Violência obstétrica: um problema de saúde pública e uma violação dos direitos humanos / Obstetric violence: a public health problem and a violation of human rights

Fernando da Silva Queiroz, Jenniffer Siqueira Rodrigues, Carla Sousa da Silva, Nayana Lobato Betcel, Antenor Matos de Carvalho Junior, Júlya Robert de Oliveira Azevedo, Antonia Regiane Pereira Duarte Valente

Abstract


OBJETIVO: Este estudo objetiva mostrar um parâmetro atual de violência obstétrica e discorrer acerca dos tipos de violências sofridas por mulheres em âmbito obstétrico. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão literária de forma exploratório, analítica e interpretativa, utilizando trabalhos publicados na Biblioteca virtual em saúde (BVS), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Revista Científica de Enfermagem entre 2016 e 2019. RESULTADOS: Em 2018, o Ministério de Direitos Humanos recebeu 117 denúncias de casos de violência obstétrica, a realização de cirurgias de cesariana, quando não indicada, é a mais frequentes dentre os tipos de violência. Cesárias são mais comuns em hospitais privados do que na rede pública, chegando a 83% dos partos realizados serem cesarianos. Constatou-se ainda que, 90% dos óbitos durante o parto poderiam ser evitados, isso se relaciona com a quantidade excessiva de procedimentos invasivos realizados, destacando a episiotomia que é realizada em 53,5% dos partos. Além disso, casos de violência obstétrica também estão associados a violência verbal e física de profissionais, ao veto do acompanhamento do cônjuge durante o período de parto, entre outros. CONCLUSÃO: No Brasil, uma em cada quatro parturientes sofrem agressões durante o período gravídico, e isso engloba todo tipo de violência durante a gestação, parto, pós-parto e abortamento. Tal problemática é considerada, além de um problema de saúde pública, uma violação de direitos humanos, tendo em vista que contravém ao direito que toda mulher possui de receber um atendimento integralizado conforme estabelece os princípios do SUS. IMPLICAÇÕES PARA ENFERMAGEM: Neste cenário é imprescindível que o protagonismo da mulher seja mantido e incentivado, para tanto necessita-se melhorar o acesso e a capacitação dos profissionais neste sentido objetivando garantir um atendimento livre de negligencias, omissões, atitudes abusivas e desrespeitosas durante o período gravídico e trabalho de parto.


Keywords


Violência Contra a Mulher, Enfermagem obstétrica, Assistência integral à saúde.

References


BARBOSA, L.C.; FABBRO, M.R.C.; MACHADO, G.P.R. Violência Obstétrica: revisão integrativa de pesquisas quantitativas. Avances en Enfermería, 2017. Acesso em: http://www.scielo.org.co/pdf/aven/v35n2/0121-4500-aven-35-02-00190.pdf

BRANDT, G.P. et al. Violência Obstétrica: a verdadeira dor do parto. Revista Gestão & Saúde, 2018. Acesso em: http://www.herrero.com.br/files/revista/file2a3ed78d60260c2a5bedb38362615527.pdf

CARNIEL, F.; VITAL D.S.; SOUZA T.D.P.; Episiotomia de rotina: necessidade versus violência obstétrica. Journal of Nursing and Health, 2019. Acesso em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2019/12/1047273/9.pdf

ESTUMANO, V.K.C. et al. Violência obstétrica no Brasil: casos cada vez mais frequentes. Revista Científica de Enfermagem, 2017. Acesso em: https://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/185

JARDIM, D.N.B.; MODENA, C.M. A violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2018. Acesso em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v26/pt_0104-1169-rlae-26-e3069.pdf

LANSKY, S. et al. Violência obstétrica: influência da Exposição Sentidos do Nascer na vivência das gestantes. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 2019. Acesso em: https://scielosp.org/article/csc/2019.v24n8/2811-2824/#

MAGALHÃES, M.M. et al. Os Determinantes da Realização de Cesárias no Brasil. INSPER, 2019. Acesso em: https://www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2019/08/Policy-Paper-41-Ces%C3%A1reas.pdf

SANTOS, R.C.S; SANTOS, R.G. Fatores relacionados com a prática da episiotomia no Brasil: revisão de literatura. Estação Científica (UNIFAP), 2016. Acesso em: http://dx.doi.org/10.18468/estcien.2016v6n2.p43-52

ZANARDO, G.L.P. et al. Violência Obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Revista Psicologia & Sociedade, 2019. Acesso em: https://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e155043.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-240

Refbacks

  • There are currently no refbacks.