON, G.R. Effects of Food and Omeprazole on a Novel Formulation of Super Bioavailability Itraconazole in Healthy Subjects. Antimicrob Agents Chemoter, v. 63, n 11., 2018.

LOPES, J.O.; ALVES, S.H.; MARI, C.R.; BRUM, L.M.; WHESTPHALEN, J.B.; ALTERMAN, M.J. Epidemiologia da esporotricose na região central do Rio Grande do Sul. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v 32, n 5. p. 541-545, 1999.

MACEDO-SALES, P.A.; SOUTO, S.R.; DESTEFANI, C.A.; LUCENA, R.P.; ROCHA, E.M.; BAPTISTA, A.R. Diagnóstico laboratorial da esporotricose felina em amostras coletadas no estado do Rio de Janeiro, Brasil: limitações da citopatologia por imprint. Rev Pan-Amaz Saude, v. 9, n 2. p. 13-19, 2018.

OROFINO-COSTA, R.; BERNARDES, A.R.; LUNA, B.F.; NEVES, M.L. Esporotricose na gestação: relato de cinco casos numa epidemia zoonótica no Rio de Janeiro, Brasil. An Bras Dermatol, v. 86, n 5. p. 995-998, 2011.

OROFINO-COSTA, R.; MACEDO, P.M.; RODRIGUES, A.M.; BERNARDES, A.R. Sporotrichosis: an update on epidemiology, etiopathogenesis, laboratory and clinical therapeutics. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 92, n 5. p. 606-620, 2017.

OYARCE, J.A.; GARCIA, C.; ALAVE, J.; BUSTAMENTE, B. Caracterización epidemiológica, clínica y de laboratório de esporotricosis en pacientes de un hospital de tercer nivel en Lima-Perú, entre los años 1991 y 2014. Revista Chilena de Infectología, v. 33, n 3. p. 315-421, 2016.

TSIMOGIANNI, A.M.; ANDRIANAKIS, I.; BETROSIAN, A.; DOUZINAS, E. Cardiac arrest provoked by itraconazole and amiodarone interaction: a case report. J Med Case Rep, v. 5, n 333, 2011.

VELOSO, M.I. Anfotericina B, Cetoconazol, Itraconazol e Fluconazol – Uso Terapêutico e Efeito sobre o Sistema Imune. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Farmacêuticas). Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2010; 45 p.

VISHESH, P.; HARSH, R. Cardiotoxicity with Itraconazole. BMJ Case Rep, 2017; 2017:bcr2017219376.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-261

Refbacks

  • There are currently no refbacks.