Resultados negativos associados ao uso de medicamentos em idosos com hipertensão e diabetes em Unidade Básica de Saúde de São Paulo / Negative outcomes associated with medication in elderly with hypertension and diabetes in a Basic Health Unit of São Paulo

Jaqueline Rocha Borges dos Santos, Rhayná de Oliveira Rodrigues Mathias

Abstract


Hipertensão arterial e diabetes mellitus são patologias com manifestação associada, especialmente em idosos. Para tanto, o tratamento farmacológico deve ser definido de maneira criteriosa, devido à prescrição de múltiplos fármacos. A polifarmácia conduz ao aumento de ocorrência de resultados negativos associados à utilização de medicamentos (RNM), especialmente quando não ocorre o seguimento farmacoterapêutico. O objetivo deste trabalho foi identificar RNM associados aos tratamentos para hipertensão e diabetes, em pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde (UBS) na cidade de Ferraz de Vasconcelos em São Paulo. Para tanto, trinta pacientes foram selecionados, com idade entre 50 e 85 anos. Três pacientes foram excluídos do estudo, por ausência durante o acompanhamento que aconteceu por seis semanas. Os RNM de efetividade foram os mais encontrados representando 51,8%; seguido por RNM de segurança, representando 18,5%; e por fim de necessidade, representando 14,8%. Durante o estudo não foi encontrado RNM em 4 pacientes (14,8%). O estudo mostra que a não adesão ao tratamento denota a característica comum em RNM de efetividade, sinalizando que o seguimento farmacoterapêutico é decisivo à adesão e ao uso racional de medicamentos.

 

 


Keywords


Hipertensão. Diabetes mellitus. Atenção à saúde do idoso. Atenção farmacêutica.

References


Camargos MCS, Machado CJ, Rodrigues RN. Diabetes e hipertensão: quantos anos os jovens idosos de 60 anos de Minas Gerais podem esperar viver sem essas doenças? In: Anais do XIII Seminário sobre a Economia Mineira [Proceedings of the 13th Seminar on the Economy of Minas Gerais]; 2008; Belo Horizonte. p.1-11.

Miranda RD, Perrotti TC, Bellinazzi VR, Nóbrega TM, Cendoroglo MS, Neto JT. Hipertensão arterial no idoso: peculiaridades na fisiopatologia, no diagnóstico e no tratamento. Rev. Bras. Hipertensão 2002; 9:293-300.

World Health Organization (WHO). A global brief on hypertension. Geneva: WHO, 2013. 40 p.

World Health Organization (WHO). Classification of diabetes mellitus 2019. Geneva: WHO, 2019. 40 p.

Brasil. Ministério da Saúde. A implantação arterial e diabetes mellitus. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde, Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/miolo2002.pdf. Acesso em 16.06.2019.

Toscano CM. As campanhas nacionais para detecção das doenças crônicas não transmissíveis: diabetes e hipertensão arterial. Ciênc. Saúde Coletiva 2004; 9(4):885-895.

American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes - 2019 Abridged for Primary Care Providers. Clin. Diabetes 2019; 37(1):11-34.

Alves LC, Leimann BCQ, Vasconcelos MEL, Carvalho MS, Vasconcelos AGG, Fonseca TCO, Lebrão ML, Laurenti R. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do município de São Paulo. Cad. Saúde Pública 2006; 23(8):1924-1930.

António S, Ferreira P, Esteves MC, Cabanelas N. Terapêutica anti-hipertensiva em doentes diabéticos. Rev. Port. Clínica Geral 2008; 24:403-9.

Moreira HG, Sette JBC, Keiralla LCB, Alves SG, Pimenta E, Sousa M, Cordeiro A, Passarelli Jr O, Borelli FAO, Amodeo C. Diabetes mellitus, hipertensão arterial e doença renal crônica: estratégias terapêuticas e suas limitações. Rev. Bras. Hipertens. 2008; 15(2):111-116.

Bonino B, Leoncini G, De Cosmo S, Greco E, Russo GT, Giandalia A, Viazzi F, Pontremoli R. Antihypertensive Treatment in Diabetic Kidney Disease: The Need for a Patient-Centered Approach. Medicina (Kaunas) 2019; 55(7):382.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Rev. Bras. Hipertens. 2017; 24(1):12-91.

Ribeiro AS, Seixas R, Gálvez JM, Climent V. Cardiovascular risk factors: Is the metabolic syndrome related to aging? Epidemiology in a Portuguese population. Diabetes Metab. Syndr. 2018; 12(6):885-891.

