Vacinação na Comunidade: Uma estratégia para o aumento da cobertura Vacinal por uma equipe de Saúde da Família / Vaccination in the Community: A strategy for increasing vaccination coverage by a Family Health team

Alessandra de Almeida Silva Figueredo, Maria Amélia Vieira, Cynthia Dannielle Wanderley Rocha, Edna Vieira Santos, Kátia Floripes Bezerra

Abstract


Introdução: Desde a criação do Programa Nacional de Imunização (PNI) pelo Ministério da Saúde (MS) em 1973 que suas ações tem sido uma estratégia eficiente para a prevenção de agravos imunopreveníveis no Brasil. A vacinação é considerada uma das maiores conquistas em saúde pública do século XX e também uma das medidas de prevenção mais seguras e de melhor relação custo-efetividade para os sistemas de saúde. Nessa perspectiva, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) conta com uma população adstrita que tem o maior vínculo dos profissionais da equipe, sendo assim, levar as vacinas para próximo dos usuários é uma possibilidade de aumento da cobertura vacinal nas diversas faixas etárias. Objetivos: demonstrar a importância de uma ação de imunização por uma equipe da ESF em um bairro da periferia de Maceió-Al e comprovar o aumento da cobertura vacinal com a ação. Método: relato de experiência de uma ação realizada por uma equipe da ESF. Resultados: após a ação foi possível comprovar um aumento significativo na cobertura da vacina influenza no público alvo assistido de 80 para 95%, como também uma adesão de homens e adolescentes que não buscam atendimentos na Unidade Básica de Saúde. Conclusão: a ação realizada demonstrou ser eficiente para o aumento da cobertura vacinal, como também aproximou a equipe da comunidade, que recebeu orientações sobre a importância da vacinação na prevenção de agravos à saúde.


Keywords


Imunização, Saúde da família, Cobertura vacinal.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf. Acesso em: 10 outubro de 2019 as 19:21;

FERREIRA ET AL. Movimento antivacinação no Facebook®: uma análise criticada disseminação de notícias falsas. Braz. J. of develop. Vol. 06 n.09, Curitiba, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/16365. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

NOBREGA L.A.L. et al. Avaliação da implantação dos Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 2016.

QUEIROZ et al. Cobertura vacinal do esquema básico para o primeiro ano de vida nas capitais do Nordeste brasileiro. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2013.

SANTOS ET AL. O conhecimento sobre o calendário vacinal infantil até 15 meses de idade entre seus acompanhantes e os profissionais de saúde. Braz. J. of develop. Vol. 06 n.04, Curitiba, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/8600. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

YOKOKURA et al. Cobertura vacinal e fatores associados ao esquema vacinal básico incompleto aos 12 meses de idade, São Luiz, Maranhão, Brasil, 2006. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2013.

MOVIMENTO ANTIVACINA É UMA DAS DEZ AMEAÇAS PARA A SAÚDE MUNDIAL. SBMT-Sociedade brasileira de Medicina Tropical, 2019. Disponível em: . Acesso em: 14 de Set de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-235

Refbacks

  • There are currently no refbacks.