Mensuração do forame jugular em crânios secos provenientes da região centro-oeste do Brasil / Measurement of the jugular foramen in dry skulls from the Midwest region of Brazil

João Victor Camargo Caldeira, André Gustavo de Lima Godas, Giovanna Bruna de Almeida Carvalho, Kelly Regina Torres da Silva, Aline Rafaela da Silva Rodrigues Machado, Pablo Felipe de Almeida, André Valério da Silva

Abstract


O forame jugular (FJ) é considerado uma grande abertura irregular localizada na parte posterior da sutura occipitomastóidea entre o processo jugular do osso occipital e a fossa jugular; por ele passa uma série de estruturas importantes: a veia jugular interna, os nervos cranianos glossofaríngeo, vago, acessório e eventualmente o seio petroso inferior, o que evidencia a importância clínica de se entender a anatomia desse forame bem como as relações e possíveis complicações de suas estruturas. Dessa forma, nosso objetivo foi realizar a análise morfológica e morfométrica do FJ em crânios humanos, comparando os diâmetros anteroposterior (AP) e médio-lateral (ML) entre os sexos. Foram selecionados de forma aleatória 104 crânios humanos do acervo do Laboratório de anatomia da Universidade Federal de Mato Groso do Sul - Três Lagoas, sendo divididos em 52 crânios masculinos e 52 crânios femininos. A mensuração foi realizada utilizando-se um paquímetro analógico 6” da marca zaas precision. Avaliou-se a morfometria do FJ no sentido AP e ML. Foi usado o software GraphPad Prism, versão 6.01, inicialmente aplicando conceitos de estatística descritiva e posteriormente o teste t de Studant para averiguar se existem diferenças entre os FJ no mesmo crânio ou quando comparamos os gêneros. Foi pesquisada a presença de septação óssea completa e incompleta. Nossos resultados mostram que o diâmetro médio de todos os FJ, em ambos os sexos, no eixo AP foi de 9,30 mm no lado direito e 8,45 mm no esquerdo e no eixo ML foi 13,73 mm do lado direito e 13,72 mm do esquerdo; evidenciando uma tendência do FJ ser maior no diâmetro AP direito. Nenhum destes dados foi estatisticamente significante, exceto quando comparada a lateralidade do diâmetro AP dentro do grupo de crânios femininos, em que se obteve maior medida do lado direito 9,33 mm P ≤0,05. Notamos um aspecto oval do FJ ao longo do eixo médio-lateral. O FJ é uma estrutura importante para o estudo da base do crânio devido a sua diversificada anatomia relações entre suas estruturas neurovasculares e seu variado aspecto e tamanho, logo compreender e estudar tal estrutura atrai a atenção de muitos neurocirurgiões e especialistas da área.


Keywords


Forame, Jugular, Crânio.

References


Anatomy, S. S. G. S. (2008). The anatomical basis of clinical practice. New York, London, Philadelphia: Churchill Livingstone Elsevier. pp. 423–34.

CALÁBRIA, Kenia Cristina, et al. Estudo morfométrico dos crânios do acervo do laboratório de anatomia humana da Universidade Federal de Uberlândia. 2020.

Das, S. S., Saluja, S., & Vasudeva, N. (2016). Complete morphometric analysis of jugular foramen and its clinical implications. Journal of craniovertebral junction & spine, 7(4), 257.

De Freitas, C. A. F., de Oliveira Filho, E. N., Brandão, L. G., & dos Santos, L. R. M. (2009). Estudo da disposição anatômica da veia jugular interna, nervos glossofaríngeo, vago e acessório, na abertura inferior do forame jugular. diagnóstico, 6, 9-11.

De Lima Godas, A. G., Caldeira, J. V. C., de Almeida Carvalho, G. B., Mateus, G. B. L., Tonelli, L. B., da Silva, K. R. T., & da Silva, A. V. (2020). Avaliação da incidência do forame de Vesálius (forame emissário esfenoidal) em crânios secos provenientes da região centro-oeste do Brasil. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 8475-8487.

Gupta, C., Kurian, P., Seva, K. N., Kalthur, S. G., & D'Souza, A. S. (2014). A morphological and morphometric study of jugular foramen in dry skulls with its clinical implications. Journal of craniovertebral junction & spine, 5(3), 118.

Idowu, O. E. (2004). The jugular foramen-a morphometric study. Folia morphologica, 63(4), 419-422.

ISHWARKUMAR, S.; NAIDOO, N.; LAZARUS, L.; PILLAY, P. & SATYAPAL, K. S (2015). An osteometric evaluation of the jugular foramen. Int. J. Morphol, 33(1), 251-254.

J.P. Vanrell. Odontologia Legal & Antropologia Forense. 2 ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, Brasil, 273, 2009.

Junior, S. P. R. (2012). Estudo morfométrico comparativo do sulco do seio sigmóideo e do forame jugular.

Kothari, S; Thenmozhi, M.S. (2012). Quantitative Analysis of Jugular Foramen in Human adult Dry Skulls. Int. J. Pharm. Sci. Rev. Res., 43(2); Article No. 31, Pages: 161-163.

Osunwoke, E. A., Oladipo, G. S., Gwunireama, I. U., & Ngaokere, J. O. (2012). Morphometric analysis of the foramen magnum and jugular foramen in adult skulls in southern Nigerian population. Am J Sci Ind Res, 3(6), 446-8.

Pereira, G. A. M., Lopes, P. T. C., Santos, A. M. P. V., & Krebs, W. D. (2010). Morphometric aspects of the jugular foramen in dry skulls of adult individuals in Southern Brazil. J Morphol Sci, 27(1), 3-5.

Rhoton Jr, A. L. (2000). Jugular foramen. Neurosurgery, 47(suppl_3), S267-S285.

Rhoton, A. L., & Buza, R. (1975). Microsurgical anatomy of the jugular foramen. Journal of neurosurgery, 42(5), 541-550.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-256

Refbacks

  • There are currently no refbacks.