Simó-Servat O, Hernández C, Simó R. Diabetic retinopathy in the context of patients with diabetes. Ophthalmic Res. 2019: 24:1-7.

Alvarenga C. Hipertensão arterial na diabetes mellitus tipo 2: evidência para a abordagem terapêutica. Rev. Port. Clin. Geral 2005; 21:597- 604.

Bello NA, Pfeffer MA, Skali H, McGill JB, Rossert J, Olson KA, Weinrauch L, Cooper ME, de Zeeuw D, Rossing P, McMurray JJ, Solomon SD. Retinopathy and clinical outcomes in patients with type 2 diabetes mellitus, chronic kidney disease, and anemia. BMJ Open Diabetes Res. Care 2014; 6;2(1):e000011.

Kant R, Munir KM, Kaur A, Verma V. Prevention of macrovascular complications in patients with type 2 diabetes mellitus: Review of cardiovascular safety and efficacy of newer diabetes medications. World J. Diabetes 2019; 10(6):324-332.

Lyra Júnior DP, Amaral RT, Veiga EV, Cárnio EC, Nogueira MS, Pelá IR. A farmacoterapia no idoso: revisão sobre a abordagem multiprofissional no controle da hipertensão arterial sistêmica. Rev. Latino-am Enfermagem 2006; 14(3):435-41.

Armando P, Semería N, Tenllado M, Sola N. Pharmacotherapeutic follow-up of patients in community pharmacies. Aten. Primaria 2005; 36(3):129-34.

Amariles P, Sabater-Hernández D, García-Jiménez E, Rodríguez-Chamorro MÁ, Prats-Más R, Marín-Magán F, Galán-Ceballos JA, Jiménez-Martín J, Faus MJ. Effectiveness of Dader Method for pharmaceutical care on control of blood pressure and total cholesterol in outpatients with cardiovascular disease or cardiovascular risk: EMDADER-CV randomized controlled trial. J. Manag. Care Pharm. 2012; 18(4):311-23.

Correr CJ, Pontarolo R, Ferreira LC, Baptistão SAM. Riscos de problemas relacionados com medicamentos em pacientes de uma instituição geriátrica. Rev. Bras. Ciênc. Farmacêuticas 2007; 43 (1): 55-62.

Abaurre-Labrador R, Maurandi-Guillén MD, García-Delgado P, Moullin JC, Martínez-Martínez F, García-Corpas JP. Effectiveness of a protocolized dispensing service in community pharmacy for improving patient medication knowledge. Int. J. Clin. Pharm. 2016; 38(5):1057-62.

Comité de Consenso. Tercer Consenso de Granada sobre problemas relacionados con los medicamentos (PRM) y resultados negativos asociados a la medicación (RNM). Ars. Pharm. 2007;48:5-17.

Willians B, Mancia G; Spiering W, Rosei EA, Azizi M, Burnier M, Clement DL. et al. 2018 ESC/ESH Guidelines for the management of arterial hypertension. The task force for the management of arterial hypertension of the European Society of Cardiology and the European Society of Hypertension. J. Hypertension 2018; 36: 1953–2041.

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. Organização: José Egídio Paulo de Oliveira, Renan Magalhães Montenegro Junior, Sérgio Vencio. São Paulo: Editora Clannad. 2017.

Faria DP, Rossignoli P, Correr CJ, Souza RAP. Acompanhamento farmacoterapêutico em pacientes hipertensos de muito alto risco. Rubs. 2008;1 (3): 29-36.

Moura MR, Reyes FG. Interação fármaco-nutriente: uma revisão. Rev. Nutr. 2002; 15(2):223-38.

Schweigert ID, Plestch MU, Dallepianne LB. Interação medicamento-nutriente na prática clínica. Rev. Bras. Nutr. Clín. 2008;23(1):72-7.

Almeida HO, Versiani ER, Dias AR, Novaes MRCG, Trindade EMV. Adesão a tratamentos entre idosos. Com. Ciênc. Saúde 2007; 18(1):57-67.

Nogueira WS, Casseb GE, Pastana TL, Reis GR, Côrrea SVA, Machado MGV, Monteiro MS, Martins BP. Estratégias de educação em saúde e adesão ao tratamento nutricional anti-hipertensivo: relato de experiência baseado no arco de maguerez. Braz. J. Hea. Rev. 2020; 3(5):12616-12626.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-222

Refbacks

  • There are currently no refbacks.