O fisioterapeuta na equipe de atenção básica prisional: Os desafios da saúde pública no cárcere / The physiotherapist in the prison basic care team: The challenges of public health in the jail

Gabriel Vinícius Reis de Queiroz, Tatiane Bahia do Vale Silva, Otoniel Reis da Silva, Adriane Cristina Fonseca Brandão, Ana Oneide Brito Vasconcelos, Carlos Arthur da Silva Milhomem, Felipe Gomes Pereira, Brenda Souza Moreira

Abstract


Introdução: A população privada de liberdade comumente enfrenta degradantes condições de encarceramento, o que favorece o aparecimento de problemas de saúde. O sistema prisional possui alguns fatores que desfavorecem a reinserção social, tais como: superlotação, violência intramuros, falta de infraestrutura e recursos humanos especializados. Objetivo: Realizar uma revisão narrativa da literatura sobre a relevância do fisioterapeuta no âmbito penitenciário como integrante da equipe de atenção básica prisional e os desafios deste na execução da saúde no cárcere. Metodologia: A busca narrativa foi realizada nas bases de dados PubMed, Scielo e LILACS. Os critérios de inclusão estabelecidos para escolher os estudos foram: artigos na íntegra dos quais explanassem na discussão sobre a fisioterapia nas Unidades Penais, como também da atuação da equipe multiprofissional no cárcere para efetivar a saúde pública; publicações indexadas nos últimos cinco anos; e artigos publicados nos idiomas português e inglês. Sendo excluídos os artigos em duplicidade nas bases de dados utilizadas. Resultados e Discussão: Foram elegidas 02 publicações. Constatou-se que o aglomerado populacional nas celas carcerárias predispõe agravos de condições de saúde. As unidades penais têm a atenção em saúde dos prisioneiros pautadas na prevenção e promoção da saúde, com referência da equipe de Estratégia Saúde da Família. Identificou-se que o cárcere tem restrições e dificuldades que podem afetar a biomecânica do movimento. Conclusão: Tais circunstâncias demonstram avanços nas políticas de saúde para as pessoas privadas de liberdade. Contudo, torna-se pertinente novos estudos sobre a fisioterapia nas prisões, uma vez que, nenhuma pesquisa apresentou com clareza a atuação do fisioterapeuta na equipe de atenção básica prisional.


Keywords


Prisões, Fisioterapia, Atenção primária.

References


ASSIS, R. D. de. A realidade atual do sistema penitenciário brasileiro. Revista CEJ, v. 11, n. 39, p. 74-78, 2007.

BARSAGLINI, R. A.; et al. Análise da percepção de gestores sobre a gestão da política de saúde penitenciária em Mato Grosso, Brasil. Saúde Soc., v. 24, n. 4, p.1119-1136, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902015000401119&Ing=en&nrm=iso. Acesso em: 12 jul 2020.

BATISTA, M. de A.; ARAÚJO, J. L. de; NASCIMENTO, E. G. C. do. Assistência à saúde das pessoas privadas de liberdade provisória: análise da efetividade do plano nacional de saúde do sistema penitenciário. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 23, n. 1, p. 71-80, maio/ago, 2019.

BRASIL. Ministério da Justiça. Lei nº 7210 de 11 de julho de 1984. Lei de Execução Penal. Brasília: Ministério da Justiça, 11 jul 1984.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria interministerial nº 1, de 2 de janeiro de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/pri0001_02_01_2014.html. Acesso em: 23 jul 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria interministerial nº 1777/GM, de 09 de setembro de 2003. Aprova o Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário. Diário Oficial da União, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2003/pri1777_09_09_2003.html. Acesso em: 24 ago 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área técnica de saúde no sistema penitenciário. Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_pnssp.pdf. Acesso em: 24 ago 2020.

FERNANDES, L. H.; et al. Necessidade de aprimoramento do atendimento à saúde no sistema carcerário. Rev. Saúde Pública, v. 48, n. 2, p. 275-83, 2014.

GÓIS, S. M.; et al. Para além das grades e punições: uma revisão sistemática sobre a saúde penitenciária. Ciência e Saúde Coletiva, v. 17, n. 5, p. 1235-1246, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000500017&Ing=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 14 jul 2020.

JESUS, L. O.; SCARPARO, H. B. K.; LERMEN, H. S. Desafios profissionais no campo da saúde no sistema prisional: dilemas na interface entre a saúde e a segurança. Aletheia, v. 41, p. 39-52, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-03942013000200004&lng=es&nrm=iso . Acesso em: 11 jun 2020.

KOLLING, G. J.; SÁ, M. C. D. N. P. de; SILVA, M. B. B. O direito à saúde no sistema prisional. Revista eletrônica Tempus – Actas de Saúde Coletiva, v. 7, n. 1, p. 281-297, 2013. Disponível em: http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1304/1133. Acesso em: 08 jun 2020.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO), 1946. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acesso em: 12 ago 2020.

REIS, C. B.; BERNARDES, E. B. O que acontece atrás das grades: estratégias de prevenção desenvolvidas nas delegacias civis contra HIV/Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis. Ciência e Saúde Coletiva, v. 16, n. 7, p. 3331-3338, 2011.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. São Paulo, v. 20, n. 2, p. v-vi, 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001. Acesso em: 01 ago 2020.

SANTOS, M. L. M.; et al. Competências e atribuições do fisioterapeuta na atenção primária à saúde. Fisioterapia Brasil, v. 15, n. 1, p.69-76, jan/fev, 2014.

SILVA, K. B.; BEZERRA, A. F. B.; TANAKA, O. Y. Direito à saúde e integralidade: uma discussão sobre os desafios e caminhos para sua efetivação. Interface comunicação saúde educação, v.16, n.40, p.249-260, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832012000100019&script=sci_abstract&tlng=pt . Acesso em: 21 jul 2020.

SOUSA, M. C. P.; et al. Atenção à saúde no sistema penitenciário: revisão de literatura. Rev. Interdisciplinar, v. 6, n. 2, p. 144-151, 2013. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/download/59/pdf_32. Acesso em: 18 ago 2020.

SOUZA, M. de.; et al. Atenção à saúde de indivíduos privados de liberdade no sistema prisional brasileiro: revisão integrativa. Revista ciências em saúde, v. 9, n. 4, p. 28-36, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-221

Refbacks

  • There are currently no refbacks.