A prática do aleitamento materno exclusivo e sua correlação com a escala de autoeficácia / The practice of exclusive breastfeeding and its correlation with the self-efficacy scale

Viviane Carneiro Cysneiros, Lorenna da Silva Braz, Ana Maria Pereira da Silva Correia, Vitória Castilho Amâncio, Isadora Garcia Carneiro Kriunas Severino, Marluce Martins Machado

Abstract


Objetivos: A autoeficácia em amamentação é um fator que pode influenciar os índices de aleitamento materno e caracteriza-se pela confiança ou expectativa da mãe com relação aos seus conhecimentos e habilidades para amamentar seu bebê com êxito. Diante disso, o objetivo desse estudo é correlacionar os índices de aleitamento materno exclusivo aos quatro meses com os resultados obtidos na Breastfeeding Self-Efficacy Scale - Short Form (BSES-SF) e com os resultados obtidos em um questionário de dados socioeconômicos. Métodos: Trata-se de um estudo de natureza descritiva do tipo transversal realizado com puérperas de um hospital da rede suplementar de saúde da cidade de Anápolis – Goiás. Resultados: Identificou-se que a maior parte das puérperas entrevistadas tinham entre 26 e 32 anos, eram casadas, possuíam ensino médio completo, trabalhavam fora e realizaram mais de 6 consultas no pré-natal. Quanto a BSES-SF e a prevalência do aleitamento materno exclusivo, obteve-se uma relação estatisticamente significativa (p≤ 0,05), mostrando que as puérperas que tiverem alta autoeficácia tiveram 2,7 vezes mais chance de amamentar exclusivamente até o 4° mês, quando comparadas àquelas que tiveram média ou baixa autoeficácia. Conclusão: A BSES-SF é um instrumento confiável na identificação das puérperas com maior risco ao desmame precoce e reforça-se a importância de ampliar as ações de promoção da amamentação.


Keywords


Aleitamento materno, Autoeficácia, Desmame.

References


(WHO) World Health Organization. Estratégia Global para a Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira Infância. Geneva; 2003.

Lodge CJ, Tan DJ, Lau M, Dai X, Tham R, Lowe AJ, et al. Breastfeeding and asthma and allergies: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; 104(467):38-53.

Bowatte G, Tham R, Allen KJ, Tan DJ, Lau M, Dai X, et al. Breastfeeding and childhood acute otitis media: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; 104(467):85-95.

Horta BL, Mola CL, Victora CG. Long-term consequences of breastfeeding on cholesterol, obesity, systolic blood pressure, and type 2 diabetes: systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; 104(467):30-7.

Chowdhury R, Sinha B, Sankar MJ, Taneja S, Bhandari N, Rollins N, et al. Breastfeeding and maternal health outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; 104(467):96-113.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília, 2009; Editora do Ministério da Saúde, 1ed, p. 1-108.

Margotti E, Margotti W. Fatores relacionados ao Aleitamento Materno Exclusivo em bebês nascidos em hospital amigo da criança em uma capital do Norte brasileiro. Saúde Debate. 2017; 41(114):860-71.

Tavares MC, Aires JS, Dodt RCM, Joventino ES, Oriá MOB, Ximenes LB. Application of Breastfeeding Self-efficacy Scale–Short Form to post-partum women in rooming-in care: a descriptive study. Online Braz J Nurs. 2010; 9(1):[s.n.].

Sinha B, Chowdhury R, Sankar MJ, Martines J, Taneja S, Mazumder S, et al. Interventions to improve breastfeeding outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; 104(467):114–35.

Pereira-Santos M, Santana MS, Oliveira DS, Nepomuceno Filho RA, Lisboa CS, Almeida LMR, et al. Prevalência e fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo: metanálise de estudos epidemiológicos. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2017; 17(1):69-78.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcellos AGG. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev saúde pública. 2011; 45(1):69-78.

Margotti E, Epifanio M. Aleitamento materno exclusivo e a Escala de Autoeficácia na Amamentação. Rev Rene. 2014; 15(5):771-9.

Soares MEM, Giugliani ERJ, Braun ML, Salgado ACN, Oliveira AP, Aguiar PR. Uso de chupeta e sua relação com o desmame precoce em população de crianças nascidas em Hospital Amigo da Criança. J Pediatr. 2003; 79(4):309-16.

Soares LS, Silva GRF, Gouveia MTO, Brandão EC, Oriá MOB. Aplicação da escala reduzida de autoeficácia em amamentação no contexto da Estratégia Saúde da Família. Enferm Foco. 2014; 5(3/4):49-52.

Oriá MOB, Ximenes LB. Tradução e adaptação cultural da Breastfeeding Self-Efficacy Scale para o português. Acta Paul Enferm. 2010; 23(2):230-8.

Yassuda MS, Lasca VB, Neri AL. Meta-memória e autoeficácia: Um estudo de validação de instrumentos de pesquisa sobre memória e envelhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2005; 18(1):78-90.

Souza EFC, Fernandes RAQ. Autoeficácia na amamentação: um estudo de coorte. Acta Paul Enferm. 2014; 27(5):465-70.

Lewallen LP. A review of instruments used to predict early breastfeeding attrition. J of Perinatal Educ. 2006;15(1):26-41.

Faleiros FTV, Trezza EMC, Carandina L. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Rev Nutr. 2006; 19(5):623-30.

Bizerra RL, Carnaúba JP, Chaves AFL, Rocha RS, Vasconcelos HCA, Oriá MOB. Autoeficácia em amamentar entre mães adolescentes. Rev Eletr Enf. 2015; 17(3):[s.n.].

Rodrigues AP, Padoin SMM, Guido LA, Lopes LFD. Fatores do pré-natal e do puerpério que interferem na autoeficácia em amamentação. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(2):257-61.

(WHO) World Health Organization. The Global Numbers and Costs of Additionally Needed and Unnecessary Caesarean Sections Performed per Year: Overuse as a Barrier to Universal Coverage. Geneva; 2010.

Esteves TMB, Daumas RP, Oliveira MIC, Andrade CAF, Leite IC. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2014; 48(4):697-703.

Vieira GO, Reis MR, Vieira TO, Oliveira NF, Silva LR, Giugliani ER. Trends in breastfeeding indicators in a city of northeastern Brazil. J Pediatr. 2015; 91(3):270-7.

Pellegrinelli ALR, Pereira SCL, Ribeiro IP, Santos LC. Influência do uso de chupeta e mamadeira no aleitamento materno exclusivo entre mães atendidas em um Banco de Leite Humano. Rev. Nutr. 2015; 28(6):631-9.

Dodt RCM. Aplicação e validação da Breastfeeding Self-efficacy Scale – Short Form em puérperas[Dissertação]. Fortaleza: Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da Universidade Federal do Ceará; 2008.

Amaral LJX, Sales SS, Carvalho DPSRP, Cruz GKP, Azevedo IC, Ferreira Júnior MA. Fatores que influenciam na interrupção do aleitamento materno exclusivo em nutrizes. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(spe):127-34.

Souza LMBM, Almeida JAG. História da alimentação do lactente no Brasil: do leite fraco à biologia da excepcionalidade. 1ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2005.

Rocci E, Fernandes RAQ. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1):22-7.

Araújo OD, Cunha AL, Lustosa LR, Nery IS, Mendonça RCM, Campelo SMA. Aleitamento materno: fatores que levam ao desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2008; 61(4):488-92.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-226

Refbacks

  • There are currently no refbacks.