O poliedro cartoetnográfico: conceitos, noções e saberes conjugados na matriz cartoetnográfica de linhas de pensamento / The polyhedron cartoetnographic: concepts, notions and knowledge conjugated in the cartoetnographic matrix of lines of thought

Clarice Moreira Portugal, Mônica de Oliveira Nunes

Abstract


O presente artigo discute a elaboração de uma matriz teórico-conceitual de análise qualitativa que se preste a pesquisas cartoetnográficas (Portugal & Nunes, 2015). Combinando a análise sociocultural à observação da transformação das paisagens socioexistenciais – o que exige contemplar aspectos simbólicos e fenomenológicos, bem como o trânsito entre o subjetivo/ singular e o coletivo –, empreendeu-se o esforço de criação do que aqui se denomina “matriz cartoetnográfica de linhas de pensamento”. A referida matriz conjuga diversos artefatos teóricos, mais precisamente, os conceitos de modos de existência (Latour, 2013), sofrimento social (Kleinman, Das, & Lock, 1997), reconhecimento (Honneth, 2003), atuação (Mol, 2002), agência lateral (Berlant, 2011), táticas e estratégias (De Certeau, 1998) e modos de agir (Marques, 2016). Conclui-se que essa matriz permite acessar os aspectos supracitados, sendo útil a pesquisas que demandem articular a perspectiva socioantropológica a um olhar sobre a subjetividade e o sofrimento humanos, em especial os estudos socioantropológicos em saúde.


Keywords


Cartoetnografia, Análise de dados, Metodologias qualitativas, Antropologia médica crítica, Sofrimento social.

References


Abma, T. et al. (2017). Social impact of participatory health research: collaborative non-linear processes of knowledge mobilization. Educational Action Research, 25.

Berlant, L. (2011). Cruel Optimism. Durham & London: Duke University Press.

Bibeau, G., Corin, E. (1995). From submission to the text to interpretative violence. In Beyond Textuality. Asceticism and Violence. Anthropological Interpretation. Approaches to Semiotics Series (3-54). Berlim, Alemanha: Mouton de Gruyter.

Biehl, J.; Good, B., & Kleinman, A. (2007). Subjectivity: Ethnographic Investigations. Berkeley & Los Angeles: University of California Press.

Bourdieu, P. (2008). A miséria do mundo. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Das, V. (1997). Suffering, theodicies, disciplinary practices, appropriations. International Social Sciences Journal, 154, 563-572.

De Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2007). Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo, Brasil: Ed. 34.

Guattari, F. (1981). Revolução molecular – pulsações políticas do desejo. São Paulo, Brasil: Ed. Brasiliense.

Honneth, A. (2003). Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo, Brasil: Editora 34.

Ingold, T. (2005). Jornada ao longo de um caminho de vida: mapas, descobridor-caminho e navegação. Religião e Sociedade, 26(1), 76-110.

Kleinman, A., Das, V., & Lock, M. (1997). Social suffering. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press.

Latour, B. (2013). An Inquiry into Modes of Existence - an Anthropology of the Moderns. Cambridge, London: Harvard University Press.

Marcus, G. (1995). Etnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, 24, 95-117.

Marques, T.P. (2016). Modos de agir: a doença mental nas tramas históricas. In J. Neves (Ed.). Quem faz a História (71-82). Lisboa, Portugal: Tinta da China.

Mol, A. (2002). The body multiple: ontology in medical practice. Durham & London: Duke University Press.

Portugal, C.M., Nunes, M.O. (2015). Entre o dito e o feito: uma análise preliminar da questão da aflição e do sofrimento nos estudos antropológicos sobre o candomblé. Physis, 25(4), 1313-1333.

Portugal, C.M. (2018). Entre enredos de axé e redes de saúde mental: uma cartoetnografia de adeptos do candomblé em processo de desinstitucionalização (Doctoral dissertation). UFBA, Brasil.

Pusseti, C. & Brazzabenni, M. (2011). Sofrimento social: idiomas da exclusão e políticas do assistencialismo. Etnográfica, 15(3), 467-478.

Renault, E. (2010). A Critical Theory of Social Suffering. Critical Horizons, 11(2), 221-241.

Rolnik, S. (2014). Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre, Brasil: Sulina; Editora da UFRGS.

Souriau, É. (1939). L'nstauration philosophique. Paris: Felix Alcan, 1939.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-249

Refbacks

  • There are currently no refbacks.